Po­lí­cia de SP apu­ra ra­cis­mo em shop­ping

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Pau­la Fe­lix

A Po­lí­cia Ci­vil de São Pau­lo apu­ra suposto ca­so de ra­cis­mo em um shop­ping da ca­pi­tal. A ope­ra­do­ra de cai­xa Ali­ne Cristina Lu­cas San­tos, de 29 anos, fez bo­le­tim de ocor­rên­cia na De­le­ga­cia de Cri­mes Ra­ci­ais e De­li­tos de In­to­le­rân­cia (De­cra­di) após o fi­lho de 11 anos ser bar­ra­do por se­gu­ran­ças ao ten­tar en­trar no Bour­bon Shop­ping São Pau­lo, na zo­na oes­te, na qu­ar­ta-fei­ra.

Ali­ne re­la­ta que o me­ni­no a acom­pa­nha­va, mas pre­ci­sou pe­gar um brin­que­do que a ir­mã de 2 anos ti­nha dei­xa­do cair. Ao ten­tar en­trar sozinho no es­ta­be­le­ci­men­to, foi im­pe­di­do por se­gu­ran­ças. “Era o meu dia de fol­ga e apro­vei­tei pa­ra ir ao Sesc, que é per­to, e fui ao McDo­nald’s pa­ra co­mer um lan­che. Fa­lei que a gen­te ia com­prar al­gu­mas coi­sas no shop­ping e caiu um brin­que­di­nho da ne­ném. Co­mo es­ta­va frio, en­trei no shop­ping e pe­di pa­ra ele vol­tar pa­ra pe­gar.”

Den­tro do lo­cal, ela con­ta que viu a abor­da­gem. “Vi o se­gu­ran­ça dar um to­que pa­ra o ou­tro so­bre meu fi­lho. Ele fez uma barreira (com o cor­po) na ho­ra que meu fi­lho foi pas­sar. Meu fi­lho pe­diu li­cen­ça e ele não dei­xou pas­sar. De­pois, apa­re­ceu ou­tro se­gu­ran­ça atrás do meu fi­lho e fi­ze­ram um ti­po de es­cu­do. Eu fa­lei: ‘É o meu fi­lho’. Um dos se­gu­ran­ças veio fa­lar co­mi­go e dis­se que tem mui­ta cri­an­ça que vai lá pa­ra pe­dir.”

Ali­ne diz que fi­cou sem ação e re­sol­veu li­gar pa­ra o ir­mão, que a ori­en­tou a aci­o­nar a po­lí­cia. “Ele fi­cou bas­tan­te aba­la­do e fa­lou que foi o pi­or dia da vi­da de­le, que não quer mais ir ao shop­ping. A for­ma co­mo ele abor­dou meu fi­lho me cho­cou. Fi­ze­ram is­so por­que ele é ne­gro e es­tá com o ca­be­lo gran­de. Mas co­mo se­ria se eu não es­ti­ves­se com ele? Co­mo ele en­fren­ta­ria es­sa si­tu­a­ção sozinho?”, in­da­ga.

Pa­ra Ariel de Cas­tro Alves, ad­vo­ga­do da fa­mí­lia, hou­ve dis­cri­mi­na­ção. “Se ele es­ti­ves­se com a mes­ma rou­pa e fos­se bran­co, pro­va­vel­men­te não teria o mes­mo pro­ble­ma, por­que vá­ri­as cri­an­ças com uni­for­me de es­co­la en­tram tran­qui­la­men­te de­sa­com­pa­nha­das. Eles acha­vam que o me­ni­no es­ta­va ali pa­ra pe­dir por ser uma cri­an­ça ne­gra.”

Ele dis­se que a fa­mí­lia de­ve pe­dir in­de­ni­za­ção por da­nos mo­rais. “A cri­an­ça se de­pa­rou com ra­cis­mo em um dia di­ver­ti­do e de cur­tir a fol­ga da mãe.”

Pro­te­ção. Em no­ta, o Bour­bon dis­se que re­pu­dia qu­al­quer ra­cis­mo ou ato dis­cri­mi­na­tó­rio e afir­mou que “os se­gu­ran­ças agi­ram em con­for­mi­da­de à ori­en­ta­ção de abor­dar qu­al­quer me­nor de ida­de de­sa­com­pa­nha­do que in­gres­se no shop­ping”. Se­gun­do o shop­ping, a me­di­da “vi­sa úni­ca e ex­clu­si­va­men­te à pro­te­ção des­te pú­bli­co”.

“É cla­ra­men­te um epi­só­dio de dis­cri­mi­na­ção e a res­pos­ta do se­gu­ran­ça pa­ra a mãe já mos­tra. Mes­mo um me­ni­no de rua não po­de­ria pas­sar por is­so.” Ariel de Cas­tro Alves AD­VO­GA­DO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.