Po­la­ri­za­ção é mar­ca de elei­ção na Áus­tria

Ex­po­si­ção de ar­te em es­tá­dio vi­ra sím­bo­lo do an­ta­go­nis­mo po­lí­ti­co na Ca­rín­tia, re­gião que já foi re­du­to da ex­tre­ma di­rei­ta aus­tría­ca

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - Alex Marshall

A Áus­tria vo­ta ho­je pa­ra re­no­var o Par­la­men­to e es­co­lher um no­vo go­ver­no, após a que­da da co­a­li­zão en­tre os con­ser­va­do­res e a ex­tre­ma di­re­ta, em maio. Os úl­ti­mos me­ses de cam­pa­nha mos­tra­ram que o país, co­mo ou­tras par­tes do mun­do, pa­de­ce da mes­ma po­la­ri­za­ção que di­fi­cul­ta ali­an­ças e es­ti­mu­la an­ta­go­nis­mos. Um exem­plo do con­fli­to en­trin­chei­ra­do na po­lí­ti­ca aus­tría­ca é uma ex­po­si­ção de ar­te em um es­tá­dio de fu­te­bol, inau­gu­ra­da no iní­cio do mês.

O ar­tis­ta suí­ço Klaus Litt­mann diz que es­ta­va pre­pa­ra­do pa­ra as quei­xas, quan­do man­dou plan­tar 300 ár­vo­res – al­gu­mas 15 me­tros de al­tu­ra – no gra­ma­do do Es­tá­dio Wörther­see, o se­gun­do mai­or da Áus­tria, na ci­da­de de Klagenfurt, na Ca­rín­tia. A ideia era aler­tar às pes­so­as que as flo­res­tas po­dem fi­car res­tri­tas a es­pa­ços res­tri­tos, se a hu­ma­ni­da­de não agir rá­pi­do.

Se­gun­do Litt­mann, en­trar em um es­tá­dio e se de­pa­rar com uma flo­res­ta po­de ser um es­pe­tá­cu­lo ra­ro, co­mo ir a uma par­ti­da de fu­te­bol ou ob­ser­var ani­mais no zo­o­ló­gi­co. O ar­tis­ta até se pre­pa­rou pa­ra re­ce­ber crí­ti­cas de am­bi­en­ta­lis­tas ir­ri­ta­dos com o fa­to de as ár­vo­res te­rem si­do tra­zi­das de Bél­gi­ca, Itá­lia e Ale­ma­nha, o que po­de­ria pas­sar uma ima­gem eco­lo­gi­ca­men­te er­ra­da. O que ele não pre­via era a re­a­ção da ex­tre­ma di­rei­ta.

A Ca­rín­tia já foi um re­du­to do Par­ti­do da Li­ber­da­de da Áus­tria (FPÖ), de na­ci­o­na­lis­tas ra­di­cais. Mui­tos mo­ra­do­res re­cla­ma­ra de qua­se tu­do. Al­guns pro­tes­ta­ram por­que a ex­po­si­ção – ba­ti­za­da de For Fo­rest – era um des­per­dí­cio de di­nhei­ro pú­bli­co, ape­sar de o even­to ter fi­nan­ci­a­men­to pri­va­do.

Litt­mann tam­bém foi ata­ca­do por usar ár­vo­res es­tran­gei­ras, em vez das lo­cais da Ca­rín­tia, e acu­sa­do de im­pe­dir que o ti­me de fu­te­bol da ci­da­de usas­se o es­tá­dio pa­ra jo­gos im­por­tan­tes do Cam­pe­o­na­to Aus­tría­co – de fa­to, o Aus­tria Klagenfurt, que jo­ga se­gun­da di­vi­são, des­lo­cou seus jo­gos em ca­sa pa­ra o mo­des­to Es­tá­dio Ka­rawan­ken­blick, com ca­pa­ci­da­de pa­ra 2 mil tor­ce­do­res.

“Nun­ca ima­gi­nei que is­so pu­des­se acon­te­cer”, dis­se Litt­man. “As pes­so­as a es­tão usan­do

a ex­po­si­ção pa­ra a gu­er­ra po­lí­ti­ca.” Ele con­ta que já foi agre­di­do na rua e diz que as pes­so­as mais exal­ta­das man­da­ram que ele vo­tas­se pa­ra a Suí­ça, on­de vi­ve.

Um pe­que­no gru­po de ma­ni­fes­tan­tes do par­ti­do Ali­an­ça pa­ra o Fu­tu­ro da Áus­tria (BZÖ), tam­bém de ex­tre­ma di­rei­ta, apa­re­ceu do la­do de fo­ra do es­tá­dio e ace­nou com mo­tos­ser­ras –

eles ale­ga­ram que se tra­ta­va de “pro­tes­to sa­tí­ri­co” con­tra o pro­je­to ar­tís­ti­co.

No en­tan­to, os mai­o­res ata­ques à ex­po­si­ção vi­e­ram mes­mo do FPÖ, que ain­da tem uma ba­se for­te na Ca­rín­tia e cu­jo ex-lí­der Jörg Hai­der já foi go­ver­na­dor do Es­ta­do. Hai­der, que mor­reu em um aci­den­te de car­ro em 2008, era um po­lí­ti­co ex­tra­va­gan­te e

co­nhe­ce­dor da mí­dia que trou­xe vi­sões an­ti-imi­gran­tes e an­tiU­nião Eu­ro­peia pa­ra po­pu­la­ri­zá-las na Áus­tria – bem an­tes da on­da ex­tre­mis­ta atu­al.

O FPÖ an­da em bai­xa na Ca­rín­tia. Nas elei­ções re­gi­o­nais, em 2018, ob­te­ve me­nos de um quar­to dos vo­tos. Em ní­vel na­ci­o­nal, o par­ti­do tam­bém não vai bem das per­nas. O úl­ti­mo go­ver­no

de co­a­li­zão da Áus­tria foi der­ru­ba­do em ra­zão de um ví­deo que mos­tra Heinz-Ch­ris­ti­an Stra­che, atu­al lí­der do par­ti­do e vi­ce-chan­ce­ler aus­tría­co, pro­me­ten­do con­tra­tos go­ver­na­men­tais em tro­ca de apoio fi­nan­cei­ro de uma mu­lher que ele pen­sa­va ser uma rus­sa bi­li­o­ná­ria.

Ger­not Dar­mann, pre­si­den­te do FPÖ na Ca­rín­tia, ne­gou que o par­ti­do se opu­ses­se à ins­ta­la­ção por cau­sa de sua men­sa­gem am­bi­en­tal, mas tam­bém cri­ti­cou a ex­po­si­ção. “O pro­je­to dei­xa uma pe­ga­da eco­ló­gi­ca de­vas­ta­do­ra, por­que as ár­vo­res fo­ram im­por­ta­das”, dis­se. “Es­se pro­je­to te­ria mais sig­ni­fi­ca­do em gran­des ci­da­des in­dus­tri­ais com o ar po­luí­do e em paí­ses on­de a flo­res­ta es­tá sen­do ex­plo­ra­da ou des­truí­da.”

LEONHARD FOEGER/REUTERS–5/9/2019

Re­a­ções. Litt­mann e sua ex­po­si­ção no es­tá­dio de Klagenfurt: pro­tes­tos e agres­sões na rua

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.