Lá co­mo cá

O Estado de S. Paulo - - Economia - ELENA LANDAU E-MAIL: [email protected]­S.ORG ELENA LANDAU ES­CRE­VE QUINZENALM­ENTE

Em seu dis­cur­so na ONU, Bol­so­na­ro foi ele mes­mo. Em tom qua­se be­li­co­so con­fir­mou, com or­gu­lho, os de­sa­cer­tos das su­as po­lí­ti­cas in­ter­nas e ex­ter­nas. Mais um cons­tran­gi­men­to que se jun­ta à lis­ta que mar­ca sua pre­si­dên­cia. A lis­ta é lon­ga e am­pla nos te­mas, do des­res­pei­to aos di­rei­tos hu­ma­nos à ne­ga­ção da ci­ên­cia, o fes­ti­val é as­sus­ta­dor. A co­me­çar pe­lo pou­co apre­ço à vi­da dos seus “ini­mi­gos” – dos es­quer­dis­tas aos pre­sos co­muns –, re­fle­ti­do nas su­as ho­me­na­gens a di­ta­do­res e tor­tu­ra­do­res, e o aplau­so à de­go­la em pre­sí­di­os.

Bol­so­na­ro trans­for­ma em ini­mi­gos to­dos que di­ver­gem de su­as con­vic­ções. Há li­mi­ta­ção à li­ber­da­de de ex­pres­são, aban­do­no do com­pro­mis­so com um es­ta­do lai­co e de­mo­ni­za­ção da mí­dia, na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal. Re­ve­la enor­me pre­con­cei­to com sua ob­ses­são com ho­mos­se­xu­a­li­da­de e ques­tões de gê­ne­ro. Na cul­tu­ra, ele ig­no­ra artistas re­co­nhe­ci­dos, co­mo fez com o prê­mio Ca­mões da­do a Chi­co Bu­ar­que, ou na in­di­fe­ren­ça com a morte de João Gil­ber­to. Co­mo o exem­plo vem de ci­ma, o di­re­tor da Fu­nar­te se sen­tiu à von­ta­de pa­ra ofen­der Fer­nan­da Mon­te­ne­gro. Na sua vi­são, os co­mu­nis­tas es­tão por to­dos os la­dos, cres­cen­do de for­ma in­ver­sa­men­te pro­por­ci­o­nal à pi­o­ra da ava­li­a­ção do go­ver­no.

O pre­si­den­te vai ra­di­ca­li­zan­do no dis­cur­so au­to­ri­tá­rio, se re­co­lhen­do ao gru­po que, qua­se re­li­gi­o­sa­men­te, ain­da o apoia. Aos ami­gos, tu­do. Car­gos são dis­tri­buí­dos sem cri­té­rio além da fi­de­li­da­de ab­so­lu­ta, ge­ran­do o que se vê na con­du­ção dos Mi­nis­té­ri­os da Edu­ca­ção, Re­la­ções Ex­te­ri­o­res e Meio Am­bi­en­te. Pa­ra a fa­mí­lia não há li­mi­tes. A ocu­pa­ção do go­ver­no com pau­tas pes­so­ais é evi­den­te. A in­ter­ven­ção nos ór­gãos de fis­ca­li­za­ção, co­mo Co­af, Re­cei­ta e PGR, ou a ten­ta­ti­va de afas­tar o di­re­tor-ge­ral da Po­lí­cia Fe­de­ral fo­ram fei­tas quan­do tais ins­ti­tui­ções che­ga­ram pró­xi­mas dos seus. Não en­ru­bes­ceu ao in­di­car o fi­lho co­mo em­bai­xa­dor, ape­sar do seu des­pre­pa­ro, con­fir­ma­do pe­las ro­ti­nei­ras pos­ta­gens nas re­des so­ci­ais.

Nem a ci­ên­cia es­ca­pa. O ter­ra­pla­nis­mo do­mi­na ações pú­bli­cas im­ple­men­ta­das com ba­se em achis­mos. Bol­so­na­ro aca­ba, nu­ma ca­ne­ta­da, com anos de ex­pe­ri­ên­cia acu­mu­la­da em di­ver­sas áre­as, co­mo o uso da ca­dei­ri­nha pa­ra cri­an­ças nos car­ros e os ata­ques ao In­pe. E o Bra­sil vai vi­ran­do pi­a­da, iso­la­do e re­ti­ra­do dos de­ba­tes mais re­le­van­tes na eco­no­mia mun­di­al, do acor­do UE-Mer­co­sul à Cú­pu­la do Clima na ONU. Seu dis­cur­so re­for­çou es­se ca­mi­nho.

O obs­cu­ran­tis­mo das idei­as do pre­si­den­te po­de­ria ser ape­nas te­ma de pa­ró­di­as, se ele fos­se uma rai­nha da In­gla­ter­ra. O tra­ta­men­to dis­pen­sa­do a quem de­le dis­cor­da é gra­ve. Ame­a­ças ex­plí­ci­tas ou ve­la­das le­vam à au­to­cen­su­ra em di­ver­sas ins­ti­tui­ções, con­sequên­cia do um ins­tin­to de pre­ser­va­ção, ou co­var­dia, de al­guns fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos. Nin­guém es­ca­pa, nem mes­mo o al­to es­ca­lão mi­nis­te­ri­al, co­mo mos­tra a pas­si­vi­da­de dos mi­nis­tros Mo­ro e Gu­e­des às in­ter­ven­ções nas su­as áre­as. Es­sa cen­su­ra si­len­ci­o­sa que afe­ta a Re­cei­ta Fe­de­ral ou a cul­tu­ra, em tão pou­co tem­po de go­ver­no, é um re­tro­ces­so de­mo­crá­ti­co cla­ro. Ca­lar a di­ver­gên­cia, a crí­ti­ca, o de­ba­te é o ca­mi­nho pa­ra o au­to­ri­ta­ris­mo.

Há quem ain­da ar­gu­men­te que uma su­pos­ta agen­da econô­mi­ca li­be­ral com­pen­se tu­do is­so. Es­se dis­cur­so não faz sen­ti­do al­gum. A eco­no­mia vai mal, com cres­ci­men­to me­dío­cre e de­sem­pre­go ele­va­do. O Exe­cu­ti­vo es­tá con­fu­so e ino­pe­ran­te. A re­for­ma da Pre­vi­dên­cia só an­dou por­que a Câ­ma­ra as­su­miu o pro­ta­go­nis­mo, co­mo vem fa­zen­do com a re­for­ma tri­bu­tá­ria.

A aber­tu­ra co­mer­ci­al não veio e se re­su­me a con­ces­sões de ex-ta­ri­fá­ri­os, re­gi­me em que a re­du­ção de ta­ri­fas se apli­ca a bens sem pro­du­ção na­ci­o­nal, e é con­ti­nui­da­de de uma po­lí­ti­ca que até Dil­ma pra­ti­ca­va. A pri­va­ti­za­ção não exis­te pa­ra além do anún­cio de uma lis­ta tí­mi­da de em­pre­sas. A re­for­ma do Es­ta­do até o mo­men­to é um con­jun­to de idei­as co­lo­ca­das de for­ma de­sor­ga­ni­za­da na mí­dia. O no­vo pac­to fe­de­ra­ti­vo é um mis­té­rio a ser des­ven­da­do.

Ten­do en­tre­gue bem me­nos do que pro­me­teu, nem mes­mo Gu­e­des es­tá pro­te­gi­do dos hu­mo­res de Bol­so­na­ro, que an­da im­pa­ci­en­te com a fal­ta de re­cur­sos pa­ra in­ves­tir. Foi obri­ga­do a de­mi­tir Mar­cos Cin­tra por con­ta da CPMF, tri­bu­to de seu gos­to e que, aliás, con­ti­nua de­fen­den­do. As pro­mes­sas já não en­con­tram o mes­mo eco na so­ci­e­da­de. Co­mo o me­ni­no pas­tor que gri­ta­va lo­bo, a cre­di­bi­li­da­de vai sen­do per­di­da.

Ain­da que a eco­no­mia es­ti­ves­se in­do de ven­to em po­pa, e uma agen­da ver­da­dei­ra­men­te li­be­ral es­ti­ves­se em cur­so, na­da jus­ti­fi­ca ig­no­rar os ar­rou­bos au­to­ri­tá­ri­os de Bol­so­na­ro. Sem de­mo­cra­cia não há li­be­ra­lis­mo, que é mui­to mais que uma re­cei­ta econô­mi­ca. Não exis­te a se­pa­ra­ção en­tre eco­no­mia e o res­to. O cha­ma­do mi­la­gre econô­mi­co dos anos mi­li­ta­res, que ter­mi­nou com hi­pe­rin­fla­ção e a pi­or dis­tri­bui­ção de ren­da do mun­do, não apa­ga as mons­tru­o­si­da­des co­me­ti­das, nem jus­ti­fi­ca o AI-5, co­mo que­rem al­guns.

Bol­so­na­ro con­fir­mou na ONU de­sa­cer­tos das su­as po­lí­ti­cas in­ter­nas e ex­ter­nas

✽ ECONOMISTA E AD­VO­GA­DA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.