Fes­ti­val ce­le­bra hu­mor de di­ver­sos gêneros

Pri­mei­ra edi­ção do Co­medy Cen­tral Fest se­rá re­a­li­za­da ho­je, em SP, reu­nin­do no­mes co­mo Por­ta dos Fun­dos e Cia Bar­bi­xas

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Thaís Fer­raz ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO

Dois fa­to­res fun­da­men­tais im­pul­si­o­na­ram o mer­ca­do bra­si­lei­ro de hu­mor nos úl­ti­mos anos: a po­pu­la­ri­za­ção do for­ma­to stand up co­medy, em que o co­me­di­an­te se apre­sen­ta de pé, sem fi­gu­ri­no ou ce­ná­ri­os, e o sur­gi­men­to de ca­nais no YouTu­be. O gê­ne­ro tem es­pa­ço no ci­ne­ma, na TV, na in­ter­net e em te­a­tros – e, ago­ra, ga­nha um fes­ti­val de­di­ca­do ex­clu­si­va­men­te a ele, o Co­medy Cen­tral Fest.

Com a re­a­li­za­ção de sua 1.ª edi­ção, nes­te sá­ba­do, 28, o fes­ti­val reú­ne gran­des no­mes do gê­ne­ro, co­mo Por­ta dos Fun­dos, Cia Bar­bi­xas e A Cul­pa é do Ca­bral. São do­ze ho­ras de pro­gra­ma­ção, di­vi­di­das em du­as ses­sões e dois pal­cos. Na pro­gra­ma­ção, es­tão hu­mo­ris­tas do YouTu­be, da TV e dos pal­cos.

Apre­sen­ta­dor do pro­gra­ma Cul­pa é do Ca­bral, do ca­nal Co­medy Cen­tral, e vo­ca­lis­ta da ban­da Pe­dra Le­tí­cia, Fa­bi­a­no Cam­bo­ta

Aa­fir­ma que o hu­mor é um gê­ne­ro que nun­ca es­fria. “Ele mu­da a sua ca­ra, os seus con­tor­nos, mas sem­pre exis­te in­te­res­se por ele”, diz. “Nos úl­ti­mos anos, as pes­so­as pas­sa­ram a pro­du­zir seus pró­pri­os con­teú­dos, o me­me de in­ter­net trans­for­mou to­do mun­do em hu­mo­ris­ta. Is­so aque­ceu mui­to o hu­mor, trou­xe ele de uma for­ma mais cons­tan­te pa­ra a vi­da das pes­so­as.” Mais do que is­so, o hu­mor es­tá cri­an­do sen­so crí­ti­co, acre­di­ta Cam­bo­ta. “Atra­vés de­le, vo­cê con­se­gue al­fi­ne­tar, ex­por coi­sas que se­ri­am di­fí­ceis de di­zer de ou­tra for­ma”, ava­lia.

A co­mé­dia tam­bém se tor­nou cen­tro de de­ba­tes aca­lo­ra­dos so­bre o ‘po­li­ti­ca­men­te cor­re­to’ – te­ma que ren­deu até um do­cu­men­tá­rio, O Riso dos Ou­tros (2012), de Pe­dro Aran­tes. Pa­ra Cam­bo­ta, a co­bran­ça é po­si­ti­va. “Há pou­cos anos, o po­li­ti­ca­men­te cor­re­to era nos­so cal­ca­nhar de Aqui­les”, afir­ma. “Mas ele che­gou pa­ra fi­car, e o hu­mo­ris­ta que é bom usou o po­li­ti­ca­men­te cor­re­to a seu fa­vor, pa­ra me­lho­rar o ní­vel das su­as pi­a­das.”

Com tan­tas op­ções no mer­ca­do, afir­ma Cam­bo­ta, sur­ge uma “con­cor­rên­cia que vem pa­ra o bem”. “Pre­ci­sa­mos fa­zer um hu­mor me­lhor, ou não va­mos con­se­guir ar­ran­car ri­sa­das.” Ele des­ta­ca que há op­ções pa­ra to­dos os gos­tos: hu­mo­ris­tas de di­rei­ta e de es­quer­da, que fa­lam ou não pa­la­vrões, que dis­cu­tem ou não ques­tões so­ci­ais, e até de per­fis inu­si­ta­dos, co­mo evan­gé­li­cos. “Em um país po­la­ri­za­do co­mo o nos­so, a co­mé­dia tam­bém aca­ba ‘so­fren­do’ di­vi­sões”, afir­ma. “Mas o hu­mor é co­mo a mú­si­ca: vo­cê po­de es­cu­tar mais de um gê­ne­ro. Eu pos­so gos­tar ao mes­mo tem­po de um co­me­di­an­te cow­boy e do Ra­fa­el Por­tu­gal, que faz um hu­mor le­vís­si­mo.”

CO­MEDY CEN­TRAL

‘A Cul­pa é do Ca­bral’. A tru­pe é ou­tra atra­ção do even­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.