Ha­bi­ta­ção tem pla­no de le­a­sing pa­ra clas­ses C e D

Ba­ti­za­do de Apro­xi­ma, pro­je­to se­rá des­ti­na­do a fa­mí­li­as com ren­da en­tre dois e cin­co sa­lá­ri­os mí­ni­mos e não de­ve con­tar com sub­sí­di­os; pla­no é ofe­re­cer ter­re­no pú­bli­co pa­ra a cons­tru­to­ra fa­zer o em­pre­en­di­men­to, que te­rá imó­veis re­si­den­ci­ais e co­mer­ci­ais

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Aman­da Pu­po /

O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro de­ve lan­çar em bre­ve um no­vo pro­gra­ma ha­bi­ta­ci­o­nal, ba­ti­za­do de Apro­xi­ma, pe­lo qual vai ofe­re­cer um ter­re­no pa­ra que cons­tru­to­ras er­gam em­pre­en­di­men­tos pre­ven­do imó­veis re­si­den­ci­ais e es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais.

Se­rá des­ti­na­do a fa­mí­li­as com ren­da en­tre dois e cin­co sa­lá­ri­os mí­ni­mos (ho­je, de R$ 1.996 a R$ 4.990), clas­ses C e D. A ideia é fa­zer uma es­pé­cie de le­a­sing: o mo­ra­dor que pa­gar alu­guel até o fim do con­tra­to (que de­ve ter pra­zo de 20 anos) fi­ca com o imó­vel. O alu­guel de­ve­rá ter um li­mi­te de com­pro­me­ti­men­to da ren­da da fa­mí­lia que for con­tem­pla­da com o imó­vel.

Se­gun­do apu­rou o Estadão/Bro­ad­cast, a me­ta é lan­çar pe­lo me­nos 200 pro­je­tos do Apro­xi­ma até 2022, fim do man­da­to do pre­si­den­te. O pro­gra­ma é uma par­te do pla­no mai­or de re­es­tru­tu­ra­ção da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal de ha­bi­ta­ção, que tam­bém tra­rá mu­dan­ças pa­ra o Mi­nha Ca­sa Mi­nha Vi­da (MCMV). Os es­tu­dos en­vol­vem prin­ci­pal­men­te os Mi­nis­té­ri­os de De­sen­vol­vi­men­to Re­gi­o­nal e da Eco­no­mia.

De acor­do com in­te­gran­tes do go­ver­no, uma das van­ta­gens do Apro­xi­ma é co­lo­car o tra­ba­lha­dor mo­ran­do em área ur­ba­na, pró­xi­ma do tra­ba­lho. Há bas­tan­te crí­ti­cas em re­la­ção ao fa­to de o Mi­nha Ca­sa cons­truir em­pre­en­di­men­tos es­pe­ci­al­men­te nas pe­ri­fe­ri­as das gran­des ci­da­des, prin­ci­pal­men­te por cau­sa do al­to va­lor dos ter­re­nos.

Ou­tra di­fe­ren­ça em re­la­ção ao Mi­nha Ca­sa é li­be­rar co­mér­cio e pres­ta­ção de ser­vi­ços nos con­do­mí­ni­os. Is­so per­mi­te às cons­tru­to­ras e às in­cor­po­ra­do­ras co­bra­rem mais ca­ro pe­los imó­veis co­mer­ci­ais e re­du­zir as pres­ta­ções das fa­mí­li­as nos imó­veis re­si­den­ci­ais. A ofer­ta do ter­re­no pe­la União tam­bém re­duz o cus­to das em­pre­sas pa­ra cons­truir os em­pre­en­di­men­tos.

A li­mi­ta­ção no va­lor da pres­ta­ção que se­rá pa­go pe­las fa­mí­li­as vai va­ri­ar de acor­do com a re­gião, o per­fil do mu­ni­cí­pio e a ren­da dos po­ten­ci­ais mo­ra­do­res. Um dos par­ti­ci­pan­tes da for­mu­la­ção do pro­gra­ma deu o exem­plo de co­lo­car o te­to de 20% da ren­da pa­ra fa­mí­li­as que ga­nham até três sa­lá­ri­os mí­ni­mos (R$ 2.994).

A em­pre­sa que con­se­guir ofe­re­cer a mai­or quan­ti­da­de de uni­da­des re­si­den­ci­ais ten­do co­mo pres­ta­ção es­se va­lor te­rá van­ta­gem no pro­ces­so de li­ci­ta­ção. Ou­tro cri­té­rio que de­ve ser ana­li­sa­do na con­cor­rên­cia é ofe­re­ci­men­to do me­nor va­lor de con­do­mí­nio. O pla­no do go­ver­no é de­fi­nir que o ven­ce­dor do edi­tal man­te­nha o em­pre­en­di­men­to por 20 anos.

Re­tor­no. Se­gun­do o se­cre­tá­rio de De­sen­vol­vi­men­to de In­fra­es­tru­tu­ra, Di­o­go Mac Cord de Fa­ria, os cri­té­ri­os de es­co­lha do ven­ce­dor da con­cor­rên­cia pe­lo ter­re­no vão con­si­de­rar o pro­je­to que pro­mo­va o mai­or re­tor­no à so­ci­e­da­de. “Eu fa­ço um con­cur­so de idei­as de quem con­se­gue me ge­rar, no fim das con­tas, um mai­or re­tor­no pa­ra a so­ci­e­da­de, que é a quan­ti­da­de de fa­mí­li­as de me­nor po­der aqui­si­ti­vo mo­ran­do em áre­as que ja­mais po­de­ri­am pa­gar, em lo­cais pró­xi­mos de seus em­pre­gos. En­tão é bas­tan­te ino­va­dor, tan­to em ter­mos de po­lí­ti­ca pú­bli­ca de ha­bi­ta­ção qu­an­to em ter­mos de for­ma de pos­si­bi­li­da­de des­se ter­re­no”, diz.

Es­tu­di­o­sos do se­tor ava­li­am que o pro­gra­ma tem po­ten­ci­al de ata­car um dos gran­des pro­ble­mas do dé­fi­cit ha­bi­ta­ci­o­nal no Bra­sil: o al­to va­lor dos alu­guéis. De acor­do com pes­qui­sa de 2018 da FGV e da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de In­cor­po­ra­do­ras Imo­bi­liá­ri­as (Abrainc), o ônus ex­ces­si­vo com o pa­ga­men­to de alu­guel é um dos prin­ci­pais pro­ble­mas do dé­fi­cit ha­bi­ta­ci­o­nal en­fren­ta­do no Bra­sil. Es­se com­po­nen­te é res­pon­sá­vel pe­la fal­ta de mo­ra­dia pa­ra 42% das 7,8 mi­lhões de fa­mí­li­as que não

“Por ser uma coi­sa no­va, a gen­te ne­ces­si­ta apro­fun­dar a dis­cus­são pa­ra que ela saia mais ar­re­don­da­da.” Jo­sé Car­los Mar­tins PRE­SI­DEN­TE DA CBIC

“É im­por­tan­te que se­ja ne­gó­cio in­te­res­san­te pa­ra em­pre­sas e fa­mí­li­as.” Ana Cas­te­lo CO­OR­DE­NA­DO­RA DE PRO­JE­TOS DA CONS­TRU­ÇÃO DO FGV IBRE

têm ca­sa pró­pria.

Co­or­de­na­do­ra de Pro­je­tos da Cons­tru­ção do FGV/Ibre, Ana Cas­te­lo en­ten­de que, se o go­ver­no man­ti­ver a ideia de li­mi­tar o alu­guel a al­go pró­xi­mo de 20% da ren­da fa­mi­li­ar, o cri­té­rio po­de­rá fa­zer fren­te ao pro­ble­ma. “Em prin­cí­pio, pa­ra uma fa­mí­lia que vai plei­te­ar fi­nan­ci­a­men­to ha­bi­ta­ci­o­nal, nor­mal­men­te es­se é o va­lor ra­zoá­vel de uma pres­ta­ção, de 20% a 30%. Pen­san­do que ela te­rá cus­tos com a ha­bi­ta­ção, 20% ain­da dá mar­gem pa­ra es­ses cus­tos.”

Pes­qui­sa­dor da Fun­da­ção João Pi­nhei­ro, Fre­de­ri­co Po­ley des­ta­ca que as ci­da­des têm “carência gran­de de ofer­ta de imó­veis”, e que ações que fa­ci­li­tem a ocu­pa­ção de ter­re­nos nos cen­tros da ci­da­de são bem-vin­das do pon­to de vis­ta so­ci­al. “Go­ver­no tem pa­pel im­por­tan­te de fa­ci­li­tar as ins­ta­la­ções de mer­ca­do, fa­zen­do re­gu­la­ções que se­jam efe­ti­vas”, diz.

O Apro­xi­ma de­ve ser lan­ça­do com a re­es­tru­tu­ra­ção da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal de ha­bi­ta­ção, e de­man­da­rá a edi­ção de uma me­di­da pro­vi­só­ria pa­ra au­to­ri­zar que ter­re­nos da União se­jam des­ti­na­dos à ini­ci­a­ti­va pri­va­da, se­gun­do apu­rou a re­por­ta­gem. De­ve ser tam­bém ne­ces­sá­rio um diá­lo­go com as pre­fei­tu­ras, já que, em al­guns ca­sos, os mu­ni­cí­pi­os pre­ci­sa­rão afrou­xar re­gras do que po­de ser cons­truí­do em de­ter­mi­na­das áre­as.

Ze­ro sub­sí­dio. O Apro­xi­ma não de­ve con­tar com re­cur­sos do Or­ça­men­to-Ge­ral da União (OGU), se­gun­do apu­rou a re­por­ta­gem, ou­tra di­fe­ren­ça em re­la­ção ao MCMV. Nos dez anos do pro­gra­ma ha­bi­ta­ci­o­nal cri­a­do no go­ver­no do ex­pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va fo­ram apor­ta­dos R$ 110 bi­lhões em sub­sí­di­os. Pa­ra o ano que vem, o or­ça­men­to pre­vis­to é de R$ 2,71 bi­lhões, o me­nor já co­lo­ca­do no pro­gra­ma em uma dé­ca­da.

As di­fe­ren­ças tam­bém são en­con­tra­das no mo­de­lo de fi­nan­ci­a­men­to pe­lo Fun­do de Ga­ran­tia do Tem­po de Ser­vi­ço (FGTS). No Apro­xi­ma, a ideia é que o fi­nan­ci­a­men­to com re­cur­sos do Fun­do se­ja ofe­re­ci­do so­men­te às em­pre­sas, com li­mi­te de 50% do in­ves­ti­men­to ne­ces­sá­rio pa­ra cons­truir o em­pre­en­di­men­to.

ALEX SIL­VA /ESTADAO –6/8/2019

Pla­no. Ao con­trá­rio do Mi­nha Ca­sa Mi­nha Vi­da, Apro­xi­ma não de­ve re­ce­ber sub­sí­di­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.