Meio am­bi­en­te ver­sus in­ser­ção in­ter­na­ci­o­nal

O Estado de S. Paulo - - Economia - •✽ PE­DRO DA MOT­TA VEI­GA E SAN­DRA PO­LÓ­NIA RI­OS

Aques­tão cli­má­ti­ca vol­tou a ga­nhar tra­ção na agen­da in­ter­na­ci­o­nal. A Cú­pu­la do Cli­ma da ONU, na sequên­cia da gre­ve glo­bal pe­lo cli­ma, mo­bi­li­zou go­ver­nos, gran­des em­pre­sas, in­ves­ti­do­res e ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras. Às vés­pe­ras da re­a­li­za­ção des­ses even­tos, as quei­ma­das na Amazô­nia ga­nha­ram re­per­cus­são in­ter­na­ci­o­nal. Na sequên­cia, o go­ver­no bra­si­lei­ro en­vol­veu-se em po­lê­mi­cas com ou­tros paí­ses que pro­du­zi­ram, na Eu­ro­pa, ame­a­ças de boi­co­te a pro­du­tos agro­pe­cuá­ri­os ex­por­ta­dos pe­lo País e de ve­to ao acor­do fir­ma­do há me­nos de três me­ses en­tre o Mer­co­sul e a União Eu­ro­peia (UE).

Co­mo se sa­be, o acor­do in­clui um ca­pí­tu­lo so­bre co­mér­cio e de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel, com re­gras a se­rem cum­pri­das pe­los sig­na­tá­ri­os nas áre­as de meio am­bi­en­te, mu­dan­ça cli­má­ti­ca e di­rei­tos tra­ba­lhis­tas. Pa­ra o Bra­sil, tra­ta-se da pri­mei­ra vez que o te­ma das re­la­ções en­tre o co­mér­cio, de um la­do, e o meio am­bi­en­te e tra­ba­lho, do ou­tro, é in­cluí­do em acor­dos co­mer­ci­ais de que par­ti­ci­pa. O País tem um lon­go his­tó­ri­co de re­sis­tên­cia a tra­tar te­mas am­bi­en­tais e so­ci­ais em ne­go­ci­a­ções co­mer­ci­ais. Por ou­tro la­do, es­ses te­mas fa­zem par­te dos acor­dos co­mer­ci­ais pre­fe­ren­ci­ais as­si­na­dos pe­la União Eu­ro­peia nos úl­ti­mos anos.

As prin­ci­pais re­gras do ca­pí­tu­lo so­bre co­mér­cio e de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel no acor­do bir­re­gi­o­nal di­zem res­pei­to aos ní­veis de pro­te­ção am­bi­en­tal e do tra­ba­lho. Re­co­nhe­ce-se o di­rei­to dos paí­ses a ado­tar e mo­di­fi­car seus pró­pri­os ní­veis de pro­te­ção re­fle­ti­dos em su­as le­gis­la­ção e po­lí­ti­cas do­més­ti­cas. No en­tan­to, os ní­veis de pro­te­ção am­bi­en­tal e tra­ba­lhis­ta tam­bém “de­vem ser con­sis­ten­tes com os com­pro­mis­sos as­su­mi­dos por ca­da par­te em acor­dos am­bi­en­tais mul­ti­la­te­rais e nas con­ven­ções di­tas ‘fun­da­men­tais’ da Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal do Tra­ba­lho (OIT)”.

Ou se­ja, as le­gis­la­ções e po­lí­ti­cas na­ci­o­nais, bem co­mo os com­pro­mis­sos am­bi­en­tais e tra­ba­lhis­tas in­ter­na­ci­o­nais já as­su­mi­dos por ca­da par­te na es­fe­ra mul­ti­la­te­ral, de­fi­nem o ní­vel de pro­te­ção am­bi­en­tal e do tra­ba­lho vi­sa­do pe­lo acor­do. Em re­la­ção a es­tes com­pro­mis­sos, o acor­do não in­tro­duz ne­nhu­ma no­va obri­ga­ção de na­tu­re­za le­gal ou re­gu­la­tó­ria pa­ra os paí­ses sig­na­tá­ri­os.

Ape­sar dis­so, o acor­do es­ta­be­le­ce dis­ci­pli­nas que bus­cam re­for­çar a efe­ti­va im­ple­men­ta­ção dos com­pro­mis­sos as­su­mi­dos e im­pe­dir a even­tu­al re­du­ção dos ní­veis de pro­te­ção am­bi­en­tal e tra­ba­lhis­ta vi­gen­tes co­mo for­ma de in­cen­ti­var o co­mér­cio e o in­ves­ti­men­to. Por ou­tro la­do, res­sal­ta-se que as par­tes não de­vem apli­car su­as leis am­bi­en­tais e tra­ba­lhis­tas co­mo res­tri­ção dis­far­ça­da ao co­mér­cio.

O ca­pí­tu­lo in­clui, ain­da, ar­ti­gos de­di­ca­dos à mu­dan­ça cli­má­ti­ca, bi­o­di­ver­si­da­de, ma­ne­jo sus­ten­tá­vel das flo­res­tas, da pes­ca e de ca­dei­as de su­pri­men­to. Em re­la­ção à mu­dan­ça cli­má­ti­ca, as par­tes com­pro­me­tem-se com a im­ple­men­ta­ção efe­ti­va da Con­ven­ção-Qua­dro das Na­ções Uni­das so­bre Mu­dan­ça do Cli­ma (UNFCCC) e do Acor­do de Pa­ris.

Pa­ra o Bra­sil, o acor­do não ge­ra ne­nhu­ma no­va obri­ga­ção le­gal. Em

Crí­ti­cas ao acor­do Mer­co­sul UE po­dem re­per­cu­tir na dis­cus­são so­bre a en­tra­da do Bra­sil na OCDE

com­pen­sa­ção, en­fa­ti­za o com­pro­mis­so de as­se­gu­rar o efe­ti­vo cum­pri­men­to de sua le­gis­la­ção e po­lí­ti­cas am­bi­en­tais, bem co­mo o res­pei­to aos acor­dos mul­ti­la­te­rais as­si­na­dos nas es­fe­ras am­bi­en­tal e tra­ba­lhis­ta.

Es­te acor­do tem si­do apre­sen­ta­do pe­lo atu­al go­ver­no co­mo uma das prin­ci­pais con­quis­tas na área de po­lí­ti­ca co­mer­ci­al. No mo­men­to em que o País bus­ca am­pli­ar os ins­tru­men­tos de in­te­gra­ção econô­mi­ca in­ter­na­ci­o­nal, não dei­xa de sur­pre­en­der o em­pe­nho das au­to­ri­da­des bra­si­lei­ras em ques­ti­o­nar o acervo re­gu­la­tó­rio con­so­li­da­do pe­lo Bra­sil na área am­bi­en­tal nas úl­ti­mas dé­ca­das. Nes­sa to­a­da, as crí­ti­cas ao acor­do, que se mul­ti­pli­cam na Eu­ro­pa, po­dem re­per­cu­tir na dis­cus­são so­bre a en­tra­da do Bra­sil na Or­ga­ni­za­ção pa­ra Co­o­pe­ra­ção e De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co (OCDE), com­pro­me­ten­do os prin­ci­pais ele­men­tos da es­tra­té­gia de rein­ser­ção in­ter­na­ci­o­nal do País.

DI­RE­TO­RES DO CEN­TRO DE ES­TU­DOS DE IN­TE­GRA­ÇÃO E DE­SEN­VOL­VI­MEN­TO (CINDES)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.