Ar­re­ca­da­ção sal­ta com re­cei­tas ex­tra­or­di­ná­ri­as

O Estado de S. Paulo - - Economia -

Com a aju­da de re­co­lhi­men­tos não re­cor­ren­tes de R$ 6 bi­lhões pro­ve­ni­en­tes de re­or­ga­ni­za­ção so­ci­e­tá­ria e de pro­gra­mas de re­gu­la­ri­za­ção tri­bu­tá­ria, a Re­cei­ta Fe­de­ral ar­re­ca­dou qua­se R$ 120 bi­lhões em agos­to, su­pe­ran­do em 5,67% o mon­tan­te ob­ti­do em agos­to de 2018 e exi­bin­do o me­lhor re­sul­ta­do pa­ra o mês des­de 2014. Não se po­de ig­no­rar a con­tri­bui­ção pro­por­ci­o­na­da pe­la Re­cei­ta pa­ra as con­tas fis­cais. Mas, da­do o vul­to das des­pe­sas, o im­pac­to é re­la­ti­va­men­te pe­que­no so­bre os or­ça­men­tos pú­bli­cos.

Eli­mi­nan­do os fa­to­res ex­tra­or­di­ná­ri­os, ain­da há um cres­ci­men­to re­al da ar­re­ca­da­ção de 1,54% em re­la­ção a igual mês do ano pas­sa­do. Is­so in­di­ca que a ati­vi­da­de econô­mi­ca con­ti­nua em re­cu­pe­ra­ção, em­bo­ra em rit­mo len­to. Ou­tra evi­dên­cia de re­to­ma­da es­tá no fa­to de que en­tre os pri­mei­ros oi­to me­ses de 2018 e de 2019 a ar­re­ca­da­ção al­can­çou R$ 1,015 tri­lhão, avan­ço re­al de 2,39% com­pa­ra­ti­va­men­te a igual pe­río­do do ano an­te­ri­or.

O au­men­to dos mon­tan­tes re­co­lhi­dos se de­ve, em es­pe­ci­al, às ati­vi­da­des do va­re­jo e dos ser­vi­ços e à mas­sa sa­la­ri­al, pois o com­por­ta­men­to da in­dús­tria foi in­sa­tis­fa­tó­rio, com que­da de 1,69% en­tre ju­lho de 2018 e ju­lho de 2019.

Di­vul­ga­do há al­guns di­as, o Re­la­tó­rio de Ava­li­a­ção de Re­cei­tas e Des­pe­sas Pri­má­ri­as re­la­ti­vo ao quar­to bi­mes­tre des­te ano ela­bo­ra­do pe­la Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al de Fa­zen­da pre­viu au­men­to das re­cei­tas pri­má­ri­as fe­de­rais de R$ 6,9 bi­lhões em re­la­ção ao ter­cei­ro bi­mes­tre, com ba­se no acrés­ci­mo de re­co­lhi­men­tos de Im­pos­to de Ren­da (IR), Con­tri­bui­ção pa­ra o Fi­nan­ci­a­men­to da Se­gu­ri­da­de So­ci­al (Co­fins) e Con­tri­bui­ção So­ci­al so­bre o Lu­cro Lí­qui­do (CSLL). En­tre os des­ta­ques es­tá o acrés­ci­mo da re­cei­ta de di­vi­den­dos, pois as em­pre­sas es­tão lu­cran­do mais.

Em agos­to, R$ 20,48 bi­lhões fo­ram re­co­lhi­dos gra­ças ao Im­pos­to de Ren­da Pes­soa Ju­rí­di­ca (IRPJ) e à CSLL, com al­ta re­al de 35,26%. Os se­to­res fi­nan­cei­ro, de com­bus­tí­veis e ener­gia elé­tri­ca ti­ve­ram pe­so de­ci­si­vo no avan­ço. Ou­tro fa­tor in­di­ca­ti­vo de re­to­ma­da es­tá no cres­ci­men­to re­al de 6,75% do IR re­co­lhi­do na fon­te so­bre o tra­ba­lho, o que sig­ni­fi­ca mais ren­da de em­pre­ga­dos for­mais.

Co­mo no­tou o che­fe do Cen­tro de Es­tu­dos Tri­bu­tá­ri­os e Adu­a­nei­ros da Re­cei­ta Fe­de­ral, Clau­de­mir Ma­la­qui­as, os in­di­ca­do­res mos­tram que “te­mos ti­do um rit­mo de ati­vi­da­de mais di­nâ­mi­co es­te ano, o que es­tá re­fle­tin­do na ar­re­ca­da­ção”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.