Eli­a­ne Can­ta­nhê­de

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - ELI­A­NE CAN­TA­NHÊ­DE E-MAIL: ELI­A­[email protected] TWIT­TER: @ECANTANHED­E ELI­A­NE CAN­TA­NHÊ­DE ES­CRE­VE ÀS TER­ÇAS E SEX­TAS-FEI­RAS E AOS DO­MIN­GOS

Os mo­ci­nhos da La­va Ja­to vão vi­ran­do ban­di­dos, os réus, ví­ti­mas. Mas a his­tó­ria sa­be­rá ca­li­brar er­ros e acer­tos.

Com a su­ces­são de even­tos da se­ma­na pas­sa­da, a La­va Ja­to co­me­ça a ir a pi­que co­mo o Ti­ta­nic. Hac­kers, The In­ter­cept Bra­sil, Su­pre­mo, Con­gres­so, Pla­nal­to e, ago­ra, a ab­sur­da, ina­cre­di­tá­vel, cho­can­te his­tó­ria do en­tão pro­cu­ra­dor­ge­ral da Re­pú­bli­ca, Ro­dri­go Ja­not, que en­trou ar­ma­do na mais al­ta cor­te do País pa­ra as­sas­si­nar o mi­nis­tro Gil­mar Men­des.

De­pois das “fle­cha­das” con­tra Mi­chel Te­mer, Ja­not qu­e­ria as­sas­si­nar Gil­mar a ti­ros. Não ti­rou o man­da­to de um nem a vi­da do ou­tro, mas aca­ba de ma­tar sua pró­pria re­pu­ta­ção. Pro­cu­ra­do­res são ser­vi­do­res pú­bli­cos e ele não era ape­nas um pro­cu­ra­dor qual­quer, era o pro­cu­ra­dor-ge­ral e es­ta­va dis­pos­to a co­me­ter não um cri­me qual­quer, mas o mais gra­ve de to­dos: as­sas­si­na­to. E de um mi­nis­tro do Su­pre­mo!

Ja­not agia co­mo jus­ti­cei­ro, Gil­mar era o crí­ti­co mais fe­roz dos per­so­na­gens, mé­to­dos e atos da La­va Ja­to. O pro­cu­ra­dor era en­deu­sa­do e o mi­nis­tro, tru­ci­da­do, prin­ci­pal­men­te nas re­des so­ci­ais. Mas a gan­gor­ra in­ver­teu. Ja­not cai do pe­des­tal, Gil­mar es­tá exul­tan­te e a mai­or ope­ra­ção an­ti­cor­rup­ção da his­tó­ria afun­da fra­go­ro­sa­men­te.

Com seu par­ti­da­ris­mo, ar­ro­gân­cia e fal­ta de li­mi­tes, Ja­not foi o pivô da gra­va­ção que Jo­es­ley Ba­tis­ta, da J&F, fez com o ex-pre­si­den­te Mi­chel Te­mer. O re­sul­ta­do foi uma con­ver­sa mo­le, in­du­zi­da, pi­ca­da, que não con­se­guiu der­ru­bar Te­mer, mas der­ru­bou a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia e a re­to­ma­da do cres­ci­men­to. O País pa­gou um al­to pre­ço.

A J&F vi­rou gi­gan­te in­ter­na­ci­o­nal com o ex-pre­si­den­te Lu­la, mas Ja­not e sua tur­ma ati­ra­ram em Te­mer. Co­mo a gra­va­ção não fi­cou for­te o su­fi­ci­en­te, eles adul­te­ra­ram a or­dem das frases e cor­re­ram ao STF sem apro­fun­dar as in­ves­ti­ga­ções, se­guir o di­nhei­ro ou se­quer fa­zer pe­rí­cia no áu­dio. E que acor­do ca­ma­ra­da com os ir­mãos Ba­tis­ta! Foi, por­tan­to, uma ação po­lí­ti­ca, que fi­ca ain­da mais ir­ri­tan­te com a con­fis­são de Ja­not jus­ta­men­te na se­ma­na da in­ver­são da gan­gor­ra tam­bém no STF.

A for­ça-ta­re­fa ga­nha­va to­das. Lu­la, por exem­plo, per­dia to­das. A mu­dan­ça co­me­çou com li­mi­na­res mo­no­crá­ti­cas (con­tra o uso de da­dos do an­ti­go Co­af e in­ves­ti­ga­ções de po­de­ro­sos pe­la Re­cei­ta). Evo­luiu com a Se­gun­da Tur­ma der­ru­ban­do a con­de­na­ção de Al­de­mir Bendine, sob o pre­tex­to de que de­la­ta­dos fa­lam após o de­la­tor. Por fim, o ple­ná­rio con­so­li­da a gui­na­da, com mai­o­ria a fa­vor des­sa te­se, per­fei­ta pa­ra fa­vo­re­cer de­ze­nas de con­de­na­dos.

A par­tir daí, é fa­zer a fes­ta nas pró­xi­mas vo­ta­ções: pri­são após con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia, sus­pei­ção do en­tão juiz Sérgio Mo­ro, re­vi­são ou anu­la­ção de sen­ten­ças e ações con­tra Lu­la... Os mo­ci­nhos da La­va Ja­to vão sen­do trans­for­ma­dos em ban­di­dos, os réus vi­ram ví­ti­mas.

Do ou­tro la­do da rua, o Con­gres­so apro­va uma lei de abu­so de au­to­ri­da­de que, ape­sar de ne­ces­sá­ria, che­ga num mo­men­to, e num for­ma­to, que exa­la re­van­che e soa co­mo ame­a­ça a juí­zes, pro­cu­ra­do­res, de­le­ga­dos e au­di­to­res que ou­sem me­xer com po­de­ro­sos.

E no Pla­nal­to? O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro ten­ta pa­re­cer me­ro es­pec­ta­dor do nau­frá­gio da La­va Ja­to, mas sol­tou a voz con­tra a PF, dei­xou su­as di­gi­tais nas mu­dan­ças no Co­af (ago­ra UIF) e na Re­cei­ta Fe­de­ral e só ve­tou vá­ri­as par­tes da Lei de Abu­so de Au­to­ri­da­de pa­ra in­glês ver. Ou me­lhor, Mo­ro ver, seus se­gui­do­res ve­rem.

Gil­mar Men­des pas­sou es­ses anos to­dos co­mo Ju­das na­ci­o­nal, por en­fren­tar Ja­not, Dal­lag­nol, Mo­ro e o “la­va­ja­tis­mo”. Ho­je, os Ju­das pas­sam a ser Ja­not e Dal­lag­nol. Gil­mar es­tá na po­si­ção de “quem ri por úl­ti­mo ri me­lhor”. Mas... com er­ros mai­o­res ou me­no­res, per­so­na­gens mai­o­res ou me­no­res, o fa­to é que o pe­tro­lão exis­tiu, há mon­ta­nhas de pro­vas da cor­rup­ção sis­tê­mi­ca e era pre­ci­so dar um bas­ta vi­go­ro­so. A La­va Ja­to afun­da, mas a his­tó­ria sa­be­rá ca­li­brar er­ros e acer­tos, re­co­nhe­cen­do o enor­me bem que fez ao País.

Gil­mar Men­des es­tá na po­si­ção de ‘quem ri por úl­ti­mo ri me­lhor’, mas...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.