Co­nhe­cer o ou­tro

Da­ta es­te­lar: Lua No­va em Libra

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - OS­[email protected]

Além do ár­duo e fun­da­men­tal pro­ces­so de au­to­co­nhe­ci­men­to que to­do ser hu­ma­no pre­ci­sa em­pre­en­der, pa­ra se tor­nar des­tro na ad­mi­nis­tra­ção da com­ple­xi­da­de da ex­pe­ri­ên­cia de vi­da, a par­tir do mo­men­to em que se in­gres­sa num re­la­ci­o­na­men­to há de se agre­gar tam­bém a aven­tu­ra de co­nhe­ci­men­to do ou­tro. Du­as ou mais pes­so­as que se en­vol­vem e dis­põem ao re­la­ci­o­na­men­to não po­dem con­ti­nu­ar en­si­mes­ma­das no pro­ces­so de au­to­co­nhe­ci­men­to, por­que se as­sim fos­se, elas não se re­la­ci­o­na­ri­am, ape­nas se acom­pa­nha­ri­am, e is­so na me­lhor das hi­pó­te­ses. Aven­tu­rar-se a co­nhe­cer as ou­tras pes­so­as é um passo fun­da­men­tal pa­ra a cons­tru­ção de re­la­ci­o­na­men­tos. Co­nhe­cer o ou­tro com im­par­ci­a­li­da­de de juí­zo, com acei­ta­ção das di­fe­ren­ças e es­tí­mu­lo a dei­xar to­do mun­do à von­ta­de, só as­sim co­me­ça um bom re­la­ci­o­na­men­to. ÁRIES 21-3 a 20-4

Con­ti­nue cui­dan­do dos seus in­te­res­ses, pa­ra não fa­zer con­ces­sões exa­ge­ra­das, cu­jos re­sul­ta­dos ne­ga­ti­vos só se­ri­am per­ce­bi­dos a lon­go pra­zo. To­do re­la­ci­o­na­men­to há de se ba­se­ar num es­tri­to sen- ti­men­to de jus­ti­ça.

TOU­RO 21-4 a 20-5

A in­se­gu­ran­ça que ba­te não é uma pro­fe­cia de que al­go er­ra­do es­te­ja em an­da- men­to. A in­se­gu­ran­ça que ba­te em sua al­ma é pro­du­to de ter de as­su­mir a to­ma­da de ini­ci­a­ti- vas que vo­cê não tem o há­bi­to de ad­mi­nis­trar.

GÊMEOS 21-5 a 20-6

Quan­do che­ga a ho­ra de fa­zer sa­cri­fí­ci­os, is­so é al­go que pre­ci­sa ser com­par­ti- lha­do com to­das as pes­so­as que par­ti­ci­pam da ex­pe­ri­ên­cia, por­que se a sua al­ma os as­su­mir so­zi­nha, is­so vai re­sul­tar em sen­ti­men­to de in­jus­ti­ça. CÂN­CER 21-6 a 21-7

Pa­ra vo­cê fa­zer o que de­se­ja, vo­cê vai ter de con­tra­ri­ar os con­se­lhos e opi­niões que com mui­ta boa von­ta­de lhe são ofe­re­ci­dos. Pa­ra fa­zer o que vo­cê de­se­ja, se­rá im­pres­cin­dí­vel apos­tar em seu pró­prio ta­co.

LEÃO 22-7 a 22-8

Es­ta é aque­la par­te do ca­mi­nho em que se tor­na ne­ces­sá­rio em­pre­en­der ações que, à pri­mei­ra vis­ta, não lhe ofe­re­cem ne­nhum pra- zer, po­rém, são ne­ces­sá­ri­as pa­ra que cer­tos re­sul­ta­dos se- jam ga­ran­ti­dos. Em fren­te.

VIR­GEM 23-8 a 22-9

Es­sa ba­se só­li­da e con­sis­ten­te que vo­cê lu­ta pa­ra ga­ran­tir não há de ser­vir de es­con­de­ri­jo da vi­da, mas de pla­ta­for­ma pa­ra vo­cê con­ti­nu­ar se atre­ven­do a aven­tu­ras novas e vi­bran­tes. A vi­da conti- nua. Em fren­te. LIBRA 23-9 a 22-10

Cui­de pa­ra que por trás des­sa pers­pec­ti­va de tudo ser fá­cil e le­ve não ser­pen- tei­em com­pli­ca­ções que só se mos­tra­rão quan­do se­ja tar­de pa­ra as ad­mi­nis­trar. Ob­ser­ve tudo com bom sen­so pa­ra não se en­ga­nar com as apa­rên­ci­as.

ES­COR­PIÃO 23-10 a 21-11

As con­tra­ri­e­da­des não são ex­clu­si­vas su­as, vá­ri­as pes­so­as com que vo­cê de­sen­vol­ve re­la­ci­o­na­men­tos nes- ta par­te do ca­mi­nho tam­bém se sen­tem con­tra­ri­a­das. Es­sa fal­ta de sin­to­nia vai pas­sar, não re­a­ja de­mais a ela.

SA­GI­TÁ­RIO 22-11 a 21-12

O pro­ces­so atu­al é se­me­lhan­te a tan­tos ou­tros que vo­cê ex­pe­ri­men­tou. No iní­cio, o di­ver­ti­men­to é ga- ran­ti­do, por­que tudo é no­vo e ma­ra­vi­lho­so, mas quan­do co­me­ça a ma­nu­ten­ção da rotina, aí tudo vi­ra um té­dio. CA­PRI­CÓR­NIO 22-12 a 20-1

Em al­gum mo­men­to, se tor­na­rá evidente tudo que, por en­quan­to, sua al­ma se es­for­ça pa­ra man­ter re­ser­va­do. Is­so não se­rá o fim do mun­do, pe­lo con­trá­rio, se­rá o iní­cio de uma fa­se mais ma­du­ra de sua vi­da.

AQUÁ­RIO 21-1 a 19-2

En­quan­to hou­ver as­sun­tos em­pa­ca­dos no seu cír­cu­lo mais pró­xi­mo de re­la­ci­o­na­men­tos, não se­rá pos­sí­vel de­co­lar com a ve­lo­ci­da­de ima­gi­na­da, mes­mo que apa­ren­te­men­te es­te­ja tudo a fa­vor. Pro­cu­re re­sol­ver es­ses as­sun­tos.

PEI­XES 20-2 a 20-3

Da te­o­ria à prá­ti­ca em ve­lo­ci­da­de al­tís­si­ma, é as­sim que a vi­da se ma­ni­fes­ta pa­ra vo­cê nes­te mo­men­to. O me­lhor a fa­zer, en­tão, é vo­cê dar o me­lhor de si pa­ra acom­pa­nhar es­se rit­mo, con­ver­san­do me­nos e fa­zen­do mais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.