STF der­ru­ba re­a­jus­te anu­al pa­ra ser­vi­dor

De­ci­são do STF traz alí­vio à equi­pe econô­mi­ca por­que se o vo­to fos­se pe­la obri­ga­to­ri­e­da­de, os pa­ga­men­tos se­ri­am re­tro­a­ti­vos

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Idi­a­na To­ma­zel­li

O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de­so­bri­gou o Po­der Exe­cu­ti­vo de con­ce­der re­a­jus­te anu­al a fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos, des­de que ha­ja uma jus­ti­fi­ca­ti­va pa­ra is­so. A de­ci­são foi to­ma­da na qu­ar­ta-fei­ra e foi con­si­de­ra­da ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te por in­te­gran­tes da equi­pe econô­mi­ca. Ca­so a po­si­ção fos­se pe­la obri­ga­to­ri­e­da­de da re­vi­são ge­ral anu­al dos sa­lá­ri­os, Es­ta­dos cor­ri­am o ris­co de pre­ci­sar dar au­men­tos re­tro­a­ti­vos pa­ra vá­ri­as ca­te­go­ri­as, num mo­men­to já de pro­fun­da cri­se fi­nan­cei­ra.

A de­ci­são não foi unâ­ni­me. Seis mi­nis­tros vo­ta­ram pe­la pos­si­bi­li­da­de de não dar o re­a­jus­te, en­quan­to qua­tro vo­ta­ram pe­lo de­ver do au­men­to sob qu­al­quer hi­pó­te­se. O pro­ces­so dis­cu­tia o di­rei­to de ser­vi­do­res es­ta­du­ais de São Pau­lo a uma in­de­ni­za­ção por te­rem fi­ca­do com sa­lá­ri­os con­ge­la­dos no pas­sa­do. O pro­ces­so che­gou ao STF em 2007 e tem re­per­cus­são ge­ral, com efei­to so­bre to­da a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca fe­de­ral, es­ta­du­al e mu­ni­ci­pal.

A Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral as­se­gu­ra uma re­vi­são ge­ral anu­al na re­mu­ne­ra­ção dos ser­vi­do­res, cu­ja ideia é ga­ran­tir a ma­nu­ten­ção do po­der de compra com a re­po­si­ção da in­fla­ção. Uma in­te­gran­te da equi­pe econô­mi­ca, po­rém, res­sal­ta que o ar­ti­go foi ela­bo­ra­do no fim da dé­ca­da de 80, quan­do o País ain­da vi­via sob o fan­tas­ma da hi­pe­rin­fla­ção. Pa­ra es­sa fon­te, es­se ti­po de dis­po­si­ti­vo não faz mais sen­ti­do atu­al­men­te, so­bre­tu­do num con­tex­to de di­fi­cul­da­des fis­cais.

Se­gun­do o Te­sou­ro Na­ci­o­nal, 12 Es­ta­dos fe­cha­ram o ano de 2018 com gas­tos com pes­so­al aci­ma do li­mi­te da Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal (LRF). A le­gis­la­ção au­to­ri­za des­ti­nar até 60% da Re­cei­ta Cor­ren­te Lí­qui­da (RCL) pa­ra a fo­lha de pa­ga­men­to, mas Es­ta­dos co­mo Mi­nas Ge­rais já es­tão per­to de 80%. Os ga­ti­lhos de ajus­te não fo­ram aci­o­na­dos an­tes por­que mui­tos de­les ma­qui­a­ram as con­tas pa­ra se en­qua­drar ar­ti­fi­ci­al­men­te no li­mi­te e con­ti­nu­ar con­tra­tan­do no­vos ser­vi­do­res e dan­do au­men­tos sa­la­ri­ais.

Te­to de gas­tos. A pró­pria União, em­bo­ra es­te­ja lon­ge de rom­per seu li­mi­te de gas­tos com pes­so­al, en­vi­ou uma pro­pos­ta or­ça­men­tá­ria pa­ra 2020 sem pre­ver re­a­jus­tes pa­ra ser­vi­do­res ci­vis (só os mi­li­ta­res po­de­rão ter au­men­to, a um cus­to de R$ 4,7 bi­lhões). O mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des, tem de­fen­di­do a ne­ces­si­da­de de “que­brar o pi­so”, is­to é, con­tro­lar o avan­ço das des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as (co­mo pes­so­al e Pre­vi­dên­cia) pa­ra evi­tar um rom­pi­men­to do te­to de gas­tos, que li­mi­ta o au­men­to das des­pe­sas à in­fla­ção do ano an­te­ri­or. O gas­to com fo­lha na União de­ve che­gar a R$ 323 bi­lhões no ano que vem – o se­gun­do mai­or do Or­ça­men­to e equi­va­len­te a 22,2% do es­pa­ço no te­to.

A ava­li­a­ção na área econô­mi­ca é que a de­ci­são do STF tam­bém con­tri­bui pa­ra dar rou­pa­gem le­gal à de­ci­são do go­ver­no fe­de­ral de con­ge­lar os sa­lá­ri­os de ser­vi­do­res pú­bli­cos na pro­pos­ta or­ça­men­tá­ria do ano que vem.

O en­ten­di­men­to fir­ma­do pe­la Cor­te exi­ge que uma jus­ti­fi­ca­ti­va se­ja en­vi­a­da ao Le­gis­la­ti­vo sem­pre que não hou­ver pre­vi­são de re­vi­são ge­ral dos sa­lá­ri­os do fun­ci­o­na­lis­mo. A mai­o­ria no ple­ná­rio da Cor­te foi con­so­li­da­da com o apoio do pre­si­den­te do STF, mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li, que de­fen­deu o res­pei­to à com­pe­tên­cia do che­fe do Exe­cu­ti­vo de ca­da uni­da­de fe­de­ra­ti­va, em con­jun­to com o Le­gis­la­ti­vo, pa­ra a to­ma­da de de­ci­são mais ade­qua­da so­bre os re­a­jus­tes.

Tof­fo­li apon­tou que o che­fe do Exe­cu­ti­vo de­ve le­var em con­ta ou­tros fa­to­res, en­tre eles a res­pon­sa­bi­li­da­de fis­cal, di­an­te dos li­mi­tes da LRF pa­ra gas­tos com pes­so­al. Pa­ra ele, o di­rei­to à re­com­po­si­ção sa­la­ri­al es­tá con­di­ci­o­na­do pe­las cir­cuns­tân­ci­as con­cre­tas de ca­da pe­río­do.

Tam­bém vo­ta­ram pe­la não obri­ga­to­ri­e­da­de dos re­a­jus­tes os mi­nis­tros Ed­son Fa­chin, Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, Te­o­ri Za­vasc­ki (que fa­le­ceu no iní­cio de 2017), Ro­sa We­ber e Gil­mar Men­des. Em seu vo­to, Fa­chin afir­mou que a re­vi­são pre­vis­ta na Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral po­de sig­ni­fi­car re­a­jus­te, re­com­po­si­ção ou, até mes­mo, a pres­ta­ção de con­tas no sen­ti­do da im­pos­si­bi­li­da­de de ado­tar a me­di­da.

Fo­ram ven­ci­dos os mi­nis­tros Mar­co Au­ré­lio (que era o re­la­tor da ação), Cár­men Lú­cia, Luiz Fux e Ri­car­do Lewan­dows­ki.

ADRI­A­NO MA­CHA­DO / REU­TERS - 25/8/2019

Te­to. Gu­e­des bus­ca o con­tro­le do avan­ço das des­pe­sas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.