BUS­CA PE­LO EXAME REVALIDA CRES­CE 1.336%

A mai­o­ria dos es­tu­dan­tes ou­vi­dos pe­lo ‘Es­ta­do’ do ou­tro la­do da fron­tei­ra quer fa­zer a pro­va. Mas ta­xa de apro­va­ção é de ape­nas 19%

O Estado de S. Paulo - - Metrópole -

Asi­tu­a­ção das fa­cul­da­des no­va­tas e in­cer­te­zas so­bre o fu­tu­ro do pro­gra­ma Mais Mé­di­cos e da re­va­li­da­ção do di­plo­ma no Bra­sil tra­zem an­gús­tia aos bra­si­lei­ros que es­tu­dam no ex­te­ri­or e aos já for­ma­dos. Al­guns não sa­bem se con­se­gui­rão o di­plo­ma. Mes­mo os que es­tu­dam em fa­cul­da­des com si­tu­a­ção re­gu­lar não têm ga­ran­tia de que po­de­rão tra­ba­lhar no Bra­sil.

A mai­o­ria dos es­tu­dan­tes ou­vi­dos pe­lo Es­ta­do diz que pre­ten­de re­va­li­dar o di­plo­ma pa­ra tra­ba­lhar no Bra­sil, mas es­ta­tís­ti­cas do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção (MEC) mos­tram que pou­cos con­se­guem. Nas se­te edi­ções do exame Revalida re­a­li­za­das des­de 2011, so­men­te 19,9% dos bra­si­lei­ros fo­ram apro­va­dos.

O nú­me­ro de ins­cri­tos no exame só au­men­ta. Em 2011, eram 297. Em 2017, o nú­me­ro sal­tou pa­ra 4.267, um cres­ci­men­to de 1.336%. Além da di­fi­cul­da­de do exame, os es­tu­dan­tes es­tão ago­ra an­gus­ti­a­dos com a fal­ta de de­fi­ni­ção so­bre o pró­xi­mo Revalida. A úl­ti­ma edi­ção foi a de 2017, com su­ces­si­vos atra­sos em su­as du­as fa­ses, o que com­pro­me­teu as edi­ções dos anos se­guin­tes.

For­ma­do em 2016, Rafael Lin­dol­fo Car­re­tei­ro, de 26 anos, foi um dos úl­ti­mos bra­si­lei­ros for­ma­dos no Pa­ra­guai que con­se­gui­ram ter o di­plo­ma re­va­li­da­do. Pa­ra is­so, po­rém, pas­sou por uma lon­ga es­pe­ra. “A se­gun­da fase do Revalida era pa­ra ser em mar­ço de 2018 e foi acon­te­cer só em no­vem­bro. Meu di­plo­ma saiu só em maio des­te ano. Foi um de­ses­pe­ro. Che­guei a fi­car com sin­to­mas de de­pres­são, por­que fo­ram tan­tos anos de lu­ta e sa­cri­fí­cio pa­ra con­se­guir es­tu­dar fo­ra e vi­nha o me­do de não sa­ber se con­se­gui­ria tra­ba­lhar.”

Após a re­va­li­da­ção, ele emi­tiu seu re­gis­tro no Con­se­lho Re­gi­o­nal de Me­di­ci­na de Ma­to Gros­so do Sul e lo­go co­me­çou a tra­ba­lhar em um hos­pi­tal de Pon­ta Po­rã co­mo plan­to­nis­ta no pron­to­so­cor­ro. Ago­ra, es­tu­da pa­ra a re­si­dên­cia em ci­rur­gia ge­ral.

Sid­nei Henrique Sil­va, de 28 anos, gra­du­a­do em 2016, não con­se­guiu pas­sar no Revalida 2017 e, sem ter ou­tra chan­ce, tra­ba­lha co­mo as­sis­ten­te ad­mi­nis­tra­ti­vo da Se­cre­ta­ria da Saú­de de Rio Par­do (MS). “Pa­re­ce que eles (o go­ver­no) es­tão mais pre­o­cu­pa­dos com os cu­ba­nos do que com a gen­te. Não que­re­mos pri­vi­lé­gio, ape­nas o di­rei­to de fa­zer a pro­va”, diz Sil­va. “Não me ar­re­pen­do de ter es­tu­da­do fo­ra por­que era a úni­ca for­ma de re­a­li­zar meu so­nho. Mas se al­guém me per­gun­tar ho­je se de­ve ir, eu acon­se­lho a não ir”, diz.

For­ma­do em 2017, Emil Slei­man Tib­che­ra­ni, de 30 anos, op­tou por tra­ba­lhar no Pa­ra­guai en­quan­to não con­se­gue re­va­li­dar o di­plo­ma no Bra­sil. Ele é pro­fes­sor de his­to­lo­gia e pri­mei­ros au­xí­li­os da Uni­nor­te, mes­ma uni­ver­si­da­de em que se for­mou, e atua co­mo mé­di­co na ci­da­de pa­ra­guaia de Rio Ver­de. “Pa­ra mim fi­ca mais fá­cil tra­ba­lhar no Pa­ra­guai por­que sou de Pon­ta Po­rã, en­tão vi­vo per­to da fron­tei­ra. Mas há co­le­gas das Re­giões Nor­te e Nor­des­te que se for­ma­ram aqui, vol­ta­ram pa­ra su­as ci­da­des e es­tão sem tra­ba­lhar.”

O ce­ná­rio de in­cer­te­za fez um gru­po de es­tu­dan­tes de Pe­dro Ju­an mon­tar, em fe­ve­rei­ro, uma as­so­ci­a­ção pa­ra re­pre­sen­tar bra­si­lei­ros que es­tão na re­gião em bus­ca do di­plo­ma. A en­ti­da­de (Ame­ex) tem 2.100 mem­bros.

MEC. Ques­ti­o­na­do so­bre o Revalida, o MEC afir­mou que as pro­vas e a di­vul­ga­ção dos re­sul­ta­dos do exame de 2017 so­fre­ram atra­so por cau­sa dos re­cur­sos mo­vi­dos por can­di­da­tos e que bus­ca de for­ma pri­o­ri­tá­ria “sa­nar o lap­so tem­po­ral” do Revalida com me­di­das de ajus­tes. So­bre a re­a­li­za­ção do pró­xi­mo exame, o mi­nis­té­rio in­for­mou que se­rá “o mais bre­ve pos­sí­vel”. A pas­ta pror­ro­gou a por­ta­ria que cri­ou um gru­po de tra­ba­lho pa­ra dis­cu­tir mu­dan­ças no Revalida – as pro­pos­tas de­vem ser con­cluí­das até o fim de ou­tu­bro.

Pa­ra o côn­sul do Bra­sil em Pe­dro Ju­an Ca­bal­le­ro, Vi­tor Hu­go de Sou­za Iri­ga­ray, a mi­gra­ção em mas­sa de es­tu­dan­tes bra­si­lei­ros à fron­tei­ra pre­ci­sa de mai­or aten­ção do go­ver­no fe­de­ral. Ele de­fen­de que se­ja for­ma­da uma mis­são com re­pre­sen­tan­tes dos Mi­nis­té­ri­os da Edu­ca­ção e da Saú­de pa­ra ve­ri­fi­car a si­tu­a­ção de alu­nos e fa­cul­da­des. “Pre­ci­sa­mos de mé­di­cos bem for­ma­dos. Quem es­tá em jo­go não é o mé­di­co, é o pa­ci­en­te.” / F.C.

ne la­bo­ra­tó­ri­os, mas no ne­cro­té­rio, por exem­plo, não há ca­dá­ver dis­po­ní­vel pa­ra as au­las de ana­to­mia.

Ou­tro pro­ble­ma de qua­se to­das as fa­cul­da­de vi­si­ta­das é a bi­bli­o­te­ca, ge­ral­men­te res­tri­ta a qua­tro ou cin­co pra­te­lei­ras, com pou­cos exem­pla­res. No do­cu­men­to ela­bo­ra­do pe­los con­su­la­dos ao MEC, há re­la­tos ain­da de fa­lhas na or­ga­ni­za­ção da gra­de cur­ri­cu­lar, com au­las va­gas e ma­té­ri­as in­com­ple­tas. “Co­mo os mes­mos pro­fes­so­res dão au­la em vá­ri­as fa­cul­da­des, às ve­zes acon­te­ce de eles não con­se­gui­rem ter­mi­nar a dis­ci­pli­na”, diz o es­tu­dan­te Vi­tor Li­ma, de 23 anos, na­tu­ral de Goi­â­nia e es­tu­dan­te do 2.º ano em Pe­dro Ju­an.

Mes­mo al­gu­mas fa­cul­da­des que ho­je con­tam com a ha­bi­li­ta­ção pa­ra fun­ci­o­nar abri­ram as por­tas em si­tu­a­ção ir­re­gu­lar. A si­tu­a­ção é co­mum na re­gião da fron­tei­ra. “A mi­nha fa­cul­da­de mes­mo não es­ta­va re­gu­lar quan­do en­trei, e eu não sa­bia. Mas, ao lon­go dos anos, ela foi atrás dos do­cu­men­tos e ho­je es­tá tu­do cer­ti­nho”, afir­ma Va­nes­sa Si­bely Ve­ro­ni­ca San­tos da Sil­va, de 20 anos, que es­tá no 4.º ano da Uni­ver­si­da­de Su­da­me­ri­ca­na. A jo­vem é de Ro­lim de Mou­ra (RO) e de­ci­diu mi­grar pa­ra o Pa­ra­guai por cau­sa dos al­tos pre­ços das fa­cul­da­des no Bra­sil. “As que eu pes­qui­sei na mi­nha re­gião es­ta­vam en­tre R$ 7 mil e R$ 10 mil. Quan­do vim pa­ra cá, a men­sa­li­da­de era R$ 600.”

Re­pu­ta­ção. Mas nem to­das acu­mu­lam pro­ble­mas. Das no­ve, du­as têm me­lhor re­pu­ta­ção e con­se­gui­ram o se­lo da Agên­cia Na­ci­o­nal de Ava­li­a­ção e Acre­di­ta­ção da Edu­ca­ção Su­pe­ri­or (Ane­a­es), cer­ti­fi­ca­ção de qua­li­da­de. Nes­sas ins­ti­tui­ções, as men­sa­li­da­des va­ri­am en­tre R$ 1,4 mil e R$ 1,8 mil. Uma de­las, a Uni­ver­si­da­de del Nor­te (Uni­nor­te), tem ten­ta­do mo­der­ni­zar a es­tru­tu­ra. “No mor­gue, te­mos dez ca­dá­ve­res pa­ra es­tu­do. Te­mos tam­bém sa­la de si­mu­la­ção com um sis­te­ma de som que re­pro­duz sons car­día­cos e pul­mo­na­res pa­ra a prá­ti­ca dos alu­nos”, dis­se Ru­bén Gor­go­nio Medina Fran­co, co­or­de­na­dor da car­rei­ra de Me­di­ci­na.

A Uni­ver­si­da­de Pa­cí­fi­co (UP), ou­tra com cer­ti­fi­ca­ção da Ane­a­es, es­tá fi­na­li­zan­do a cons­tru­ção de um mo­der­no pré­dio na en­tra­da da ci­da­de, com hos­pi­tal uni­ver­si­tá­rio pa­ra as prá­ti­cas. “A pri­mei­ra par­te se­rá aber­ta em 2020”, re­la­ta Na­ta­lia Ve­ga, di­re­to­ra de mar­ke­ting da UP. Ou­tra que pre­ten­de cons­truir no fu­tu­ro um hos­pi­tal pró­prio é a Uni­ver­si­da­de Cen­tral do Pa­ra­guai (UCP). A ins­ti­tui­ção é uma das mais no­vas da re­gião – abriu em 2017 –, mas já li­de­ra em nú­me­ro de alu­nos: 4,5 mil, mais de 90% bra­si­lei­ros. Pa­ra atrair to­dos os per­fis, a ins­ti­tui­ção ins­ta­lou até uma cre­che pa­ra fi­lhos de es­tu­dan­tes.

Pe­dro Ju­an. Pro­pa­gan­da já mira aber­ta­men­te bra­si­lei­ros; men­sa­li­da­de che­ga a ser de R$ 700

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.