Pre­miê bri­tâ­ni­co é in­ves­ti­ga­do por con­fli­to de in­te­res­ses

Au­to­ri­da­des acu­sam John­son de fa­vo­re­cer em­pre­sá­ria com ver­bas e con­tra­tos quan­do ele era pre­fei­to de Lon­dres

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal -

Au­to­ri­da­des de Lon­dres anun­ci­a­ram on­tem a aber­tu­ra de uma in­ves­ti­ga­ção con­tra o pri­mei­ro-mi­nis­tro bri­tâ­ni­co, Bo­ris John­son, por sus­pei­ta de con­fli­to de in­te­res­ses quan­do ele era pre­fei­to da ca­pi­tal. John­son, se­gun­do a acu­sa­ção, te­ria be­ne­fi­ci­a­do uma em­pre­sá­ria ame­ri­ca­na en­tre 2008 e 2016.

A em­pre­sá­ria e ex-mo­de­lo Jen­ni­fer Ar­cu­ri, de 34 anos, te­ria re­ce­bi­do US$ 155 mil (cer­ca de R$ 640 mil) em ver­bas pú­bli­cas e te­ria ti­do aces­so pri­vi­le­gi­a­do em vi­a­gens co­mer­ci­ais in­ter­na­ci­o­nais e pa­tro­cí­ni­os, se­gun­do o jor­nal Sun­day Ti­mes. Ao to­do, te­ri­am si­do três mis­sões ofi­ci­ais de co­mér­cio ex­te­ri­or ao la­do de John­son.

As au­to­ri­da­des do mu­ni­cí­pio de Lon­dres so­li­ci­ta­ram ao Ga­bi­ne­te In­de­pen­den­te de Con­du­ta Po­li­ci­al (IOPC, na si­gla em in­glês) que in­ves­ti­gas­se a re­la­ção da em­pre­sá­ria com John­son. “Is­so le­va­rá tem­po pa­ra ava­li­ar e con­si­de­rar mi­nu­ci­o­sa­men­te, an­tes que se­ja to­ma­da qual­quer de­ci­são so­bre se é ne­ces­sá­rio in­ves­ti­gar es­se as­sun­to”, dis­se o IOPC, em no­ta. Em co­mu­ni­ca­do, a pre­fei­tu­ra de Lon­dres, li­de­ra­da pe­lo tra­ba­lhis­ta Sa­diq Khan, dis­se ter “in­for­ma­ções de que um cri­me po­de­ria ter si­do co­me­ti­do” no ca­so.

On­tem, um por­ta-voz do go­ver­no bri­tâ­ni­co ne­gou qual­quer con­fli­to de in­te­res­ses. “O pri­mei­ro-mi­nis­tro, quan­do era pre­fei­to de Lon­dres, re­a­li­zou uma enor­me quan­ti­da­de de vi­a­gens pa­ra ven­der a nos­sa ca­pi­tal no mun­do”, jus­ti­fi­cou o as­ses­sor. “Tu­do foi fei­to cor­re­ta­men­te.”

Des­de que as­su­miu o go­ver­no, John­son vem so­fren­do uma sé­rie de der­ro­tas se­gui­das em vo­ta­ções no Par­la­men­to. No en­tan­to, em vez de se re­trair ou dar si­nais de en­fra­que­ci­men­to, op­tou por su­bir o tom das crí­ti­cas. Na se­ma­na pas­sa­da, ele foi cri­ti­ca­do até por sua ir­mã, Ra­chel John­son, que não gos­tou dos co­men­tá­ri­os que ele fez a res­pei­to da de­pu­ta­da tra­ba­lhis­ta Jo Cox, de­fen­so­ra da União Eu­ro­peia, as­sas­si­na­da por um na­ci­o­na­lis­ta fa­vo­rá­vel ao Bre­xit an­tes do re­fe­ren­do de 2016.

No Par­la­men­to, John­son dis­se que a me­lhor for­ma de hon­rar a mor­te de Cox era “con­cluir o Bre­xit”. “A fa­la de meu ir­mão foi de ex­tre­mo mau gos­to”, dis­se Ra­chel. Vá­ri­os lí­de­res de opo­si­ção e pa­ren­tes de Cox exi­gi­ram um pe­di­do de des­cul­pas do pre­miê, que se re­cu­sou.

On­tem, Mi­chel Bar­ni­er, che­fe da União Eu­ro­peia nas ne­go­ci­a­ções so­bre o Bre­xit, dis­se que o com­por­ta­men­to agres­si­vo de John­son pra­ti­ca­men­te eli­mi­na as chan­ces de um acor­do co­mer­ci­al do Rei­no Uni­do com o blo­co.

Pes­qui­sas. O pre­miê, no en­tan­to, tem ig­no­ra­do os ape­los por mo­de­ra­ção. Em par­te, o com­por­ta­men­to agres­si­vo tem re­la­ção com as pes­qui­sas. On­tem, uma son­da­gem pu­bli­ca­da pe­lo jor­nal Ob­ser­ver mos­trou que seu par­ti­do, o Con­ser­va­dor, li­de­ra com fol­ga as in­ten­ções de vo­to.

John­son ob­te­ria ho­je 36% dos vo­tos – 1 pon­to por­cen­tu­al a me­nos do que ele ti­nha na se­ma­na pas­sa­da. O mai­or par­ti­do de opo­si­ção, o Tra­ba­lhis­ta, te­ria 24% – um cres­ci­men­to de 3 pon­tos por­cen­tu­ais, mas ain­da lon­ge dos con­ser­va­do­res. Em ter­cei­ro vem o Par­ti­do Li­be­ral-De­mo­cra­ta, com 20% das in­ten­ções de vo­to. Até o mo­men­to, os li­be­ral-de­mo­cra­tas são os que mais ga­nha­ram apoio en­tre os elei­to­res que de­fen­dem a per­ma­nên­cia na UE. / AP, NYT e REUTERS

NEIL HALL/EPA/EFE

Pre­miê. John­son so­be o tom a ca­mi­nho da elei­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.