Mai­or le­ta­li­da­de po­li­ci­al faz MP-RJ abrir inqué­ri­to

Sob Wit­zel, hou­ve 1.249 mor­tes até agos­to; es­tu­do diz que 69% dos jo­vens do Ale­mão já so­fre­ram ou co­nhe­cem quem so­freu vi­o­lên­cia

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Caio Sar­to­ri Fá­bio Grel­let Ma­ri­a­na Du­rão / RIO

Fred (no­me fic­tí­cio) vol­ta­va pa­ra ca­sa no Com­ple­xo do Ale­mão, na zo­na nor­te do Rio, no iní­cio de 2018, quan­do se viu em meio a uma per­se­gui­ção da po­lí­cia a sus­pei­tos. Não con­se­guiu se abri­gar. Um ti­ro de fu­zil atra­ves­sou seu pul­mão e o ma­tou, as­sim co­mo ou­tros dois mo­ra­do­res. “O cor­po foi re­ti­ra­do do lo­cal sem pe­rí­cia”, afir­ma a fi­lha de Fred – ela pre­fe­re pre­ser­var sua iden­ti­da­de, co­mo me­di­da de se­gu­ran­ça. “Aqui, a gen­te cres­ce ten­do de sa­ber co­mo agir em ti­ro­teio. Acon­te­ce sem­pre. No ca­so do meu pai foi fa­tal. Co­mo po­de ser nor­mal pes­so­as mor­re­rem?”

O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Rio (MP-RJ) abriu on­tem um inqué­ri­to ci­vil pa­ra apu­rar o au­men­to dos ín­di­ces de mor­tes pro­vo­ca­das por po­li­ci­ais. Na ges­tão do go­ver­na­dor Wil­son Wit­zel (PSC), o Es­ta­do re­gis­trou re­cor­de no nú­me­ro de óbi­tos: fo­ram 1.249 de ja­nei­ro a agos­to. “A me­di­da foi mo­ti­va­da pe­lo fa­to de o MP-RJ ter re­ce­bi­do re­pre­sen­ta­ções que de­man­dam uma re­fle­xão res­pon­sá­vel so­bre a le­ga­li­da­de da po­lí­ti­ca de se­gu­ran­ça pú­bli­ca”, apon­tou o MP em no­ta. O go­ver­no Wit­zel não se ma­ni­fes­tou.

Do ór­gão es­ta­du­al vi­nha sen­do co­bra­da postura mais pro­a­ti­va, co­mo de­ter­mi­na a sen­ten­ça que con­de­nou o Bra­sil na Cor­te In­te­ra­me­ri­ca­na de Di­rei­tos Hu­ma­nos no ca­so da cha­ci­na da No­va Bra­sí­lia, quan­do 26 jo­vens fo­ram mor­tos en­tre 1994 e 1995. As mor­tes por po­li­ci­ais cos­tu­mam ter in­ves­ti­ga­ções to­ca­das pe­la Po­lí­cia Ci­vil. Elas ra­ra­men­te che­gam a uma con­clu­são.

Em 2016, a CPI dos Au­tos de Re­sis­tên­cia na As­sem­bleia (Alerj) mos­trou que 98% dos ca­sos re­gis­tra­dos co­mo “au­tos de re­sis­tên­cia” por po­li­ci­ais eram ar­qui­va­dos. Após a morte da me­ni­na Ágatha Fé­lix, de 8 anos, no Com­ple­xo do Ale­mão, há uma se­ma­na, o MP do Rio re­ce­beu so­li­ci­ta­ções que o le­va­ram a abrir o inqué­ri­to. O pre­si­den­te do bra­ço es­ta­du­al da Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil (OAB), por exem­plo, se en­con­trou com o pro­cu­ra­dor-ge­ral de Jus­ti­ça, Jo­sé Edu­ar­do Gus­sem, e en­tre­gou uma re­pre­sen­ta­ção na qual a en­ti­da­de enu­me­ra er­ros da po­lí­ti­ca de Wit­zel.

Re­ceio. Mo­ra­do­ra da co­mu­ni­da­de on­de, no fim de se­ma­na pas­sa­do, Ágatha mor­reu, após ser ba­le­a­da du­ran­te ação po­li­ci­al, a jo­vem que per­deu o pai re­la­ta que, des­de a morte de­le, pas­sou a ter me­do de sair de ca­sa. An­tes da tra­gé­dia, po­rém, sua vi­da já era mar­ca­da pe­la vi­o­lên­cia. Ela per­deu as con­tas, por exem­plo, das ve­zes em que, an­tes de ir pa­ra a rua, co­lo­cou na bol­sa uma mu­da de rou­pa. Era pre­cau­ção pa­ra o ca­so de não po­der vol­tar por cau­sa de con­fron­tos, que se re­pe­ti­am.

O re­la­to da fi­lha de Fred é co­mum no co­ti­di­a­no das 17.500 pes­so­as de 15 a 29 anos que vi­vem nas 13 fa­ve­las do Com­ple­xo do Ale­mão. O Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Análises So­ci­ais e Econô­mi­cas (Iba­se) ou­viu 603 nos me­ses de mar­ço e abril pa­ra co­nhe­cer sua per­cep­ção so­bre a vi­o­lên­cia. Pe­lo le­van­ta­men­to, 69% afir­mam que já so­fre­ram ou co­nhe­cem al­guém que so­freu al­gum ti­po de vi­o­lên­cia de agen­tes do Es­ta­do.

Pa­ra a pes­qui­sa­do­ra Bi­an­ca Ar­ru­da, do Iba­se, o nú­me­ro é, pro­va­vel­men­te, ain­da mai­or. “Es­sa é uma per­gun­ta mui­to sen­sí­vel. Es­ti­ve no cam­po acom­pa­nhan­do a pes­qui­sa e por ve­zes os jo­vens fi­ca­vam des­con­fi­a­dos e pre­fe­ri­am não res­pon­der”, diz. A re­a­ção é con­si­de­ra­da por ela mais um in­dí­cio de violação do di­rei­to à vi­da se­gu­ra no Ale­mão. E, em­bo­ra o ques­ti­o­ná­rio da pes­qui­sa fa­le ge­ne­ri­ca­men­te em “agen­te de Es­ta­do”, na prá­ti­ca qua­se sem­pre os jo­vens, em su­as res­pos­tas, se re­fe­rem a po­li­ci­ais.

Vi­o­lên­cia. No to­po da lis­ta de abu­sos ci­ta­dos pe­los jo­vens es­tão a vi­o­lên­cia ver­bal (18%) e a vi­o­lên­cia fí­si­ca (15%). São episódios que in­clu­em agres­sões, maus-tra­tos e hu­mi­lha­ções.

A pes­qui­sa mos­tra ain­da que 9% dos jo­vens mo­ra­do­res do Ale­mão re­la­ta­ram his­tó­ri­as de as­sas­si­na­tos e cha­ci­nas pra­ti­ca­dos por po­li­ci­ais ou ou­tros agen­tes pú­bli­cos con­tra um pa­ren­te ou co­nhe­ci­do. Ca­sos de vi­o­lên­cia se­xu­al co­mo es­tu­pro ou as­sé­dio fa­zem par­te da re­a­li­da­de de 5% de­les. “Con­si­de­ro re­sul­ta­dos mui­to al­tos. São nú­me­ros que de­ve­ri­am sur­pre­en­der, mas, em se tra­tan­do de fa­ve­las, aca­bam ape­nas cor­ro­bo­ran­do al­go que já era es­pe­ra­do”, diz Bi­an­ca.

Pro­cu­ra­da, a Po­lí­cia Mi­li­tar do Rio afir­mou que a “Cor­re­ge­do­ria mo­ni­to­ra, atua e pu­ne to­dos os en­vol­vi­dos em tais prá­ti­cas quan­do iden­ti­fi­ca­dos e com­pro­va­dos os fa­tos”. A cor­po­ra­ção des­ta­cou ain­da, em no­ta, ter ca­nais de de­nún­cia em que o ano­ni­ma­to é ga­ran­ti­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.