Uni­ver­si­da­des pú­bli­cas e o de­sen­vol­vi­men­to do Es­ta­do

O Estado de S. Paulo - - Economia - •✽ HERNAN CHAIMOVICH

Opa­pel da Unesp, da Uni­camp e da USP no per­fil so­ci­o­e­conô­mi­co das ci­da­des do Es­ta­do de São Pau­lo, on­de elas têm se­de, é ra­ra­men­te le­va­do em con­si­de­ra­ção. As três uni­ver­si­da­des pú­bli­cas es­ta­du­ais pau­lis­tas são fi­nan­ci­a­das pe­lo con­tri­buin­te do Es­ta­do e, co­mo es­pe­ra­do, as pres­ta­ções anu­ais de con­tas fi­nan­cei­ras das três ins­ti­tui­ções são apro­va­das re­gu­lar­men­te por to­dos os ór­gãos de con­tro­le do Es­ta­do.

As três uni­ver­si­da­des vêm de­mons­tran­do que sua pro­du­ti­vi­da­de au­men­ta con­ti­nu­a­men­te des­de a de­cre­ta­ção da sua au­to­no­mia com vin­cu­la­ção do or­ça­men­to ao ICMS, em 1989, por fa­to­res que su­pe­ram, em mui­to, a va­ri­a­ção do fi­nan­ci­a­men­to e a pro­du­ti­vi­da­de do tra­ba­lho no País. Nes­tes 30 anos os tí­tu­los con­ce­di­dos na gra­du­a­ção mais que do­bra­ram, os di­plo­mas de pós-gra­du­a­ção au­men­ta­ram qua­se 400% e as pu­bli­ca­ções ci­en­tí­fi­cas se mul­ti­pli­ca­ram qua­se 20 ve­zes. O im­pac­to in­te­lec­tu­al, econô­mi­co e so­ci­al da pro­du­ção aca­dê­mi­ca, a qua­li­da­de dos pro­fis­si­o­nais, mes­tres e dou­to­res for­ma­dos pe­las três uni­ver­si­da­des e a plêi­a­de de ser­vi­ços pres­ta­dos, que vão da aten­ção mé­di­ca até a pro­du­ção ar­tís­ti­ca, evi­den­ci­am qua­li­ta­ti­va e quan­ti­ta­ti­va­men­te que o in­ves­ti­men­to pro­duz re­sul­ta­dos. Es­tes da­dos, po­rém, re­fle­tem só uma par­te do im­pac­to cul­tu­ral, so­ci­al e econô­mi­co das três uni­ver­si­da­des pú­bli­cas do Es­ta­do.

Por exem­plo, não se con­ce­be a re­gião da gran­de Cam­pi­nas, por mui­tos con­si­de­ra­da o Vale do Si­lí­cio tu­pi­ni­quim, sem a pes­qui­sa e os pro­fis­si­o­nais for­ma­dos pe­la Uni­camp. O ecos­sis­te­ma de al­ta tec­no­lo­gia que nas­ceu na re­gião não teria se de­sen­vol­vi­do sem o am­bi­en­te de­ter­mi­na­do pe­la pre­sen­ça do câm­pus da uni­ver­si­da­de. São Car­los é ou­tro exem­plo: é im­pos­sí­vel ima­gi­nar a pu­jan­ça agrí­co­la e in­dus­tri­al da co­mar­ca sem os cam­pi da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo. O su­ces­so do in­ves­ti­men­to pri­va­do em pes­qui­sa agro­pe­cuá­ria, evi­den­te em São Pau­lo, se­ria im­pos­sí­vel sem a in­ves­ti­ga­ção e os ci­en­tis­tas da Es­co­la Su­pe­ri­or de Agri­cul­tu­ra da USP. O pe­so da Unesp na eco­no­mia, e sua con­tri­bui­ção pa­ra o (al­to) per­fil so­ci­o­e­conô­mi­co do Es­ta­do, é tam­bém ex­plí­ci­to em Bau­ru, Ja­bo­ti­ca­bal e Ara­ra­qua­ra. Os exem­plos se mul­ti­pli­cam em Ri­bei­rão Pre­to, Lo­re­na e por aí afo­ra.

Res­tam, ain­da, as­pec­tos do im­pac­to da exis­tên­cia de se­des das uni­ver­si­da­des pau­lis­tas no Es­ta­do que, em al­guns ca­sos, se­ri­am fá­ceis de quan­ti­fi­car e, se ne­ces­sá­rio, mo­ne­ti­zar. O pe­so dos es­tu­dan­tes des­tas três uni­ver­si­da­des na eco­no­mia de ci­da­des co­mo Pi­ras­su­nun­ga, As­sis, Ma­rí­lia, Li­mei­ra ou Lo­re­na se faz sen­tir des­de a pa­da­ria até o bar, da la­van­de­ria ao mer­ca­di­nho da es­qui­na. Os es­tu­dan­tes afe­tam e mo­di­fi­cam eco­no­mi­as lo­cais, e pa­dei­ros e bar­bei­ros sa­bem que sua so­bre­vi­vên­cia co­mo pe­que­nos em­pre­en­de­do­res de­pen­de da exis­tên­cia des­sa po­pu­la­ção flu­tu­an­te.

A vi­da no in­te­ri­or pau­lis­ta foi mo­di­fi­ca­da pe­la ne­ces­si­da­de de abri­gar uma po­pu­la­ção de pro­fes­so­res, fun­ci­o­ná­ri­os e es­tu­dan­tes com for­ma­ção cul­tu­ral di­fe­ren­ci­a­da. Mis­tu­ra harmô­ni­ca de cul­tu­ras sem­pre en­ri­que­ce so­ci­e­da­des que, co­mo nes­tes ca­sos, não só a acei­tam, mas a aco­lhem e se trans­for­mam com ela. Tu­do is­so con­tri­buiu pa­ra trans­for­mar o pa­drão, a qua­li­da­de e a quan­ti­da­de do em­pre­go no in­te­ri­or pau­lis­ta e, não por aca­so, foi in­du­zi­do pe­la exis­tên­cia de ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or e pes­qui­sa, cu­jo im­pac­to é re­co­nhe­ci­do e des­ta­ca­do em to­dos os ran­kings in­ter­na­ci­o­nais. O de­sem­pe­nho in­ter­na­ci­o­nal das uni­ver­si­da­des pú­bli­cas do Es­ta­do é tri­bu­tá­rio de ou­tra instituiçã­o pau­lis­ta, a Fun­da­ção de Am­pa­ro à Pes­qui­sa do Es­ta­do de São Pau­lo (Fa­pesp), que, por dé­ca­das de in­ves­ti­men­to cons­tan­te em pes­qui­sa ci­en­tí­fi­ca, pro­pi­cia a cri­a­ção, in­ter­na­ci­o­nal­men­te com­pe­ti­ti­va, de co­nhe­ci­men­to em to­das as áre­as do sa­ber, em be­ne­fí­cio do ci­da­dão.

O re­co­nhe­ci­men­to da efi­ci­ên­cia e da per­ti­nên­cia do sis­te­ma de en­si­no su­pe­ri­or e pes­qui­sa, fi­nan­ci­a­do pe­lo con­tri­buin­te no Es­ta­do de São Pau­lo, não po­de ser fei­to de for­ma so­li­tá­ria pe­los que ne­le tra­ba­lham ou es­tu­dam. Em to­dos os es­pa­ços on­de o im­pac­to des­se sis­te­ma con­di­ci­o­na a pró­pria exis­tên­cia do lu­gar, se­ja uma ci­da­de do in­te­ri­or ou um hos­pi­tal de al­ta com­ple­xi­da­de na ca­pi­tal, ne­ces­si­ta­mos de uma ati­tu­de al­ti­va. Que to­dos se le­van­tem, mos­trem e de­mons­trem os ca­mi­nhos apon­ta­dos, as con­tri­bui­ções ofer­ta­das, os be­ne­fí­ci­os pro­pi­ci­a­dos e os avan­ços con­quis­ta­dos, pois só es­te sis­te­ma vai nos per­mi­tir en­fren­tar o fu­tu­ro da com­ple­xi­da­de pre­sen­te.

O im­pac­to ge­ra­do por USP, Uni­camp e Unesp evi­den­cia que o in­ves­ti­men­to nes­sas ins­ti­tui­ções pro­duz re­sul­ta­dos

PROFESSOR EMÉRITO DO INS­TI­TU­TO DE QUÍ­MI­CA DA USP, FOI PRE­SI­DEN­TE DO CON­SE­LHO DE DE­SEN­VOL­VI­MEN­TO CI­EN­TÍ­FI­CO E TECNOLÓGIC­O (CNPQ)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.