Es­pín­do­las fa­zem seu can­ci­o­nei­ro uni­ver­sal

Al­zi­ra e Te­tê can­tam te­mas do Cen­tro-Oes­te com ca­pri­cho or­ques­tral

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Ju­lio Ma­ria

Elas já ha­vi­am co­lo­ca­do as ter­ras ro­xas de Cam­po Gran­de na mú­si­ca bra­si­lei­ra de al­gu­mas ma­nei­ras. Ao che­ga­rem a São Pau­lo, nos anos 1980, Al­zi­ra e Te­tê Es­pín­do­la ti­ve­ram de ex­pli­car que as idei­as de tem­po ter­ná­rio que trans­pi­ra­vam de su­as vo­zes não eram ins­pi­ra­ções eu­ro­pei­as em Johann Strauss ou re­mis­sões jaz­zís­ti­cas fo­ra do qu­a­dra­do, mas um ví­rus que se con­trai nas ro­das de gua­râ­nia vi­vi­das na in­fân­cia das fron­tei­ras com o Pa­ra­guai. Fi­ze­ram com aqui­lo o fu­tu­ro dos anos de van­guar­da pau­lis­ta­na e seus aflu­en­tes, co­mo o que Al­zi­ra E. mos­trou em 1987 can­tan­do Ter­ra Boa em seu pri­mei­ro ál­bum, 3M, ou o que a ir­mã Te­tê já ha­via fei­to em Pi­ra­re­tã, de 1980, com di­vi­sões que fa­zi­am per­gun­tar com ale­gria de que al­deia a mo­ça vi­nha. E fi­ze­ram tam­bém a ce­le­bra­ção dos ter­na­lis­mos de for­ma mais ge­o­grá­fi­ca, mais re­gi­o­nal, gra­van­do Anahy, em 1998, com as pol­cas e as gua­râ­ni­as que a mãe can­ta­va em seus pri­mei­ros anos.

As Es­pín­do­la vol­tam ago­ra ao mes­mo ter­ri­tó­rio, o úni­co on­de o es­pa­nhol tam­bém é lín­gua cor­ren­te no Bra­sil com su­as “se­te ci­da­des li­ga­das por uma pon­te ou uma rua”, co­mo diz Al­zi­ra, pa­ra jun­tar os dois mun­dos em um ál­bum de re­sis­tên­cia de uma cul­tu­ra mal de­li­mi­ta­da em seu pró­prio país. “Uma mú­si­ca que não se ou­ve mais, por­que não ou­vi­mos nos­sos an­ces­trais. Por que não tra­zer es­sa la­ti­ni­da­de pa­ra es­se Bra­sil? Por que não nu­trir os mais jo­vens com in­for­ma­ção e po­e­sia?”, com­ple­ta.

Re­cu­er­dos, o dis­co lan­ça­do pe­lo Se­lo Sesc, tem a par­ti­ci­pa­ção de Ney Ma­to­gros­so, cu­ri­o­sa­men­te en­con­tran­do pe­la pri­mei­ra vez nar­ra­ti­vas poé­ti­cas de sua ter­ra na­tal com tan­ta in­ten­si­da­de em um úni­co pro­je­to. “Sei que elas vi­si­tam es­se re­per­tó­rio re­gu­lar­men­te, mas pa­ra mim é uma coi­sa iné­di­ta”, diz Ney. Re­cu­er­dos, o show, te­rá Al­zi­ra e Te­tê nes­te sá­ba­do (28), às 21h, e do­min­go (29), às 18h, no Sesc 24 de Maio. Ney não es­ta­rá pre­sen­te por es­tar na es­tra­da, “sem tem­po pa­ra pas­sar em ca­sa”, co­mo diz, fa­zen­do shows da tur­nê

Blo­co na Rua.

Os ar­ran­jos de Zé Go­doy e a di­re­ção ar­tís­ti­ca de Arnaldo Black, ma­ri­do de Te­tê, im­pri­mem al­go que ti­ram o ál­bum do mes­mo ter­ri­tó­rio de Anahy, ape­sar de to­dos os en­con­tros. Exis­te uma re­gi­o­na­li­da­de for­te, in­con­tor­ná­vel, mas de um tra­ta­men­to de cor­das pon­tu­a­das, co­mo em Trem do Pan­ta­nal, que se tor­na uma en­tre­ga des­lum­bran­te de vi­o­li­nos, vi­o­la e vi­o­lon­ce­lo, e de so­pros na flau­ta e na trom­pa, além de vi­o­lão, piano, a cra­vi­o­la de Te­tê e o bai­xo acús­ti­co. Mais uni­ver­sal do que lo­ca­li­za­do, mas sem van­guar­dis­mos, as ir­mãs se por­tam com mais de­fe­rên­cia do que in­ter­fe­rên­cia no que can­tam.

Ao con­trá­rio do Nor­des­te e seu rit­mo de mil fa­ces, do Nor­te e su­as gui­tar­ra­das de mil fes­tas, do Sul e seus or­gu­lhos de es­tan­dar­te e do Su­des­te, re­ce­ben­do to­dos os an­te­ri­o­res pa­ra ti­rar a no­vi­da­de do hi­bri­dis­mo, o Cen­troOes­te não tem su­as de­li­mi­ta­ções mu­si­cais tão cla­ra­men­te per­ce­bi­das. As can­ções que pro­duz, mes­mo de di­vi­sões tão di­fe­ren­tes das ou­tras re­giões, são em­bu­ti­das mui­tas ve­zes in­dis­cri­mi­na­da­men­te em uma cul­tu­ra ser­ta­ne­ja que nem sem­pre se sa­be de on­de vem e seus rit­mos vi­ram qua­se sem­pre gua­râ­nia, re­me­ten­do à mal vis­ta pa­ra­gua­ni­za­ção da mú­si­ca ser­ta­ne­ja, das har­pas de Per­la aos me­tais de Mi­li­o­ná­rio & Jo­sé Ri­co, dos anos 1970.

Um dis­co de vi­si­ta às ter­ras de­mar­ca­das dos Es­pín­do­la, a fa­mí­lia que mais fez por es­sas re­giões, é as­sim, tam­bém, um ser­vi­ço. Ney abre can­tan­do Meu Pri­mei­ro Amor (Le­ja­nia), que Cas­ca­ti­nha e Inha­na fi­ze­ram pri­mei­ro em 1952, e se ou­ve aqui os tan­gos ar­gen­ti­nos atra­ves­sa­dos por tan­tas ou­tras he­ran­ças ibé­ri­cas. Anahy (Leyen­da de la Flor del Cei­bo), que a mes­ma du­pla gra­va­ria em 1968, co­lo­ca as ir­mãs de tim­bres tão pa­re­ci­dos e tes­si­tu­ras dis­tan­tes, abrindo vo­zes co­mo­ven­tes.

Ney vol­ta em Ci­ri­e­ma (ou Si­ri­e­ma do Ma­to Gros­so), que du­as ou três gerações gra­va­ram, can­ta Re­cu­er­do de Ypa­ca­raí, to­da em es­pa­nhol, e pas­sa por Ín­dia, uma que, ape­sar da pro­xi­mi­da­de com a “flor do meu Pa­ra­guai” de sua Be­la Vis­ta na­tal, nun­ca ha­via gra­va­do. “Sin­to que, des­ta vez, abri­mos a fron­tei­ra”, diz Te­tê. “E fi­ze­mos is­so mos­tran­do co­mo es­tão to­dos lá, o la­ti­no, o ne­gro e o ín­dio.”

DANIEL TEI­XEI­RA/ES­TA­DÃO

Ir­mãs. Al­zi­ra e Te­tê se­rão acom­pa­nha­das por ar­ran­jos or­ques­trais em dois shows, ho­je e ama­nhã, no Sesc 24 de Maio

TE­TÊ ES­PÍN­DO­LA E AL­ZI­RA E. ‘RE­CU­ER­DOS’ SE­LO SESC / PRE­ÇO MÉ­DIO: R$ 30

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.