A cri­se da or­dem li­be­ral

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

O úni­co ca­mi­nho pa­ra unir pros­pe­ri­da­de e jus­ti­ça é am­pli­ar a li­ber­da­de in­di­vi­du­al dis­tri­buin­do res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al.

No fim da gu­er­ra fria va­lo­res li­be­rais co­mo o li­vre mer­ca­do e a li­ber­da­de in­di­vi­du­al pa­re­ci­am tão con­so­li­da­dos que Fran­cis Fu­kuya­ma che­gou a se per­gun­tar se a de­mo­cra­cia oci­den­tal con­su­ma­va O Fim da His­tó­ria.

A sua res­pos­ta foi “sim” – mas a da His­tó­ria foi “não”. “O li­be­ra­lis­mo cri­ou o mun­do mo­der­no, mas o mun­do mo­der­no es­tá se vol­tan­do con­tra ele”, cons­ta­tou há pou­co a re­vis­ta The Eco­no­mist em seu Ma­ni­fes­to pe­la re­no­va­ção do li­be­ra­lis­mo. Pa­ra dis­cu­tir es­ta cri­se de iden­ti­da­de da or­dem li­be­ral, a Fundação Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so pro­mo­veu um de­ba­te com es­tu­di­o­sos do nú­cleo “Con­tes­ta­ções do ro­tei­ro li­be­ral” (Scripts), se­di­a­do na Uni­ver­si­da­de de Ber­lim.

A eco­no­mia mais bem-su­ce­di­da das úl­ti­mas dé­ca­das, a ca­mi­nho de se tor­nar a mai­or do mun­do – a Chi­na –, é uma di­ta­du­ra ca­da vez me­nos li­be­ral. O mes­mo au­to­ri­ta­ris­mo re­cru­des­ce na Rús­sia, en­quan­to o mun­do is­lâ­mi­co se re­trai às su­as raí­zes tri­bais. Ao mes­mo tem­po, va­ci­lam os ali­cer­ces do li­be­ra­lis­mo no Oci­den­te. De acor­do com o ins­ti­tu­to Fre­e­dom Hou­se, na úl­ti­ma dé­ca­da as li­ber­da­des e di­rei­tos ci­vis for­ta­le­ce­ram-se em ape­nas 35 paí­ses, ao passo que se de­te­ri­o­ra­ram em 75 e só 13% da po­pu­la­ção mun­di­al vi­ve em um país on­de a im­pren­sa é ple­na­men­te li­vre.

Não à toa a pró­pria no­ção de li­be­ra­lis­mo é des­fi­gu­ra­da à es­quer­da e à di­rei­ta. Nos EUA con­so­li­dou-se a as­so­ci­a­ção do ter­mo li­be­ral com a es­quer­da e su­as pau­tas fre­quen­te­men­te an­ti­li­be­rais, co­mo a ob­ses­são por po­lí­ti­cas iden­ti­tá­ri­as ra­di­ca­das em mi­li­tân­ci­as di­vi­di­das por ra­ça, re­li­gião ou se­xu­a­li­da­de, que mui­tas ve­zes se so­bre­põem ao in­te­res­se co­mum, pro­mo­vem a cen­su­ra e ex­ci­tam o seu opos­to: o re­a­ci­o­na­ris­mo au­to­ri­tá­rio. Por ou­tro la­do, o li­be­ra­lis­mo é tam­bém as­so­ci­a­do ao “ul­tra­li­be­ra­lis­mo” ou “ne­o­li­be­ra­lis­mo” de di­rei­ta, que na­da mais é que o “ca­pi­ta­lis­mo sel­va­gem” ou darwi­nis­mo so­ci­al, que con­duz a re­sul­ta­dos an­ti­li­be­rais, co­mo a per­pe­tu­a­ção do sta­tus quo, a con­cen­tra­ção de ren­da ou a agres­são ao meio am­bi­en­te, além de tam­bém in­fla­mar o seu opos­to: o in­ter­ven­ci­o­nis­mo cen­tra­li­za­dor.

De um la­do ou de ou­tro, ques­ti­o­nam-se as con­quis­tas li­be­rais des­de o pós-gu­er­ra – a glo­ba­li­za­ção econô­mi­ca, os flu­xos mi­gra­tó­ri­os, a or­dem de­mo­crá­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal – co­mo pro­du­tos de uma eli­te in­ca­paz de res­pon­der aos pro­ble­mas do po­vo. On­das po­pu­lis­tas – co­mo a cam­pa­nha na­ci­o­na­lis­ta de Do­nald Trump con­tra o cos­mo­po­li­tis­mo do go­ver­no Oba­ma ou mo­vi­men­tos co­mo o Bre­xit ou o Cin­co Es­tre­las con­tra a bu­ro­cra­cia de Bruxelas – pro­pa­gam-se pe­lo pla­ne­ta pro­me­ten­do aos elei­to­res “re­to­mar o con­tro­le”.

Co­mo su­ge­ri­ram os pes­qui­sa­do­res do Scripts, as­sim co­mo os editores da Eco­no­mist e ou­tros li­be­rais, se o li­be­ra­lis­mo qui­ser se rein­ven­tar, de­ve ser a um tem­po con­ser­va­dor e pro­gres­sis­ta: de­ve pro­gre­dir por meio de re­for­mas que pro­li­fe­rem seus fru­tos – as li­ber­da­des ci­vis, po­lí­ti­cas e econô­mi­cas – con­ser­van­do su­as raí­zes ou prin­cí­pi­os. Es­tes, se­gun­do um dos mai­o­res his­to­ri­a­do­res do li­be­ra­lis­mo, Ed­mund Faw­cett, po­dem ser re­su­mi­dos a qua­tro – os dois pri­mei­ros con­tra­pos­tos à men­ta­li­da­de re­a­ci­o­ná­ria, os dois úl­ti­mos, à re­vo­lu­ci­o­ná­ria –: pri­mei­ro, que a so­ci­e­da­de, pre­cá­ria e fa­lí­vel, de­ve ser um es­pa­ço de com­pe­ti­ção de idei­as; de­pois, que es­ta so­ci­e­da­de, sen­do di­nâ­mi­ca, de­ve ser me­lho­ra­da; ter­cei­ro, a des­con­fi­an­ça do po­der e sua ten­dên­cia à cen­tra­li­za­ção; e, fi­nal­men­te, o res­pei­to ao in­di­ví­duo e seus di­rei­tos ci­vis, po­lí­ti­cos e de pro­pri­e­da­de.

A cren­ça li­be­ral é de que, com jus­ta re­gu­la­men­ta­ção, quan­to mais li­vre o mer­ca­do, mai­or a dis­tri­bui­ção de ri­que­za; quan­to mais po­der se dá às co­mu­ni­da­des lo­cais, mais se for­ta­le­ce a or­dem global; quan­to mais imi­gra­ção, mais se en­ri­que­ce a cul­tu­ra na­ci­o­nal; quan­to mais li­ber­da­de de ex­pres­são, mai­or é a con­cór­dia ci­vil. Se va­lo­res co­mo es­ses pa­re­cem in­con­ci­liá­veis, co­mo que­rem os an­ti­li­be­rais, é pe­la in­ca­pa­ci­da­de dos li­be­rais de jus­ti­fi­car com pa­la­vras e con­cre­ti­zar com atos a sua mis­são: am­pli­ar a li­ber­da­de in­di­vi­du­al dis­tri­buin­do a res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al – o úni­co ca­mi­nho pa­ra unir a pros­pe­ri­da­de e a jus­ti­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.