Adri­a­na Fer­nan­des

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - E-MAIL: ADRI­A­NA.FER­NAN­[email protected] ADRI­A­NA FER­NAN­DES ES­CRE­VE AOS SÁ­BA­DOS

Li­de­ran­ças par­ti­dá­ri­as que­rem de­si­dra­tar a par­te do bo­lo do lei­lão do pré-sal que vai pa­ra o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro.

Os pre­si­den­tes Davi Al­co­lum­bre (Se­na­do) e Ro­dri­go Maia (Câ­ma­ra) fe­cha­ram um acor­do com o mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des, pa­ra ga­ran­tir a re­a­li­za­ção ain­da es­te ano do me­ga­lei­lão de pe­tró­leo na área de ex­plo­ra­ção do pré-sal da ces­são one­ro­sa.

O lei­lão es­tá mar­ca­do pa­ra no­vem­bro, mas a solução pa­ra agi­li­zar o pro­ces­so po­de sair ca­ra pa­ra o go­ver­no fe­de­ral.

Li­de­ran­ças par­ti­dá­ri­as já an­te­ci­pam que que­rem ti­rar uma fa­tia mai­or dos re­cur­sos que se­rão ar­re­ca­da­dos no lei­lão. Que­rem ir­ri­gar com mais dinheiro, so­bre­tu­do, pa­ra os co­fres dos go­ver­nos re­gi­o­nais, prin­ci­pal­men­te pa­ra as pre­fei­tu­ras, às vés­pe­ras das elei­ções do ano que vem.

À bo­ca pe­que­na, o que se ou­ve no Con­gres­so é que par­la­men­ta­res não que­rem mes­mo é dei­xar o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro com o co­fre mui­to cheio pa­ra ali­men­tar obras e os pro­gra­mas do seu go­ver­no nos pró­xi­mos me­ses.

A es­tra­té­gia é, sim, de­si­dra­tar a par­te do bo­lo que vai pa­ra o pre­si­den­te.

Não dá pa­ra es­que­cer que o che­que do lei­lão de pe­tró­leo é al­tís­si­mo: R$ 106,5 bi­lhões. A Pe­tro­brás fi­ca com R$ 33,6 bi­lhões dos re­cur­sos ar­re­ca­da­dos com o lei­lão, o cha­ma­do bô­nus de as­si­na­tu­ra. O res­tan­te – R$ 72,8 bi­lhões – iria to­do pa­ra o go­ver­no fe­de­ral, po­rém, aca­bou sen­do re­par­ti­do com Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os nu­ma ne­go­ci­a­ção que, na prá­ti­ca, co­me­çou já na tran­si­ção de go­ver­no, de­pois que Gu­e­des ace­nou com o dis­cur­so de “me­nos Bra­sí­lia e mais Bra­sil”.

Pe­lo acer­to fei­to no Se­na­do pa­ra a par­ti­lha, R$ 10,95 bi­lhões (15%) se­ri­am re­pas­sa­dos a Es­ta­dos; ou­tros R$ 10,95 bi­lhões (15%) pa­ra os mu­ni­cí­pi­os e R$ 2,19 bi­lhões (3%) se­ri­am dis­tri­buí­dos pa­ra os Es­ta­dos on­de es­ti­ve­rem lo­ca­li­za­das as ja­zi­das de pe­tró­leo.

So­brou pa­ra Bol­so­na­ro e seu ti­me a fa­tia de R$ 48,9 bi­lhões – re­cei­ta que po­de aju­dar mui­to o go­ver­no a re­du­zir o dé­fi­cit. É es­sa par­ce­la que po­de cair ain­da mais, a de­pen­der do que a Câ­ma­ra e o Se­na­do de­ci­di­rem ago­ra que a PEC da ces­são one­ro­sa foi fa­ti­a­da com o acor­do Al­co­lum­bre-Maia-Gu­e­des fe­cha­do qu­ar­ta-fei­ra pas­sa­da.

Pe­lo com­bi­na­do, a PEC foi pro­mul­ga­da por Al­co­lum­bre sem a de­fi­ni­ção da par­ti­lha. Ela abre ca­mi­nho pa­ra o lei­lão, mas dei­xou pa­ra de­pois a di­vi­são do bo­lo. É ai que mo­ra o pro­ble­ma.

É que a PEC foi vo­ta­da pe­los de­pu­ta­dos e apro­va­da pe­lo Se­na­do, mas co­mo foi mo­di­fi­ca­da na par­ti­lha, te­ve que vol­tar no­va­men­te pa­ra a Câ­ma­ra. O pro­ces­so es­ta­va len­to jus­ta­men­te pe­lo de­se­jo de mui­ta gen­te de não dar um che­que mui­to gor­do pa­ra o pre­si­den­te. O con­sen­so que es­ta­va se for­man­do an­tes do acor­do era o dei­xar a vo­ta­ção da PEC em ba­nho-ma­ria.

Se a equi­pe econô­mi­ca ga­nhou agi­li­da­de com o lei­lão, te­rá que ago­ra es­pe­rar pa­ra sa­ber co­mo fi­ca a par­ti­lha. Pa­ra com­pli­car, go­ver­na­do­res não gos­ta­ram na­da de sa­ber que os pre­fei­tos po­dem fi­car com uma par­ce­la mai­or do que a de­les.

O Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia es­tá cer­to que o acor­do se­rá res­pei­ta­do e não ha­ve­rá trai­ção. Vai dei­xar, in­clu­si­ve, uma re­ser­va no Or­ça­men­to pa­ra pas­sar 30% do dinheiro ar­re­ca­da­do com o lei­lão pa­ra Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os.

O que es­tá di­fí­cil de sa­ber ago­ra é o que acon­te­ce se o lei­lão ocor­rer an­tes que a par­ti­lha se­ja fe­cha­da. A novela pe­la co­bi­ça do pré-sal con­ti­nua.

Re­for­ma tri­bu­tá­ria. A di­vi­são das re­cei­tas futuras tam­bém já che­gou à re­for­ma tri­bu­tá­ria. Pa­ra vi­a­bi­li­zar a sua apro­va­ção, a ideia é cri­ar um Fun­do de De­sen­vol­vi­men­to Re­gi­o­nal com o dinheiro que a União te­rá a re­ce­ber no fu­tu­ro com os royalties do pré-sal.

O go­ver­no tem que ter cui­da­do pa­ra não dei­xar que a dis­cus­são fe­de­ra­ti­va de des­cen­tra­li­za­ção de re­cei­tas con­ta­mi­ne a re­for­ma tri­bu­tá­ria a tal pon­to que ela se tor­ne to­tal­men­te in­viá­vel.

Tem que man­dar lo­go a pro­pos­ta e pa­rar com es­se dis­cur­so de que é me­lhor fa­zer a re­for­ma tri­bu­tá­ria só dos tri­bu­tos fe­de­rais, dei­xan­do o ICMS dos Es­ta­dos e o ISS dos mu­ni­cí­pi­os pa­ra de­pois.

Pre­ci­sa usar o seu ca­pi­tal po­lí­ti­co pa­ra li­mi­tar o grau de des­cen­tra­li­za­ção de re­cei­tas ao que é “pos­sí­vel” na si­tu­a­ção atu­al pa­ra ter as ré­de­as do pro­ces­so. Sem o con­tro­le, te­rá mui­tos pro­ble­mas no lon­go pra­zo com a di­mi­nui­ção do che­que pa­ra Bol­so­na­ro.

A es­tra­té­gia é de­si­dra­tar a par­te do bo­lo do pré-sal que vai pa­ra o pre­si­den­te

É JOR­NA­LIS­TA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.