Em bom mo­men­to pa­ra ex­por­ta­do­res de car­ne, ana­lis­tas pre­fe­rem a JBS

O Estado de S. Paulo - - Economia - Re­na­to Carvalho

O mo­men­to é mui­to po­si­ti­vo pa­ra as em­pre­sas pro­ces­sa­do­ras de pro­teí­na ani­mal, por con­ta prin­ci­pal­men­te dos pro­ble­mas en­fren­ta­dos pe­la Chi­na, com a pes­te suí­na afri­ca­na, e a pro­xi­mi­da­de do acor­do en­tre Mer­co­sul e União Eu­ro­peia. E en­tre as com­pa­nhi­as lis­ta­das na Bol­sa, a mai­o­ria dos ana­lis­tas tem pre­fe­rên­cia pe­la JBS.

Pa­ra Pe­dro Gal­di, ana­lis­ta da Mi­rae As­set, além da mai­or de­man­da da Chi­na, há a pers­pec­ti­va de au­men­to da pro­cu­ra tam­bém no mer­ca­do do­més­ti­co, a par­tir do pró­xi­mo ano. “As exportaçõe­s pa­ra a Chi­na se­rão cres­cen­tes, já que o mer­ca­do asiá­ti­co ain­da de­mo­ra al­guns anos pa­ra se re­cu­pe­rar. Mas aqui o ce­ná­rio tam­bém de­ve me­lho­rar, com a es­pe­ra­da re­to­ma­da da eco­no­mia”, ex­pli­ca.

So­bre as ações, a pre­fe­ri­da da Mi­rae é JBS. “Ela apre­sen­ta bai­xo ní­vel de en­di­vi­da­men­to, pos­sui uni­da­des de suí­nos nos EUA e ca­pi­ta­li­za­da, po­de­rá até com­prar plan­tas adi­ci­o­nais pa­ra aten­der es­ta de­man­da na Chi­na”.

An­dré Fer­rei­ra, da MyCap, ob­ser­va que da­dos di­vul­ga­dos pe­la Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra Agri­cul­tu­ra e Ali­men­ta­ção (FAO) de­mons­tram um au­men­to da eli­mi­na­ção de suí­nos con­ta­mi­na­dos na Ásia, além de ex­pan­são dos fo­cos da do­en­ça no ter­ri­tó­rio. Ele lem­bra que a cri­se já du­ra um ano, e pa­re­ce só se agra­var.

“Com is­so, o se­tor fri­go­rí­fi­co bra­si­lei­ro vai ga­nhan­do mer­ca­do, ten­do que su­prir as ne­ces­si­da­des do mer­ca­do asiá­ti­co. Em­pre­sas ve­em su­as exportaçõe­s au­men­tan­do, as­sim co­mo su­as re­cei­tas, da­do o au­men­to das co­ta­ções de car­ne bo­vi­na, de fran­go e suí­na, su­bin­do no mer­ca­do mun­di­al”, ex­pli­ca Fer­rei­ra. A MyCap tam­bém apon­ta a JBS co­mo sua pre­fe­ri­da.

Ri­car­do Pe­ret­ti, es­tra­te­gis­ta de pes­soa fí­si­ca do San­tan­der, acre­di­ta que a si­tu­a­ção con­ti­nu­a­rá fa­vo­rá­vel no mé­dio pra­zo. “Co­mo os im­pac­tos da do­en­ça ain­da es­tão sen­do con­ta­bi­li­za­dos na re­gião, acre­di­ta­mos que os pro­du­to­res chi­ne­ses le­va­rão cer­ca de 1 ano e meio a 2 anos pa­ra re­com­por o ní­vel de ofer­ta an­te­ri­or, o que abre es­pa­ço pa­ra o cres­ci­men­to das exportaçõe­s bra­si­lei­ras”. Ele lem­bra que os pre­ços tam­bém es­tão em al­ta, au­men­tan­do a mar­gem. A pre­fe­rên­cia do ban­co tam­bém é pe­la JBS, mas Pe­ret­ti apon­ta BRF tam­bém co­mo uma boa op­ção.

Quem tam­bém cha­ma aten­ção pa­ra a BRF é a Gui­de In­ves­ti­men­tos. Se­gun­do o ana­lis­ta Luis Sa­les, os im­pac­tos do atu­al ce­ná­rio se­rão po­si­ti­vos pa­ra to­das as em­pre­sas. Mas no ca­so de BRF, ava­lia que o pre­ço da com­pa­nhia na bol­sa ain­da não re­fle­te to­do po­ten­ci­al que a em­pre­sa po­de cap­tu­rar com os pre­ços ele­va­dos e a de­man­da aque­ci­da. “Além dis­so, in­ter­na­men­te a com­pa­nhia co­me­ça a mos­trar os pri­mei­ros re­sul­ta­dos da reestrutur­ação fi­nan­cei­ra e ope­ra­ci­o­nal”.

O eco­no­mis­ta-che­fe do Mo­dal­mais, Al­va­ro Ban­dei­ra, lem­bra que a JBS acu­mu­la va­lo­ri­za­ção de 182% em 2019 e a Mar­frig de 100%, en­quan­to a BRF tem al­ta de 81%.

En­tre as re­co­men­da­ções, a Mi­rae fez o mai­or nú­me­ro de al­te­ra­ções, com qua­tro tro­cas. En­tra­ram Pe­tro­bras PN, Co­pa­sa ON, MRV ON e CTEEP PN. A Gui­de fez três mu­dan­ças, in­se­rin­do Ban­co do Bra­sil ON, Bras­kem PNA e Kro­ton ON.

A No­va Fu­tu­ra tam­bém fez três al­te­ra­ções, co­lo­can­do Itaú Uni­ban­co PN, Sa­besp ON e Su­za­no ON. A MyCap mu­dou du­as re­co­men­da­ções, com in­clu­são de CCR ON e Bras­kem PNA. A Ter­ra In­ves­ti­men­tos fez uma al­te­ra­ção, com a en­tra­da de Via Va­re­jo ON. E a XP tam­bém fez uma mu­dan­ça, tro­can­do Mar­frig ON por BRF ON.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.