Prag­ma­tis­mo, afi­nal

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Go­ver­no Bol­so­na­ro pa­re­ce ter de­ci­di­do abrir ne­go­ci­a­ção com par­la­men­ta­res in­cli­na­dos a apoi­ar o go­ver­no, ofe­re­cen­do-lhes par­ti­ci­pa­ção na ad­mi­nis­tra­ção.

Des­de sua pos­se, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro ado­tou o to­tal dis­tan­ci­a­men­to co­mo mo­do de se re­la­ci­o­nar com o Con­gres­so. Tal­vez con­ven­ci­do de que seus mais de 50 mi­lhões de vo­tos fos­sem su­fi­ci­en­tes pa­ra tor­nar au­to­ma­ti­ca­men­te le­gí­ti­mos to­dos os pro­je­tos do go­ver­no en­ca­mi­nha­dos ao Le­gis­la­ti­vo, ca­ben­do aos par­la­men­ta­res ape­nas apro­vá-los sem mai­o­res dis­cus­sões e sem ne­ces­si­da­de de ne­go­ci­a­ção, Bol­so­na­ro des­cui­dou da for­ma­ção de uma ba­se go­ver­nis­ta com um mí­ni­mo de ar­ti­cu­la­ção. O re­sul­ta­do fo­ram as se­gui­das der­ro­tas so­fri­das pe­lo go­ver­no nos mais di­ver­sos te­mas, ca­ben­do-lhe o pa­pel de sim­ples fi­gu­ran­te em vo­ta­ções im­por­tan­tes, co­mo a da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

An­te a pers­pec­ti­va de no­vos re­ve­ses, o go­ver­no Bol­so­na­ro pa­re­ce afi­nal ter-se ren­di­do às evi­dên­ci­as de que sua es­tra­té­gia es­ta­va equi­vo­ca­da e de­ci­di­do abrir ne­go­ci­a­ção com par­la­men­ta­res in­cli­na­dos a apoi­ar o go­ver­no, ofe­re­cen­do-lhes par­ti­ci­pa­ção na ad­mi­nis­tra­ção, na for­ma de car­gos.

Ao con­trá­rio do que apre­goa o ja­co­bi­nis­mo an­ti­po­lí­ti­co que to­mou o País há al­guns anos – e que, di­ga-se, aju­dou a ele­ger Bol­so­na­ro –, es­se ti­po de ne­go­ci­a­ção não é, em si, sinô­ni­mo de cor­rup­ção. Num re­gi­me pre­si­den­ci­a­lis­ta com as ca­rac­te­rís­ti­cas do bra­si­lei­ro, em que o par­ti­do do pre­si­den­te nor­mal­men­te não tem mai­o­ria no Con­gres­so pa­ra ser­vir de ba­se, é pre­ci­so atrair o apoio de ou­tros par­ti­dos. Is­so po­de ser fei­to de du­as ma­nei­ras: a ca­da vo­ta­ção ou por meio da cons­tru­ção de uma co­a­li­zão. No pri­mei­ro ca­so, a in­cer­te­za qu­an­to ao apoio é per­ma­nen­te, pois de­pen­de de cir­cuns­tân­ci­as que mu­dam ao sa­bor da po­lí­ti­ca; no se­gun­do, ar­ti­cu­la-se a ba­se con­for­me ob­je­ti­vos em co­mum, agru­pan­do vo­tos ra­zo­a­vel­men­te se­gu­ros pa­ra apro­var a mai­o­ria dos pro­je­tos de in­te­res­se do Exe­cu­ti­vo, o que ten­de a con­fe­rir es­ta­bi­li­da­de ao go­ver­no.

Re­por­ta­gem re­cen­te do Es­ta­do mos­tra que, apa­ren­te­men­te, o go­ver­no Bol­so­na­ro op­tou pe­la for­ma­ção de uma ba­se de par­ti­dos que de­mons­trem “le­al­da­de” em re­la­ção ao Pa­lá­cio do Pla­nal­to. Em tro­ca dos vo­tos des­ses par­ti­dos, o Exe­cu­ti­vo ofe­re­ce­rá car­gos do go­ver­no fe­de­ral nos Es­ta­dos. É uma cla­ra re­ver­são da de­ter­mi­na­ção do pre­si­den­te Bol­so­na­ro de não fran­que­ar es­pa­ço no go­ver­no pa­ra atrair ali­a­dos.

De 102 no­me­a­ções pa­ra su­pe­rin­ten­dên­ci­as es­ta­du­ais fei­tas en­tre ja­nei­ro e 15 de se­tem­bro, 50 re­sul­ta­ram de in­di­ca­ções po­lí­ti­cas. O es­to­que de car­gos fe­de­rais co­mis­si­o­na­dos de con­fi­an­ça nos Es­ta­dos che­ga a 15 mil, a mai­o­ria dos quais co­bi­ça­da por po­lí­ti­cos in­te­res­sa­dos em re­for­çar seu pres­tí­gio nas su­as ba­ses elei­to­rais.

Até ago­ra, se­gun­do in­te­gran­tes do go­ver­no, es­sa dis­tri­bui­ção de car­gos es­ta­va sen­do fei­ta sem cri­té­ri­os cla­ros, pre­mi­an­do in­clu­si­ve par­la­men­ta­res que vo­tam con­tra os in­te­res­ses do Exe­cu­ti­vo. Ago­ra, o Pa­lá­cio do Pla­nal­to es­tá ela­bo­ran­do um ma­pa des­ses fun­ci­o­ná­ri­os co­mis­si­o­na­dos, vin­cu­lan­do-os aos par­la­men­ta­res que os in­di­ca­ram, de mo­do a li­gar o des­ti­no des­ses ser­vi­do­res à “le­al­da­de” da­que­les que os apa­dri­nha­ram.

Res­pon­sá­vel pe­la ar­ti­cu­la­ção do Pa­lá­cio do Pla­nal­to, o mi­nis­tro da Se­cre­ta­ria de Go­ver­no, Luiz Edu­ar­do Ra­mos, dis­se que es­sas no­me­a­ções se­rão fei­tas “re­pu­bli­ca­na­men­te” e “com mui­to cri­té­rio”. É o mí­ni­mo que se es­pe­ra de um go­ver­no cu­jo pre­si­den­te foi elei­to com a pro­mes­sa de en­ter­rar o to­ma lá dá cá na re­la­ção en­tre o Exe­cu­ti­vo e o Con­gres­so.

Por ora, o im­por­tan­te é que, apa­ren­te­men­te, o pre­si­den­te Bol­so­na­ro se con­ven­ceu de que pre­ci­sa, nas pa­la­vras do mi­nis­tro Ra­mos, de “uma re­la­ção sin­ce­ra, du­ra­dou­ra, le­al, de con­fi­an­ça” com de­pu­ta­dos e se­na­do­res que se dis­põem a apoi­ar o go­ver­no. E is­so só se da­rá se o pre­si­den­te acei­tar di­vi­dir par­te do po­der com es­ses ali­a­dos.

A con­di­ção pa­ra que tal co­a­li­zão se­ja, de fa­to, “re­pu­bli­ca­na”, co­mo sa­li­en­tou o mi­nis­tro Ra­mos, é que aten­da não aos in­te­res­ses pes­so­ais do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ou dos par­la­men­ta­res go­ver­nis­tas, e sim aos in­te­res­ses do País. O es­for­ço po­lí­ti­co do go­ver­no não de­ve se pres­tar a apro­var pau­tas re­tró­gra­das ou sim­ples­men­te des­pi­ci­en­das, co­mo a no­me­a­ção de um fi­lho do pre­si­den­te pa­ra a em­bai­xa­da nos Es­ta­dos Uni­dos. “A gen­te quer que o de­pu­ta­do es­te­ja co­nos­co nas re­for­mas es­tru­tu­ran­tes, co­mo foi a da Pre­vi­dên­cia, a tri­bu­tá­ria, a li­ber­da­de econô­mi­ca, o sa­ne­a­men­to bá­si­co, pac­to fe­de­ra­ti­vo”, dis­se o mi­nis­tro Ra­mos. Que as­sim se­ja.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.