Ca­so Ágatha: Kom­bi foi la­va­da an­tes de pe­rí­cia

Se­gun­do ad­vo­ga­do Ro­dri­go Mon­de­go, veí­cu­lo só foi apre­en­di­do pa­ra aná­li­se no fim do dia 21, de­pois de con­ti­nu­ar ro­dan­do

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Fer­nan­da Nu­nes

A Kom­bi em que a me­ni­na Ágatha Fe­lix, de 8 anos, foi ba­le­a­da, no Com­ple­xo do Ale­mão, na zo­na nor­te do Rio de Ja­nei­ro, foi la­va­da e che­gou a ro­dar com pas­sa­gei­ros an­tes da re­a­li­za­ção de pe­rí­cia. O mo­to­ris­ta não te­ria si­do ori­en­ta­do a pre­ser­var a ce­na e o veí­cu­lo só foi apre­en­di­do após a mor­te da cri­an­ça.

Se­gun­do o ad­vo­ga­do que acom­pa­nha a fa­mí­lia de Ágatha, Ro­dri­go Mon­de­go, a es­tu­dan­te mor­reu na ma­dru­ga­da do dia 21 e o car­ro só foi apre­en­di­do no fim do dia pe­la De­le­ga­cia de Ho­mi­cí­dio (DH), res­pon­sá­vel pe­la in­ves­ti­ga­ção. A de­le­ga­cia es­pe­ci­a­li­za­da, po­rém, só en­trou no ca­so após a mor­te da me­ni­na – ela ha­via si­do al­ve­ja­da na vés­pe­ra. A in­for­ma­ção foi di­vul­ga­da pe­lo jor­nal O Glo­bo.

“A Po­lí­cia Mi­li­tar e a Po­lí­cia Ci­vil não ori­en­ta­ram o mo­to­ris­ta so­bre a con­ser­va­ção da Kom­bi”, dis­se Mon­de­go. “Sem sa­ber o que fa­zer, ele la­vou o car­ro e vol­tou a ro­dar, por­que, afi­nal, es­se é o meio de sus­ten­to de­le.”

O ad­vo­ga­do dis­se não sa­ber até que pon­to is­so po­de pre­ju­di­car o re­sul­ta­do da in­ves­ti­ga­ção, uma vez que par­te do veí­cu­lo, co­mo a ma­la, foi pre­ser­va­da. Além dis­so, o mo­to­ris­ta não te­ria che­ga­do a fa­zer mui­tas vi­a­gens e, por is­so, é pos­sí­vel que o am­bi­en­te não te­nha si­do to­tal­men­te al­te­ra­do.

Ain­da es­tá sen­do in­ves­ti­ga­do se a ba­la que atin­giu Ágatha par­tiu da Po­lí­cia Mi­li­tar. A cor­po­ra­ção es­ta­va em ope­ra­ção na área no mo­men­to em que a me­ni­na foi al­ve­ja­da.

O Ins­ti­tu­to de Cri­mi­na­lís­ti­ca Car­los Ébo­li (ICCE) não con­se­guiu de­fi­nir a ori­gem do pro­jé­til, por­que ape­nas uma par­te de­for­ma­da da ba­la foi en­con­tra­da no cor­po da es­tu­dan­te. O lau­do in­di­cou, no en­tan­to, que o frag­men­to “é ade­qua­do a ar­ma de fo­go ti­po fu­zil”.

Pro­cu­ra­da, a Po­lí­cia Ci­vil não res­pon­deu por que o mo­to­ris­ta

não foi in­for­ma­do de que de­ve­ria man­ter o veí­cu­lo in­tac­to até que fos­se re­a­li­za­da a pe­rí­cia. O ad­vo­ga­do da fa­mí­lia dis­se que não é pos­sí­vel afir­mar se hou­ve des­ca­so.

In­ves­ti­ga­ção. Ágatha so­freu uma per­fu­ra­ção nas cos­tas. De acor­do lau­do do Ins­ti­tu­to Mé­di­co Le­gal (IML), ela te­ve co­mo cau­sa da mor­te “la­ce­ra­ções no fí­ga­do, rim di­rei­to e va­sos do abdô­men”.

Até a úl­ti­ma quar­ta-fei­ra, a Po­lí­cia Ci­vil já ha­via ou­vi­do 20 tes­te­mu­nhas, en­tre elas os pais, dois ti­os da me­ni­na e 11 po­li­ci­ais mi­li­ta­res.

Ao to­do, se­te ar­mas tam­bém fo­ram apre­en­di­das com os po­li­ci­ais pa­ra pe­rí­cia. Em de­poi­men­to, eles ale­gam que so­men­te três de­las efe­tu­a­ram dis­pa­ros. Nes­ta se­ma­na, a Po­lí­cia Ci­vil tam­bém pla­ne­ja fa­zer a re­cons­ti­tui­ção da mor­te.

JO­SE LUCENA/FU­TU­RA PRESS - 23/09/2019

Pro­va. Mo­to­ris­ta não foi ori­en­ta­do a pre­ser­var veí­cu­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.