No­va sá­ti­ra po­lí­ti­ca de McEwan ofe­re­ce uma in­ver­são de Kaf­ka

Ter­cei­ro ro­man­ce do es­cri­tor bri­tâ­ni­co em três anos põe ba­ra­ta em cor­po de pri­mei­ro-mi­nis­tro

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Dwight Gar­ner THE NEW YORK TI­MES / TRA­DU­ÇÃO DE TE­RE­ZI­NHA MARTINO

“Se vo­cê pre­ten­de uma lon­ga car­rei­ra no show bu­si­ness”, es­cre­veu El­vis Cos­tel­lo, em Un­faith­ful Mu­sic & Di­sap­pe­a­ring Ink, seu li­vro de me­mó­ri­as, “é ne­ces­sá­rio afas­tar as pes­so­as de tem­pos em tem­pos, de mo­do que elas se lem­brem por­que es­que­ce­ram de vo­cê”.

É mui­to di­fí­cil es­que­cer Ian McEwan. O seu no­vo ro­man­ce sa­tí­ri­co The Coc­kro­a­ch, so­bre o Bre­xit, é o seu se­gun­do li­vro nes­te ano e o ter­cei­ro em três anos.

The Coc­kro­a­ch é tão ine­fi­caz e dé­bil que po­de afas­tar seus lei­to­res em lon­gas ca­ra­va­nas apo­ca­líp­ti­cas. O jo­vem McEwan, au­tor de ro­man­ces mais do que lú­gu­bres, o que lhe ren­deu o ape­li­do de Ian Ma­ca­bro, teria pre­fe­ri­do ro­er seus de­dos do que es­cre­vê-lo.

The Coc­kro­a­ch pro­põe uma ver­são in­ver­sa de Kaf­ka. Uma ba­ra­ta des­per­ta den­tro do cor­po de um ho­mem. Es­te ho­mem, por aca­so, é o pri­mei­ro-mi­nis­tro do Rei­no Uni­do. Seu ga­bi­ne­te é for­ma­do na mai­o­ria por ba­ra­tas com for­ma hu­ma­na. Es­ses in­se­tos es­tão aqui pa­ra se­me­ar a dis­cór­dia, sob pre­tex­to de pa­tri­o­tis­mo, e usar fra­ses co­mo “san­gue e so­lo” e a no­ção de tor­nar as coi­sas gran­des no­va­men­te pa­ra ga­ran­tir sua so­bre­vi­vên­cia. McEwan di­fi­cil­men­te é um idi­o­ta e ofe­re­ce em seu no­vo li­vro mais do que al­guns mo­men­tos es­pi­ri­tu­o­sos.

O pri­mei­ro-mi­nis­tro lem­bra, na sua for­ma an­te­ri­or, ter en­con­tra­do uma “pe­que­na mon­ta­nha de ex­cre­men­to, ain­da quen­te e li­gei­ra­men­te fu­me­gan­te. Em qu­al­quer ou­tro mo­men­to ele teria se ale­gra­do. Ele se olha co­mo se fos­se um co­nhe­ce­dor. Ele sa­bia co­mo vi­ver bem”.

Nos­sa ba­ra­ta hu­ma­na ou­tro­ra vi­via em­bai­xo do Palácio de West­mins­ter, lo­cal de reu­nião da Câ­ma­ra dos Co­muns e da Câ­ma­ra dos Lor­des. De mo­do que ela es­tá ha­bi­tu­a­da a ou­vir as sa­ba­ti­nas do pri­mei­ro-mi­nis­tro, es­sa ex­ce­len­te tra­di­ção in­gle­sa.

Os an­ta­go­nis­tas po­lí­ti­cos em The Coc­kro­a­ch não são os de­fen­so­res da saí­da ou da per­ma­nên­cia na União Eu­ro­peia, mas são os Clockwi­sers (que ca­mi­nham no sen­ti­do ho­rá­rio) e os Re­ver­sa­lists (pa­ra quem a ideia so­bre o uni­ver­so é o opos­to do que as pes­so­as pen­sam). Os pri­mei­ros são as elites, pes­so­as que se im­por­tam com a ra­zão, a ci­ên­cia, a mo­de­ra­ção. Os se­gun­dos são os po­pu­lis­tas ro­bus­tos.

Em ques­tão não es­tá o Bre­xit, mas um pro­gra­ma cha­ma­do “eco­no­mia de flu­xo re­ver­so” que co­lo­ca­ria a In­gla­ter­ra em dis­cor­dân­cia com a sen­sa­tez e com seus ali­a­dos eu­ro­peus.

Es­te ro­man­ce, tão qu­e­bra­di­ço quan­do o exo­es­que­le­to de uma ba­ra­ta, ser­ve co­mo lem­bre­te de que já sur­giu boa fic­ção que le­va em con­ta a vi­o­lên­cia, a per­fí­dia e o cho­que da no­va ati­tu­de po­lí­ti­ca no Rei­no Uni­do e nos Es­ta­dos Uni­dos.

A ideia de es­cre­ver The Coc­kro­a­ch, pro­va­vel­men­te, sur­giu sob o chu­vei­ro nu­ma cer­ta ma­nhã, co­mo uma boa ideia. Mais tar­de, de­pois do ca­fé, de­ve ter ocor­ri­do a McEwan que su­ge­rir que seus opo­nen­tes são ba­ra­tas po­de­ria ser uma man­cha no ta­pe­te. Um ro­man­ce cô­mi­co que po­de­ría­mos usar é o de Anthony Wei­ner. A in­ves­ti­ga­ção de Wei­ner que le­vou a Ja­mes Co­mey e a elei­ção de 2016 são te­mas que va­lem uma sá­ti­ra. Co­mo dis­se o ci­ne­as­ta Er­rol Mor­ris há mui­to tem­po, “quem teria ima­gi­na­do que o de­se­jo ir­re­sis­tí­vel de um ho­mem de fo­to­gra­far seu pê­nis e com­par­ti­lhá­lo com mu­lhe­res na In­ter­net po­de­ria des­truir a ci­vi­li­za­ção oci­den­tal!”.

LAUREN FLEISHMAN/THE NEW YORK TI­MES

Ale­go­ria. Go­ver­no do Rei­no Uni­do for­ma­do por in­se­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.