RO­DRI­GO JA­NOT

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto -

‘A mão de Deus’

A en­tre­vis­ta do ex-pro­cu­ra­dor ge­ral da Re­pú­bli­ca Ro­dri­go Ja­not ao Es­ta­do (27/9, A10) de­mons­tra o des­pre­pa­ro do en­tre­vis­ta­do pa­ra in­te­grar os qua­dros do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, que di­rá pa­ra che­fiá-lo. Em da­do mo­men­to, Ja­not re­la­ta his­tó­ria fan­ta­si­o­sa de que teria ido ar­ma­do ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) com o in­tui­to de ma­tar a ti­ros o mi­nis­tro Gil­mar Men­des: “Não ia ser ameaça, não. Ia ser as­sas­si­na­to mes­mo. Ia ma­tar ele (Gil­mar) e de­pois me sui­ci­dar”. Pros­se­guin­do, Ja­not con­ta que só não o fez por­que “a mão de Deus” o im­pe­diu. O que po­de­ria ser vis­to co­mo me­ra ba­zó­fia de um ego­cên­tri­co em bus­ca dos holofotes per­di­dos traz à me­mó­ria o ato ir­res­pon­sá­vel de Ja­not quan­do, em maio de 2017, anun­ci­ou com ex­ces­so de dra­ma­ti­ci­da­de o acor­do de de­la­ção com os exe­cu­ti­vos da JBS, que en­vol­ve­ria o no­me de nu­me­ro­sas au­to­ri­da­des, in­cluí­dos mi­nis­tros do STF, e tra­ria gra­va­ções com­pro­me­te­do­ras do en­tão pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Mi­chel Te­mer. Não era na­da dis­so. Foi uma fal­sa no­tí­cia, o que fez Ja­not re­cu­ar e pe­dir seu ar­qui­va­men­to em se­tem­bro do mes­mo ano. Mas as con­sequên­ci­as de sua ir­res­pon­sa­bi­li­da­de fo­ram per­ver­sas pa­ra a eco­no­mia na­ci­o­nal. Os úni­cos be­ne­fi­ciá­ri­os da le­vi­an­da­de – se é que foi só is­so – do ex-pro­cu­ra­dor-ge­ral fo­ram os exe­cu­ti­vos da JBS, que

des­fru­tam até ho­je a imu­ni­da­de pe­nal que lhes foi con­ce­di­da. E o pró­prio Ja­not – li­vre, le­ve e sol­to pa­ra fa­lar as­nei­ras –, uma vez que nun­ca foi cha­ma­do pa­ra res­pon­der pe­lo de­sas­tro­so pre­juí­zo que in­fli­giu aos bra­si­lei­ros.

SER­GIO RIDEL

ser­gi­os­ri­[email protected] São Pau­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.