In­te­res­ses cor­po­ra­ti­vos do Se­na­do e dos Bol­so­na­ro fa­zem a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia se tor­nar uma pau­ta se­cun­dá­ria. Ve­ra Magalhães

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - VE­RA MAGALHÃES E-MAIL: VE­[email protected] TWIT­TER: @VERAMAGALH­AES PO­LI­TI­CA.ESTADAO.COM.BR/CO­LU­NAS/VE­RA-MAGALHAES/

Are­for­ma da Pre­vi­dên­cia vi­ra re­fém da con­ve­ni­ên­cia de tem­po e agen­da dos se­na­do­res. Ve­tos são der­ru­ba­dos sem que o pre­si­den­te que os pro­fe­riu nem se­quer la­men­te. O lí­der do go­ver­no no Se­na­do é in­ves­ti­ga­do sob a acu­sa­ção de ter re­ce­bi­do pro­pi­na quan­do era, ve­jam só, mi­nis­tro de nin­guém me­nos que Dil­ma Rous­seff.

A sequên­cia de fa­tos, to­dos das úl­ti­mas du­as se­ma­nas, con­tra­ria dois pi­la­res da cam­pa­nha de Jair Bol­so­na­ro, com­pra­dos pe­lo va­lor de fa­ce pe­lo elei­to­ra­do trau­ma­ti­za­do pe­lo PT: a pro­pos­ta li­be­ral-re­for­mis­ta na eco­no­mia e o com­ba­te im­pla­cá­vel à cor­rup­ção e à ve­lha po­lí­ti­ca.

Pou­co im­por­ta. Es­sas pro­mes­sas e a fi­de­li­da­de a uma par­ce­la do elei­to­ra­do fo­ram co­lo­ca­das em se­gun­do pla­no di­an­te da pri­o­ri­da­de do mo­men­to: pre­pa­rar o ter­re­no no Se­na­do pa­ra o en­vio, mais de dois me­ses de­pois do pri­mei­ro anún­cio, da in­di­ca­ção do ter­cei­ro fi­lho do pre­si­den­te, Edu­ar­do Bol­so­na­ro, à Em­bai­xa­da do Bra­sil em Washing­ton.

Não que se­ja uma pre­pa­ra­ção de to­do pla­ne­ja­da, co­mo na­da é na pa­ra­fer­ná­lia de con­cei­tos e mé­to­dos do bol­so­na­ris­mo. Ao mes­mo tem­po em que é ne­ces­sá­rio fi­de­li­zar se­na­do­res pa­ra a apro­va­ção de Edu­ar­do, seu ir­mão Car­los fus­ti­ga o par­ti­do com a se­gun­da mai­or ban­ca­da na Ca­sa, o Po­de­mos – pe­la pri­mi­ti­va ra­zão de que a si­gla cres­ce em ci­ma do PSL e po­de vi­rar mo­ra­da de al­gum ad­ver­sá­rio do pai em 2022, co­mo o te­mi­do Sérgio Mo­ro.

O pró­prio can­di­da­to a em­bai­xa­dor, que de di­plo­má­ti­co não tem ab­so­lu­ta­men­te na­da, pos­tou há al­gu­mas se­ma­nas em su­as re­des so­ci­ais ví­deo de uma youtuber bol­so­na­ris­ta com pe­sa­das crí­ti­cas a al­guns de seus po­ten­ci­ais elei­to­res.

Mas is­so são fi­li­gra­nas. O ver­da­dei­ro jo­go de bas­ti­do­res pa­ra que Edu­ar­do pas­se no Se­na­do, a des­pei­to de sua com­ple­ta fal­ta de qua­li­fi­ca­ção pa­ra um dos prin­ci­pais pos­tos da di­plo­ma­cia do País, pas­sa pe­lo acor­do nos gran­des te­mas, des­cri­tos no iní­cio des­te tex­to, e é fei­to em co­ne­xão di­re­ta en­tre o Pla­nal­to e o pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-AP).

Elei­to pa­ra o co­man­do da Ca­sa por ter fin­ca­do o pé co­mo aque­le ca­paz de pei­tar Renan Ca­lhei­ros, o até en­tão anô­ni­mo Al­co­lum­bre foi com­pra­do pe­lo al­vo­ro­ço das re­des so­ci­ais sem que ne­nhum dos que tor­ci­am por ele nem se­quer o co­nhe­ces­sem. Es­sa to­ma­da de par­ti­do ime­di­a­ta, na ba­se da es­co­lha bi­ná­ria, sem nem le­var em con­ta o per­fil da Wi­ki­pé­dia dos can­di­da­tos, le­vou à elei­ção de ban­ca­das in­tei­ras de la­vra­do­res de re­des so­ci­ais e até de go­ver­na­do­res, co­mo Wil­son Wit­zel.

Não foi di­fe­ren­te com Al­co­lum­bre, que, ago­ra no co­man­do, vai se mos­tran­do um po­lí­ti­co das an­ti­gas – jus­ti­ça se­ja fei­ta, ele nem ten­tou ves­tir o fi­gu­ri­no de re­no­va­dor. No seu acer­to com Bol­so­na­ro en­tra­ram car­gos no Ca­de, a ga­ran­tia de exe­cu­ção de emen­das e a pro­te­ção a Be­zer­ra Co­e­lho, ou­tro da ve­lha po­lí­ti­ca, nes­se ca­so in­clu­si­ve ali­a­do da te­mi­da es­quer­da, as­si­mi­la­do pe­lo bol­so­na­ris­mo prag­má­ti­co.

No jo­go em que in­te­res­ses cor­po­ra­ti­vos do Se­na­do e os fa­mi­li­a­res dos Bol­so­na­ro são co­lo­ca­dos à fren­te dos com­pro­mis­sos de cam­pa­nha, a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia vai vi­ran­do uma pau­ta se­cun­dá­ria, que po­de ser ou não vo­ta­da a par­tir de con­ve­ni­ên­ci­as. A pre­vi­são de que se­ja pro­mul­ga­da no dia 10 de ou­tu­bro já pa­re­ce oti­mis­ta di­an­te des­te qua­dro.

Qu­an­to à in­di­ca­ção de Edu­ar­do, pa­re­ce aguar­dar o mo­men­to em que na­da lhe obs­trua o ca­mi­nho, de re­for­mas a CPIs in­di­ges­tas pa­ra os tam­bém no­vos ali­a­dos do Ju­di­ciá­rio. Da­vi vai na fren­te, lim­pan­do o tri­lho pa­ra o ter­cei­ro fi­lho, en­quan­to es­te gas­ta seu tem­po en­tre con­ver­sas ao pé de ou­vi­do com se­na­do­res, pu­bli­ca­ções non­sen­se no Twit­ter em que des­fi­la uma bi­zar­ra dou­tri­na ar­ma­men­tis­ta a par­tir de uma es­cul­tu­ra na en­tra­da da ONU e vi­a­gens tu­rís­ti­cas ao país no qual de­ve vir a mo­rar lo­go mais, gra­ças a um pre­sen­tão do pa­pai e do tio Da­vi.

Jo­go com­bi­na­do en­tre Bol­so­na­ro e o Se­na­do pre­pa­ra ter­re­no pa­ra o fi­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.