Sem con­cor­rên­cia

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto -

As­sim co­mo nos­sa an­ti­ga pre­si­den­ta, Dil­ma Rous­seff, que do­ma­va ventos e co­lheu tem­pes­ta­des, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro tam­bém tem das su­as no uso do ver­ná­cu­lo. Não po­de­mos di­zer que sim­pa­tia se­ja o for­te de am­bos. Ela adu­lou paí­ses afri­ca­nos, ca­ri­be­nhos e al­guns asiá­ti­cos. Va­ri­as em­bai­xa­das fo­ram cri­a­das no in­tui­to de que o Bra­sil se tor­nas­se in­flu­en­te player mun­di­al. Ca­pi­ta­ne­a­do pe­lo di­plo­ma­ta Cel­so Amo­rim, is­so re­dun­dou em na­da de prá­ti­co. Mui­to one­ro­so, sim, já que o go­ver­no ava­li­zou vá­ri­os em­prés­ti­mos não pa­gos por es­ses paí­ses, além do gas­to inú­til de tais em­bai­xa­das. Na ver­da­de, so­mos um país cu­jas li­de­ran­ças en­ten­dem ser au­tos­su­fi­ci­en­te: não pre­ci­sa­mos nem de con­cor­rên­cia nem con­cor­rer. Nos­sas em­bai­xa­das, que po­de­ri­am ser po­los sub­si­diá­ri­os do País na bus­ca e pro­mo­ção de ne­gó­ci­os, tor­na­ram-se pe­ças bu­ro­crá­ti­cas ad­mi­nis­tra­ti­vas. Só em oca­siões po­lê­mi­cas ou em ca­tás­tro­fes so­mos no­tí­cia no mun­do. Não se­rá um dis­cur­so agres­si­vo de Bol­so­na­ro que vai afe­tar se­ja o que for. A de­sin­dus­tri­a­li­za­ção do País co­me­ça com nos­sa pró­pria in­ca­pa­ci­da­de de en­xer­gar mu­dan­ças por não sa­ber­mos con­cor­rer. Já vi­mos es­se fil­me. Col­lor qua­se aca­bou com a in­dús­tria têx­til pau­lis­ta ao bai­xar alí­quo­tas de im­por­ta­ção. Ide­o­lo­gia não im­pac­ta ne­gó­ci­os se obedecer a um pla­no es­tra­té­gi­co de lon­go pra­zo. A Chi­na que o di­ga. SER­GIO HOLL LA­RA [email protected]­ra.com.br In­dai­a­tu­ba

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.