Pe­quim não crê em lá­gri­mas

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - ✽ SÓ­CIO-DI­RE­TOR DA AUGURIUM CON­SUL­TO­RIA, É MEM­BRO DAS ACA­DE­MI­AS PAU­LIS­TA DE LE­TRAS E BRA­SI­LEI­RA DE CI­ÊN­CI­AS •✽ BOLÍVAR LAMOUNIER

Meu ar­ti­go de ho­je não é pro­pri­a­men­te um ar­ti­go, é um re­la­to so­bre um ar­ti­go de Martha Bay­les, pro­fes­so­ra do Bos­ton Col­le­ge, pu­bli­ca­do na edi­ção di­gi­tal da re­vis­ta

The Atlan­tic do dia 15 úl­ti­mo.

The Atlan­tic, pa­ra quem não sa­be, é uma das re­vis­tas mais an­ti­gas e pres­ti­gi­o­sas do mun­do. Pra­ti­ca o al­to jor­na­lis­mo há 160 anos, sem in­ter­rup­ção.

O gran­de sal­to pa­ra trás de Hollywood é o tí­tu­lo sob o qual a pro­fes­so­ra Bay­les abor­da um as­sun­to ain­da pou­co de­ba­ti­do mun­do afo­ra: o cres­cen­te ris­co que a li­ber­da­de de ex­pres­são es­tá cor­ren­do em ra­zão do ape­ti­te pe­cu­niá­rio da in­dús­tria ci­ne­ma­to­grá­fi­ca ame­ri­ca­na pe­lo mer­ca­do chi­nês. Es­cu­sa­do di­zer que meu tex­to acom­pa­nha de per­to o da pro­fes­so­ra Martha Bay­les.

Sob a ori­en­ta­ção do pri­mei­ro-mi­nis­tro Xi Jin­ping, o go­ver­no chi­nês con­cen­trou e re­for­çou bru­tal­men­te uma ha­bi­li­da­de que nun­ca lhe fal­tou: a de cen­su­rar tu­do o que não lhe agra­de.

Pa­ra si­tu­ar o ta­ma­nho do pro­ble­ma, Bay­le lem­bra o que se pas­sou com a in­dús­tria edi­to­ri­al de Hong Kong. Quan­do a Grã-Bre­ta­nha se re­ti­rou e a Chi­na as­su­miu o con­tro­le de Hong Kong, os ci­da­dãos da­que­la No­va York asiá­ti­ca re­ce­be­ram cer­tas ga­ran­ti­as, en­tre as quais avul­ta­vam as li­ber­da­des de ex­pres­são e de im­pren­sa. Até aí, na­da sur­pre­en­den­te. Bai­ley ates­ta que a po­de­ro­sa in­dús­tria edi­to­ri­al lá se­di­a­da pro­du­zia uma enor­me quan­ti­da­de de li­vros, re­vis­tas e jor­nais, um vi­bran­te es­pec­tro que tra­ta­va de ca­da as­pec­to da his­tó­ria, da po­lí­ti­ca e da so­ci­e­da­de chi­ne­sas. Sem es­sa pro­du­ção, não só os ci­da­dãos de Hong Kong, mas tam­bém os da Chi­na con­ti­nen­tal sa­be­ri­am mui­to me­nos do que pas­sa­ram a sa­ber so­bre seu pró­prio país. Mas, cla­ro, a no­va ori­en­ta­ção ema­na­da de Pe­quim li­qui­dou tu­do is­so e as re­fe­ri­das edi­to­ras pra­ti­ca­men­te dei­xa­ram de exis­tir.

A par­tir de 2017, to­das as for­mas de mí­dia co­me­ça­ram a ser con­so­li­da­das e pos­tas sob o con­tro­le di­re­to do De­par­ta­men­to Cen­tral de Pro­pa­gan­da. Es­sa ten­dên­cia tem pro­vo­ca­do pro­tes­tos por to­da par­te, mas, cu­ri­o­sa­men­te – Bai­ley in­da­ga –, por que não pre­sen­ci­a­mos uma re­a­ção igual no to­can­te ao cres­cen­te ata­que da Chi­na à in­dús­tria ci­ne­ma­to­grá­fi­ca, não só em Hong Kong, mas tam­bém nos Es­ta­dos Uni­dos?

Sa­be­mos to­dos que em di­ver­sas oca­siões o ci­ne­ma ame­ri­ca­no tam­bém de­sem­pe­nhou um pa­pel pro­pa­gan­dís­ti­co, mas ra­ra­men­te se en­ga­jou nu­ma pro­pa­gan­da es­can­ca­ra­da das vir­tu­des ame­ri­ca­nas. A sra. Bai­ley não ci­ta, mas quem co­nhe­ce a obra de John Ford, e por mais que re­co­nhe­ça seu ele­va­do con­teú­do es­té­ti­co, iden­ti­fi­ca um cla­ro pro­pó­si­to de con­tri­buir pa­ra a cons­tru­ção da ci­vi­li­za­ção ame­ri­ca­na. Fa­to é que Hollywood con­sis­ten­te­men­te re­for­çou a pró­pria li­ber­da­de de ex­pres­são jun­to a pla­tei­as de to­do o mun­do.

É pos­sí­vel ar­gu­men­tar que o ci­ne­ma de­mo­rou mui­to a abor­dar a ques­tão ra­ci­al – o pri­mei­ro fil­me que o fez sem pes­ta­ne­jar foi pro­va­vel­men­te To Kill a Moc­king­bird (O Sol é pa­ra To­dos), de 1962. Não é exa­ge­ro afir­mar que des­de a Gu­er­ra do Vi­et­nã o ci­ne­ma ame­ri­ca­no se tor­nou em gran­de par­te an­ti­a­me­ri­ca­no, não se fur­tan­do a cu­tu­car as fe­ri­das que evi­den­te­men­te exis­tem em to­das as es­fe­ras da so­ci­e­da­de. O go­ver­no ame­ri­ca­no – Bai­ley es­cre­ve – em ge­ral não so­li­ci­ta mo­de­ra­ção nas crí­ti­cas en­ce­na­das pe­los pro­du­to­res de Hollywood; uma ex­ce­ção é o De­par­ta­men­to da De­fe­sa, que in­sis­te em apro­var o script dos fil­mes pro­du­zi­dos com sua as­sis­tên­cia ou res­pal­do.

Aqui, evi­den­te­men­te, é on­de en­tra a ori­en­ta­ção pre­do­mi­nan­te na Chi­na. Às vés­pe­ras de se tor­nar o mai­or e mais im­por­tan­te mer­ca­do ci­ne­ma­to­grá­fi­co, o Par­ti­do Co­mu­nis­ta chi­nês não tra­ta es­sa ques­tão com lu­vas de pe­li­ca. O ob­je­ti­vo de Pe­quim – é ain­da Bai­ley quem es­cre­ve – é fa­zer da in­dús­tria ci­ne­ma­to­grá­fi­ca um com­po­nen­te es­sen­ci­al no es­for­ço de man­ter a opi­nião pú­bli­ca ali­nha­da com a vi­são do mun­do do par­ti­do. Pe­quim sa­be mui­to bem que Hollywood tem uma in­sa­ciá­vel ne­ces­si­da­de de in­ves­ti­men­tos e não quer (ou não po­de) ig­no­rar uma au­di­ên­cia po­ten­ci­al de 1,4 bi­lhão de pes­so­as. Tra­ta-se, co­mo é fá­cil com­pre­en­der, de uma bri­ga de ca­chor­ros gran­des. Um dos dois ga­nha­rá, ou am­bos ga­nha­rão, mas, in­fe­liz­men­te, es­sa his­tó­ria tem um per­de­dor pra­ti­ca­men­te cer­to: a li­ber­da­de de ex­pres­são. Acres­cen­te-se que, mes­mo se qui­ses­sem, os pro­du­to­res de Hollywood não de­se­ja­rão pa­re­cer sim­pá­ti­cos à po­lí­ti­ca an­ti­chi­ne­sa de Do­nald Trump.

A po­lí­ti­ca ins­ti­tuí­da por Xi Jin­ping em 2017 es­ti­pu­la, sem ro­dei­os, que to­do fil­me pro­du­zi­do ou dis­tri­buí­do na Chi­na tem de pas­sar pe­lo es­cru­tí­nio não só do De­par­ta­men­to Cen­tral de Pro­pa­gan­da, mas tam­bém, de­pen­den­do de seu con­teú­do, pe­lo Mi­nis­té­rio da Se­gu­ran­ça do Es­ta­do, pe­la Co­mis­são Es­ta­tal de Ques­tões Ét­ni­cas, pe­lo Mi­nis­té­rio da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, pe­lo Bu­re­au Es­ta­tal de Ques­tões Re­li­gi­o­sas e pe­los Mi­nis­té­ri­os da Edu­ca­ção, da Jus­ti­ça e das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res.

His­to­ri­ca­men­te, mes­mo quan­do pre­ci­sou fa­zer al­gum com­pro­mis­so, Hollywood não en­con­trou di­fi­cul­da­des de mon­ta, uma vez que os mer­ca­dos mais ren­tá­veis eram os lo­ca­li­za­dos em paí­ses de­mo­crá­ti­cos. Ex­por­tar pa­ra a Ará­bia Sau­di­ta, por exem­plo, já é mais com­pli­ca­do, pois lá uma co­mis­são eu­fe­mis­ti­ca­men­te de­sig­na­da co­mo “con­se­lho de clas­si­fi­ca­ção ci­ne­ma­to­grá­fi­ca” tem, na re­a­li­da­de, a obri­ga­ção de apro­var o que po­de ou não ser exi­bi­do. Com a Co­reia do Nor­te os pro­du­to­res ame­ri­ca­nos não pre­ci­sam se pre­o­cu­par, pois o país não che­ga a ser um mer­ca­do pro­mis­sor.

No ca­so chi­nês, es­se an­ti­go pa­ra­dig­ma é inú­til. Pa­ra se fa­zer pre­sen­te no imen­so mer­ca­do chi­nês, Hollywood te­rá de se rein­ven­tar, ou des­co­brir a pe­dra fi­lo­so­fal. Tan­to qu­an­to os Es­ta­dos Uni­dos, a Chi­na quer mon­tar uma in­dús­tria lu­cra­ti­va, mas es­se não é seu úni­co ob­je­ti­vo. Ela quer tam­bém ex­pan­dir sua in­fluên­cia cul­tu­ral em to­do o mun­do. E seus con­cei­tos es­té­ti­cos são in­se­pa­rá­veis da ima­gem de uma so­ci­e­da­de es­tá­vel e or­dei­ra. Pe­quim, co­mo se vê, não acre­di­ta em lá­gri­mas.

Pa­ra se fa­zer pre­sen­te no imen­so mer­ca­do chi­nês, Hollywood te­rá de se rein­ven­tar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.