Atos e ve­ne­nos

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - MAR­CO AU­RÉ­LIO NO­GUEI­RA

Du­ran­te os no­ve me­ses do go­ver­no Bol­so­na­ro a opi­nião pú­bli­ca, a mí­dia e a so­ci­e­da­de ci­vil en­tra­ram em con­ta­to com um es­ti­lo par­ti­cu­lar de go­ver­na­ção, re­ple­to de gros­se­ri­as, idas e vin­das no pla­no de­ci­só­rio, mui­to de­sen­con­tro ad­mi­nis­tra­ti­vo, pou­ca qua­li­da­de téc­ni­ca nas pro­po­si­ções go­ver­na­men­tais e um es­pí­ri­to be­li­ge­ran­te nas re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais. O dis­cur­so pre­si­den­ci­al na ONU, ter­ça-fei­ra, foi um exem­plo elo­quen­te dis­so.

As pa­ta­co­a­das e bar­ba­ri­da­des di­tas por ele, den­tro e fo­ra do País, pre­ci­sam ser pos­tas no de­vi­do lu­gar. Não são o da­do mais im­por­tan­te, nem ser­vem pa­ra ocultar o que es­cor­re por bai­xo do pa­no. A ver­bor­ra­gia pro­vo­ca­ti­va, a nar­ra­ti­va tó­xi­ca e o es­ti­lo dei­xa que eu chu­to do pre­si­den­te são par­te do drama, in­te­gram a co­re­o­gra­fia, mas não de­fi­nem o drama.

Por trás há uma dis­pu­ta di­re­ci­o­na­da pa­ra refazer o pac­to so­ci­al bra­si­lei­ro, as re­gras vi­gen­tes no mun­do do tra­ba­lho e do em­pre­go, o mo­do co­mo his­to­ri­ca­men­te se con­ce­beu o de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co en­tre nós, com seus de­vi­dos acor­dos in­ter­clas­ses. Ain­da não es­tá su­fi­ci­en­te­men­te cla­ro o fô­le­go que te­rão as for­ças po­lí­ti­cas que ho­je go­ver­nam o País. Não se sa­be tam­bém se do pro­je­to go­ver­na­men­tal sai­rá al­gu­ma no­va si­tu­a­ção econô­mi­ca, se ha­ve­rá ou não re­to­ma­da do cres­ci­men­to e me­lho­ria das con­di­ções de vi­da dos bra­si­lei­ros. Sa­be-se, po­rém, que Bol­so­na­ro é o ins­tru­men­to de uma apos­ta, de uma ma­nei­ra de con­ce­ber o im­pé­rio do mer­ca­do, que se com­bi­na, pa­ra­do­xal­men­te, com iso­la­ci­o­nis­mo in­ter­na­ci­o­nal e ali­nha­men­to meio ata­ba­lho­a­do com as cor­ren­tes “so­be­ra­nis­tas” que ten­tam se fi­xar no mun­do. Di­rei­tis­mo com­bi­na­do com ul­tra­li­be­ra­lis­mo econô­mi­co.

O com­por­ta­men­to pre­si­den­ci­al e de par­te de seus mi­nis­tros pre­nun­cia uma era de re­gres­são éti­ca e bar­bá­rie so­ci­al, fun­ci­o­na co­mo uma cor­ti­na de fu­ma­ça que ocul­ta a fra­que­za téc­ni­co-po­lí­ti­ca do go­ver­no e a au­sên­cia ne­le de um pro­je­to pa­ra a so­ci­e­da­de

O sis­te­ma po­lí­ti­co man­tém seu per­fil e seu equi­lí­brio, sem ter si­do aba­la­do pe­la vi­tó­ria de Bol­so­na­ro e pe­la as­cen­são ines­pe­ra­da do PSL. A “ve­lha po­lí­ti­ca” con­ti­nua no co­man­do, com os mes­mos ex­pe­di­en­tes de sem­pre. Os par­ti­dos mais for­tes per­ma­ne­cem vo­tan­do em unís­so­no, em que pe­sem os ruí­dos pro­vo­ca­dos pe­la voz dis­so­nan­te de al­guns par­la­men­ta­res, co­mo, por exem­plo, nas vo­ta­ções da re­for­ma pre­vi­den­ciá­ria.

Ain­da que aos tran­cos e bar­ran­cos, o sis­te­ma tem re­sis­ti­do, che­gan­do mes­mo em al­guns mo­men­tos a de­mons­trar cer­ta ca­pa­ci­da­de de im­pul­si­o­nar o pro­ces­so de to­ma­da de de­ci­sões e de com­pen­sar a con­du­ta er­rá­ti­ca do Exe­cu­ti­vo. Mas é um sis­te­ma que rei­te­ra mui­tas mar­cas ne­ga­ti­vas, ope­ra olhan­do pa­ra o pró­prio um­bi­go e em no­me de in­te­res­ses pró­pri­os, co­mo se po­de ver nas dis­cus­sões so­bre o fun­do elei­to­ral. Em par­te ele se con­tra­põe aos mo­vi­men­tos do go­ver­no e mos­tra in­de­pen­dên­cia, em par­te se con­so­me em seu pró­prio fo­go cor­po­ra­ti­vis­ta.

Há mui­ta contestaçã­o e re­sis­tên­cia aos atos, pa­la­vras e de­ci­sões go­ver­na­men­tais, mas não pro­pri­a­men­te opo­si­ção. A po­la­ri­za­ção po­lí­ti­ca tor­nou-se ino­pe­ran­te: a so­ci­e­da­de e a opi­nião pú­bli­ca con­ti­nu­am di­vi­di­das en­tre bol­so­na­ris­tas, pe­tis­tas, con­ser­va­do­res, li­be­rais e so­ci­a­lis­tas, mas es­sa di­vi­são não assume for­ma po­lí­ti­ca. Pro­du­to pas­si­vo da lon­ga ex­po­si­ção à di­a­lé­ti­ca do “nós con­tra eles” que tem do­mi­na­do a po­lí­ti­ca na­ci­o­nal, a po­la­ri­za­ção man­tém-se gra­ças à in­sis­tên­cia go­ver­na­men­tal em hos­ti­li­zar o PT, o so­ci­a­lis­mo, as es­quer­das, a de­mo­cra­cia. É uma ino­pe­rân­cia que re­fle­te a pa­ra­li­sia dos de­mo­cra­tas li­be­rais, de cen­tro e so­ci­a­lis­tas, que não se ar­ti­cu­lam pa­ra apre­sen­tar à so­ci­e­da­de uma via que con­tras­te a ex­tre­ma di­rei­ta no po­der.

A fal­ta de opo­si­ção ex­pres­sa gra­ve cri­se de pen­sa­men­to e ação dos de­mo­cra­tas. Em se re­pro­du­zin­do, tem um úni­co re­sul­ta­do pos­sí­vel: o pro­lon­ga­men­to do bol­so­na­ris­mo. A pa­ra­li­sia co­bra­rá um pre­ço mais adi­an­te.

Co­mo a eco­no­mia não dá mos­tras de que sai­rá do lu­gar no cur­to e mé­dio pra­zo, po­de-se an­te­ver que não ha­ve­rá es­pa­ços pa­ra bo­nan­ça fis­cal, em­pre­ga­bi­li­da­de e ex­pan­são do con­su­mo. Vai eva­po­rar, as­sim, par­te im­por­tan­te das pro­mes­sas de Bol­so­na­ro. Os por­tões do pa­raí­so não se­rão aber­tos por ele. So­man­do a is­so o des­mas­ca­ra­men­to da sua postura an­ti­cor­rup­ção, seu fa­mi­lis­mo re­cor­ren­te, o com­por­ta­men­to fol­cló­ri­co de al­guns de seus mi­nis­tros e o mau fun­ci­o­na­men­to da má­qui­na ad­mi­nis­tra­ti­va, é de pre­ver que sua po­pu­la­ri­da­de não su­bi­rá.

Nem is­so, po­rém, tem ser­vi­do pa­ra ener­gi­zar as for­ças po­lí­ti­cas que se opõem ao go­ver­no. Elas per­ma­ne­cem de­so­ri­en­ta­das, con­ta­mi­nan­do os ci­da­dãos e os mo­vi­men­tos so­ci­ais de viés de­mo­crá­ti­co. Não há li­de­ran­ças, fal­tam pro­pos­tas, a ideia de uma “fren­te de­mo­crá­ti­ca” não sai do pa­pel.

Em po­lí­ti­ca, as pa­la­vras con­tam. Pre­ci­sam ser de­ci­fra­das, cri­ti­ca­das, le­va­das em con­ta, em si mes­mas e na “nar­ra­ti­va” que im­pul­si­o­nam. No ca­so de Bol­so­na­ro, an­tes de tudo, por­que elas con­tras­tam a Cons­ti­tui­ção, es­pe­ci­al­men­te no que diz res­pei­to ao ca­pí­tu­lo dos di­rei­tos e da or­dem so­ci­al. As fra­ses ra­cis­tas, pre­con­cei­tu­o­sas, mi­só­gi­nas, an­ti­ci­en­tí­fi­cas abri­gam uma vi­o­lên­cia que tur­va e co­li­de com o mo­do de ser dos bra­si­lei­ros.

Pa­la­vras são pa­la­vras: têm mil e uma uti­li­da­des. Di­an­te das tro­pas fa­na­ti­za­das do bol­so­na­ris­mo, ser­vem pa­ra mo­bi­li­zar. Sem elas a ba­se se des­man­cha e a nar­ra­ti­va não se sus­ten­ta. O “mi­to” de­ve ser re­pos­to dia após dia, pa­ra que sua de­ma­go­gia po­pu­lis­ta e pa­tri­o­tei­ra so­bre­vi­va. É uma re­po­si­ção que se faz com atos e de­ci­sões, mas tam­bém com pa­la­vras, que mo­bi­li­zam e per­su­a­dem.

Pa­la­vras in­flu­en­ci­am, or­ga­ni­zam, são re­cur­sos de he­ge­mo­nia. Po­dem edu­car, ilu­dir, in­fla­mar, en­ve­ne­nar. Pre­ci­sam ser, por is­so, de­co­di­fi­ca­das.

É pre­ci­so se­pa­rar o ca­ri­ca­to do subs­tan­ti­vo, des­co­brir o que há por trás do pa­la­vró­rio de Bol­so­na­ro. Sua nar­ra­ti­va fun­ci­o­na co­mo um fil­tro que blo­queia a vi­são da pai­sa­gem. É tó­xi­ca, so­bre­tu­do, por is­so. Des­cons­truí­la é re­cu­pe­rar uma pers­pec­ti­va e um en­ten­di­men­to que se per­de­ram pe­lo ca­mi­nho.

A po­la­ri­za­ção se man­tém gra­ças à in­sis­tên­cia do go­ver­no em hos­ti­li­zar o PT...

PRO­FES­SOR TI­TU­LAR DE TE­O­RIA PO­LÍ­TI­CA E CO­OR­DE­NA­DOR DO NÚ­CLEO DE ES­TU­DOS E ANÁLISES IN­TER­NA­CI­O­NAIS DA UNESP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.