Tem­pes­ta­de fas­cis­ta

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - TWIT­TER: SERGIUSAUG­USTUS SÉR­GIO AU­GUS­TO ES­CRE­VE AOS SÁ­BA­DOS

Pa­ra seu no­vo e sem­pre fun­da­men­tal ci­clo de pa­les­tras, co­mo de há­bi­to no Sesc, o prof. Adau­to No­va­es es­co­lheu um dos te­mas mais re­le­van­tes da atu­a­li­da­de: o ne­o­fas­cis­mo. A “Vol­ta do fas­cis­mo” se­ria um tí­tu­lo ge­ral ade­qua­do, mas No­va­es, in­flu­en­ci­a­do pe­lo vi­si­o­ná­rio Paul Va­léry, op­tou pe­lo poé­ti­co “Ain­da Sob a Tem­pes­ta­de”.

Dis­si­pa­da a tem­pes­ta­de da Pri­mei­ra Gu­er­ra Mun­di­al, Va­léry con­ti­nu­ou sen­tin­do no ar o mes­mo cli­ma de an­si­e­da­de de an­tes, ali­men­ta­do por de­ses­pe­ran­ça­dos te­mo­res e ter­rí­veis in­cer­te­zas; uma sen­sa­ção de mal-es­tar in­sa­ná­vel, co­mo se uma no­va tem­pes­ta­de es­ti­ves­se a ca­mi­nho. Es­ta­va, mes­mo, e em três eta­pas de­sa­bou, tra­zen­do Mus­so­li­ni, a De­pres­são e Hi­tler.

A pro­ce­la da vez já co­bre nos­so céu há al­gum tem­po. A ne­o­de­pres­são veio em 2008. Quan­to ao res­to, te­mos aí Trump, Er­do­gan, Du­ter­te, Or­bán, Bol­so­na­ro. Além de Sal­vi­ni, pro­vi­so­ri­a­men­te no fre­e­zer.

Ao ler, tem pou­co tem­po, o en­saio Ré­ci­di­ve 1938, do fi­ló­so­fo fran­cês Mi­chaël Fo­es­sel, No­va­es pô­de ava­li­ar, com mai­or ri­que­za de da­dos, o quan­to a so­ci­e­da­de ale­mã ha­via mui­to es­ta­va pre­pa­ra­da pa­ra acei­tar com es­pan­to­sa na­tu­ra­li­da­de e bo­vi­na tranquilid­ade o na­zis­mo, ofi­ci­al­men­te al­ça­do ao po­der em 1933. Na Ale­ma­nha de 1938 des­cri­ta no li­vro No­va­es de­pa­rou com a re­ci­di­va bol­so­na­ris­ta.

1938 tam­bém foi o ano em que eco­no­mis­tas e fi­ló­so­fos se reu­ni­ram pa­ra re­cau­chu­tar o li­be­ra­lis­mo econô­mi­co pos­to à pro­va pe­la tem­pes­tu­o­sa De­pres­são de 1929. Ali nas­ceu o ne­o­li­be­ra­lis­mo redentor, tão his­to­ri­ca­men­te li­ga­do ao fas­cis­mo e ao po­pu­lis­mo de di­rei­ta quan­to o fas­cis­mo à mo­der­ni­da­de e ao ca­pi­ta­lis­mo opor­tu­nis­ta e pre­da­tó­rio.

Pe­lo me­nos três dos 25 con­fe­ren­cis­tas se con­cen­tra­rão na aná­li­se des­se em­ba­ra­ço­so co­nú­bio: a fi­ló­so­fa Ma­ri­le­na Chauí, o fi­ló­so­fo e pes­qui­sa­dor do Cen­tro Na­ci­o­nal de Pes­qui­sa Ci­en­tí­fi­ca, Gré­goi­re Cha­mayou, que em seu li­vro mais re­cen­te, La So­ci­e­té In­go­ver­na­ble, faz uma “ge­ne­a­lo­gia do li­be­ra­lis­mo au­to­ri­tá­rio”, te­ma de sua pa­les­tra; e Eric Fas­sin, pro­fes­sor de so­ci­o­lo­gia da Uni­ver­si­da­de de Pa­ris 8, es­pe­ci­a­lis­ta em po­pu­lis­mo, de es­quer­da e di­rei­ta.

Chauí irá dis­se­car o que iden­ti­fi­ca co­mo “to­ta­li­ta­ris­mo ne­o­li­be­ral”, com sua con­cep­ção de so­ci­e­da­de or­ga­ni­za­da e ad­mi­nis­tra­da, cu­jo su­ces­so e efi­cá­cia se me­dem em ter­mos de ges­tão de re­cur­sos e es­tra­té­gi­as de de­sem­pe­nho e en­car­ni­ça­da com­pe­ti­ti­vi­da­de. Pa­ra ela, o ne­o­li­be­ra­lis­mo “não é ape­nas uma mu­ta­ção his­tó­ri­ca do ca­pi­ta­lis­mo com a pas­sa­gem da he­ge­mo­nia econô­mi­ca do ca­pi­tal pro­du­ti­vo ao fi­nan­cei­ro, mas tam­bém uma mu­ta­ção so­ci­o­po­lí­ti­ca”.

Es­se “mo­men­to ne­o­fas­cis­ta do li­be­ra­lis­mo” se­rá um dos tó­pi­cos de sua con­fe­rên­cia, na aber­tu­ra do ci­clo, se­gun­da-fei­ra pró­xi­ma. A seu ver, e ela não pen­sa as­sim so­zi­nha, os po­pu­lis­tas de di­rei­ta, de Trump a Bol­so­na­ro, não são ini­mi­gos do ne­o­li­be­ra­lis­mo, e sim seus ins­tru­men­tos. Tal­vez men­ci­o­ne Pau­lo Gu­e­des, czar da eco­no­mia bol­so­na­ris­ta e ex-co­la­bo­ra­dor da di­ta­du­ra de Pi­no­chet no Chi­le, tal­vez não, por des­ne­ces­sá­rio.

“Fas­cis­mo é uma la­tên­cia das for­mas he­gemô­ni­cas de vi­da no in­te­ri­or das de­mo­cra­ci­as li­be­rais.” A par­tir des­sa pre­mis­sa, Vla­di­mir Sa­fa­tle fa­rá uma aná­li­se li­bi­di­nal do fas­cis­mo, ins­pi­ra­da em Ge­or­ges Ba­tail­le, Wi­lhelm Rei­ch e pe­la pri­mei­ra ge­ra­ção da Es­co­la de Frankfurt e seus es­tu­dos so­bre a per­so­na­li­da­de au­to­ri­tá­ria e pa­to­lo­gi­as so­ci­ais. Boa opor­tu­ni­da­de pa­ra se fa­lar das ar­mi­nhas ges­tu­ais tão ca­ras ao pre­si­den­te, de seus rom­pan­tes se­xis­tas, de su­as fi­xa­ções ge­ni­tais, e até das ti­e­tes do la­va­ja­tei­ro-mor.

Par­tin­do de uma ob­ser­va­ção de Han­nah Arendt so­bre a cre­du­li­da­de na po­lí­ti­ca con­tem­po­râ­nea, o dou­tor em fi­lo­so­fia Hel­ton Ad­ver­se mos­tra­rá co­mo as pes­so­as, in­su­la­das nos “es­pa­ços de cre­du­li­da­de” das re­des so­ci­ais, “in­cli­nam-se a acre­di­tar em coi­sas que chocam o bom sen­so”, co­mo, por exem­plo, o ter­ra­pla­nis­mo, os ima­gi­ná­ri­os com­plôs co­mu­nis­tas, as fa­ke news e as alu­ci­na­ções re­li­gi­o­sas, e des­te mo­do re­a­li­men­tam o fas­cis­mo.

A pro­fes­so­ra Ol­gá­ria Ma­tos, que pre­fe­re qua­li­fi­car as re­des so­ci­ais de “es­pa­ços de in­cre­du­li­da­de”, exa­mi­na­rá de que ma­nei­ra as trans­for­ma­ções ace­le­ra­das da tec­no­lo­gia e da eco­no­mia im­pos­si­bi­li­tam for­mar e reconhecer va­lo­res, pro­du­zin­do um mun­do no qual o ho­mem se vê co­a­gi­do a adap­tar-se a al­go­rit­mos e pro­gra­mas for­mais de per­for­man­ce, que o au­to­ma­ti­zam e con­de­nam à pas­si­vi­da­de, ao iso­la­men­to e à des­con­fi­an­ça. A mes­ma es­pé­cie de des­con­fi­an­ça que al­guns de­cep­ci­o­na­dos elei­to­res do Jair exi­bem ao pro­cla­mar, com cer­ta em­pá­fia: “Não vo­ta­rei mais em nin­guém; to­dos os po­lí­ti­cos são iguais”.

A re­e­mer­gên­cia na ce­na po­lí­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal do ra­cis­mo, do an­tis­se­mi­tis­mo e da tor­tu­ra tam­bém se­rá exa­mi­na­da no ci­clo, ca­ben­do ao pro­fes­sor New­ton Big­not­to abor­dar com mais pro­fun­di­da­de a ques­tão da imi­gra­ção e da re­cep­ção hos­til de es­tran­gei­ros, ago­ra vis­tos, em di­ver­sos paí­ses, não mais co­mo in­tru­sos, mas ini­mi­gos do Es­ta­do.

A ba­na­li­za­ção da vi­o­lên­cia pra­ti­ca­da pe­lo apa­ra­to re­pres­sor do Es­ta­do e, de uns tem­pos pa­ra cá, tam­bém pe­la mi­li­tân­cia foi o te­ma es­co­lhi­do pe­lo ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Re­na­to Ja­ni­ne Ri­bei­ro. “O ou­tro não é ne­ces­sa­ri­a­men­te quem se opõe ao go­ver­no; é aque­le de quem o go­ver­no não gos­ta”, sa­li­en­ta Ri­bei­ro, que, sem se afas­tar do te­ma vi­o­lên­cia, irá to­car no ódio à in­te­li­gên­cia, à ci­ên­cia, à cul­tu­ra e à ar­te, tão ca­rac­te­rís­ti­co dos re­gi­mes fas­cis­tas.

“Odi­ar a cri­a­ti­vi­da­de, com apoio po­pu­lar, é um pe­ri­go”, aler­ta o ex-mi­nis­tro da Edu­ca­ção do go­ver­no Dil­ma.

A do­bra­di­nha fas­cis­mo-ma­chis­mo não po­dia fal­tar. “Nem to­do ma­chis­ta é fas­cis­ta, mas a re­cí­pro­ca não é ver­da­dei­ra”, di­rá Ma­ria Ri­ta Kehl na aber­tu­ra de sua in­ter­ven­ção. O ma­chis­mo fas­ci­na o fas­cis­ta e os per­ver­sos são seus pa­ren­tes de pri­mei­ro grau. Pa­ra a psi­ca­na­lis­ta, tor­tu­ra e es­cra­vi­dão, sem­pre pra­ti­ca­das por pes­so­as que se di­zem “de bem”, são du­as for­mas de per­ver­si­da­de. Es­ta con­fe­rên­cia vai bom­bar.

Ci­clo exa­mi­na a re­e­mer­gên­cia na ce­na po­lí­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal do ra­cis­mo e an­tis­se­mi­tis­mo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.