O fu­tu­ro da flo­res­ta

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - •✽ ZANDER NAVARRO, AL­FRE­DO HOMMA, ANTÔ­NIO JO­SÉ ELIAS A. DE ME­NE­ZES E CAR­LOS AU­GUS­TO MAT­TOS SAN­TA­NA ✽ PES­QUI­SA­DO­RES EM CI­ÊN­CI­AS SO­CI­AIS. E-MAILS: [email protected], AL­FRE­[email protected], AJEAMENEZE­[email protected] E CAUGUSTO.MAT­[email protected]

Há dis­se­mi­na­da de­sin­for­ma­ção so­bre as trans­for­ma­ções em cur­so na Re­gião Amazô­ni­ca e, em par­ti­cu­lar, so­bre o seu as­pec­to mais cho­can­te: os in­cên­di­os que in­va­ri­a­vel­men­te pul­ve­ri­zam par­tes da flo­res­ta e sua ex­tra­or­di­ná­ria bi­o­di­ver­si­da­de. Nos úl­ti­mos 40 anos a mai­o­ria dos bra­si­lei­ros apa­gou de sua me­mó­ria os fa­tos que con­vul­si­o­na­ram o bi­o­ma, es­ten­den­do-se de Rondô­nia, pas­san­do pe­lo nor­te de Ma­to Gros­so e o sul do Pa­rá e se­guin­do pe­lo Ma­ra­nhão, ao les­te. Es­se gi­gan­tes­co ar­co ter­ri­to­ri­al foi vis­ce­ral­men­te al­te­ra­do, pri­mei­ra­men­te, pe­la de­vas­ta­ção flo­res­tal, de­pois pe­la pe­cuá­ria ex­ten­si­va e, mais tar­de, pe­lo avan­ço da pro­du­ção de grãos, em­bo­ra es­ta mo­vi­da por uma no­vi­da­de: a sua al­ta den­si­da­de tec­no­ló­gi­ca.

O mes­mo des­co­nhe­ci­men­to pre­va­le­ce so­bre o ru­ral bra­si­lei­ro co­mo um to­do, com­pro­va­do por inú­me­ras ilus­tra­ções. Exem­plos: um dos nos­sos ali­men­tos bá­si­cos, o ar­roz, tem a sua efi­ci­en­te pro­du­ção ca­da vez mais con­cen­tra­da nos dois Es­ta­dos me­ri­di­o­nais, de­pois dis­tri­buí­da pa­ra o res­tan­te do País. Aos pou­cos de­sa­pa­re­cem an­ti­gas pro­du­ções re­gi­o­nais, in­ca­pa­zes de com­pe­tir com a ofer­ta su­lis­ta. Já a mul­ti­pli­ca­ção de mo­tos nas re­giões ru­rais, por sua vez, en­cur­ta dis­tân­ci­as e, par­ti­cu­lar­men­te, des­cor­ti­na o mun­do ur­ba­no pa­ra os jo­vens que, as­sim, am­pli­am o de­se­jo de aban­do­nar su­as pre­ca­rís­si­mas co­mu­ni­da­des do vas­to in­te­ri­or, es­va­zi­an­do o cam­po.

Des­de 1993 o Pa­rá li­de­ra o cul­ti­vo na­ci­o­nal de man­di­o­ca, mas sua pri­ma­zia se­cu­lar co­mo res­pon­sá­vel pe­la mai­or área plan­ta­da foi per­di­da pa­ra a so­ja a par­tir de 2015. A vi­ra­da tem agu­das con­sequên­ci­as pa­ra o cam­po pa­ra­en­se, pois se­pul­ta a agri­cul­tu­ra de sub­sis­tên­cia de an­ta­nho e in­te­gra o Pa­rá ao sis­te­ma agro­a­li­men­tar glo­bal. O Pa­rá é tam­bém o mai­or pro­du­tor na­ci­o­nal de ca­cau, aba­ca­xi, den­dê, pi­men­ta-do-rei­no, açaí e bu­ba­li­nos. E des­ta­que em bo­vi­nos, co­co, la­ran­ja e ma­ra­cu­já, en­tre ou­tros. O açaí, um pro­du­to ti­pi­ca­men­te ex­tra­ti­vis­ta, vem am­pli­an­do seus mer­ca­dos pe­lo mun­do por meio do ma­ne­jo, in­clu­si­ve la­vou­ras plan­ta­das, boa par­te sob sis­te­mas de ir­ri­ga­ção.

O pon­to de par­ti­da des­sas trans­for­ma­ções é a dé­ca­da de 1970 e a de­ci­são dos go­ver­nos mi­li­ta­res de “in­te­grar a Amazô­nia” ao res­tan­te da eco­no­mia. Ro­do­vi­as co­mo a Be­lém-Brasília (1960) e a Tran­sa­mazô­ni­ca (1972) ga­ran­ti­ram a mo­bi­li­da­de ge­o­grá­fi­ca das mi­gra­ções, ini­ci­al­men­te for­ma­das por fa­mí­li­as po­bres do Nor­des­te ru­ral bus­can­do ou o aces­so às ter­ras no­vas ou às áre­as de ga­rim­po. Ser­ra Pe­la­da, na­que­les anos, exer­ceu um fas­cí­nio ir­re­sis­tí­vel. Es­se avan­ço, pe­lo la­do les­te, em tor­no do Bi­co do Pa­pa­gaio, foi o ápi­ce dos con­fli­tos de ter­ra, des­ta­ca­dos nos anuá­ri­os da Co­mis­são Pas­to­ral da Ter­ra. A se­gun­da me­ta­de da dé­ca­da de 1980 re­gis­trou os mais ele­va­dos in­di­ca­do­res de ví­ti­mas nas dis­pu­tas pe­la ter­ra. Fo­ram os anos dos des­ma­ta­men­tos mais sel­va­gens, se­gui­dos das quei­ma­das.

Na sequên­cia, já na se­gun­da me­ta­de dos anos 90, o cul­ti­vo de grãos que ha­via si­do con­so­li­da­do no nor­te de Ma­to Gros­so “ca­mi­nhou” em di­re­ção ao Pa­rá, ocu­pan­do as an­ti­gas áre­as aber­tas pe­lo fo­go e os pas­tos de­gra­da­dos. Em pou­cos anos, já no sé­cu­lo atu­al, es­se Es­ta­do do Nor­te co­me­çou a evi­den­ci­ar uma re­a­li­da­de mui­to dis­tan­te da an­ti­ga “pro­ble­má­ti­ca amazô­ni­ca”, pois su­as re­giões ao sul e qua­se to­do o les­te já ha­vi­am si­do des­ma­ta­das, as­se­gu­ran­do o avan­ço da pe­cuá­ria e da agri­cul­tu­ra de grãos.

Mais re­cen­te­men­te, es­sa tri­lha de ocu­pa­ção vem se­guin­do pe­lo la­do oes­te, su­bin­do na di­re­ção de San­ta­rém. Atu­al­men­te, o Pa­rá já tem des­ma­ta­do mais de um quin­to de sua área to­tal. Vai so­bran­do ape­nas o qua­dran­te no­ro­es­te do Es­ta­do ain­da com mai­or den­si­da­de flo­res­tal, além das re­giões de pro­te­ção le­gal, co­mo as re­ser­vas. Adi­ci­o­nal­men­te, en­tre 1995 e 2010, um ter­ço da ter­ra ar­re­ca­da­da pa­ra a re­for­ma agrá­ria se lo­ca­li­za­va no Pa­rá e no Ma­ra­nhão. Sem acom­pa­nha­men­to téc­ni­co, os as­sen­ta­men­tos tam­bém con­tri­buí­ram em al­gu­ma pro­por­ção pa­ra de­gra­dar a re­gião cen­tral do Es­ta­do.

Sob tal con­tex­to, qual o me­lhor ca­mi­nho a ser per­se­gui­do? O prin­ci­pal é ge­rar ren­da com a re­cu­pe­ra­ção de áre­as que não de­ve­ri­am ter si­do des­ma­ta­das, ini­ci­a­ti­va que os paí­ses de­sen­vol­vi­dos le­va­ram a efei­to, al­guns com a flo­res­ta já com­ple­ta­men­te de­sa­pa­re­ci­da. Re­ver­ter a re­du­ção da co­ber­tu­ra flo­res­tal da Amazô­nia é pos­sí­vel com a am­pli­a­ção da ofer­ta de tec­no­lo­gia agrí­co­la, da as­sis­tên­cia téc­ni­ca, da me­lho­ria do ca­pi­tal so­ci­al e do es­co­a­men­to da pro­du­ção, en­tre ou­tras ini­ci­a­ti­vas. Um de­sen­vol­vi­men­to mais sus­ten­tá­vel é fac­tí­vel.

A rei­te­ra­da ideia de uma “flo­res­ta em pé” co­mo a so­lu­ção pa­ra a Amazô­nia apre­sen­ta di­fi­cul­da­des na sua ma­te­ri­a­li­za­ção, da­das a bai­xa pro­du­ti­vi­da­de dos re­cur­sos ex­tra­ti­vos, a sua dis­per­são e a fal­ta de eco­no­mia de es­ca­la, en­tre ou­tros blo­quei­os. Mes­mo o mer­ca­do de car­bo­no po­de ser ví­ti­ma do seu pró­prio su­ces­so. Re­cor­de-se que o ex­tra­ti­vis­mo foi uma das cau­sas do atra­so se­cu­lar da Amazô­nia.

Ou­tra ten­dên­cia po­de­rá ser par­ci­al­men­te be­né­fi­ca, que é a mu­dan­ça da pe­cu­a­ri­za­ção pa­ra a agri­cul­tu­ri­za­ção. Se os pro­du­to­res de­di­ca­dos à pro­du­ção de grãos se dis­pu­se­rem a de­sen­vol­ver me­lho­res prá­ti­cas de ma­ne­jo em su­as pro­pri­e­da­des, se­guin­do o pre­co­ni­za­do pe­lo Có­di­go Flo­res­tal, po­de­rá di­mi­nuir a ação hu­ma­na so­bre a na­tu­re­za. Se for as­sim, pe­lo me­nos qua­tro quin­tos de ca­da pro­pri­e­da­de man­te­rá pre­ser­va­da a flo­res­ta, con­for­me exi­ge a lei.

Qual o apren­di­za­do ge­ral do pe­río­do? É pos­sí­vel es­ta­be­le­cer uma agri­cul­tu­ra mais sus­ten­tá­vel uti­li­zan­do ape­nas as áre­as de pas­tos de­gra­da­dos na Amazô­nia, as quais somam mais de 10 mi­lhões de hec­ta­res (área su­pe­ri­or a Por­tu­gal), au­men­tar a pro­du­ti­vi­da­de agrí­co­la, in­cen­ti­var cul­ti­vos pe­re­nes, ga­ran­tir a se­gu­ran­ça ali­men­tar, fa­zer uma re­vo­lu­ção na aqui­cul­tu­ra e do­mes­ti­car os pro­du­tos da bi­o­di­ver­si­da­de amazô­ni­ca. Uma po­lí­ti­ca agrí­co­la é mui­to mais im­por­tan­te e con­se­quen­te pa­ra re­sol­ver seus pró­pri­os pro­ble­mas am­bi­en­tais.

A ‘flo­res­ta em pé’ co­mo so­lu­ção pa­ra Amazô­nia apre­sen­ta di­fi­cul­da­des em sua ma­te­ri­a­li­za­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.