Mó­veis de de­co­ra­dos vão a lei­lão com até 90% off

Ven­da não in­clui no­ta fis­cal nem ga­ran­tia; in­cor­po­ra­do­ras ain­da apos­tam na ven­da do apar­ta­men­to de­co­ra­do

O Estado de S. Paulo - - Classifica­dos - Jul­li­a­na Mar­tins

O pri­mei­ro pas­so pa­ra cons­truir um lar é en­con­trar o apar­ta­men­to ide­al. De­pois, mo­bi­li­ar os cô­mo­dos. Nes­sa fase, pa­ra quem já gas­tou de­mais com o imó­vel e quer eco­no­mi­zar, pla­ta­for­mas de lei­lões on­li­ne ofe­re­cem mó­veis e itens de de­co­ra­ção mais ba­ra­tos di­re­ta­men­te dos sho­wro­oms das cons­tru­to­ras, ca­so de MRV, Ga­fi­sa, Se­tin, Cy­re­la, Te­gra e Zar­vos. Ou­tras, co­mo Tri­sul e Dan­pris, apos­tam na ven­da do apar­ta­men­to já de­co­ra­do.

Os lei­lões vir­tu­ais atra­em con­su­mi­do­res com mó­veis, itens de mar­ce­na­ria, ele­tro­e­le­trô­ni­cos e ele­tro­do­més­ti­cos por até 90% do va­lor ori­gi­nal. São pro­du­tos que fi­cam em ex­po­si­ção nos apar­ta­men­tos de­co­ra­dos de in­cor­po­ra­do­ras no pe­río­do de co­mer­ci­a­li­za­ção de imó­veis.

Em al­guns ca­sos, o lan­ce ini­ci­al é de R$ 15. Quem dá o mai­or lan­ce le­va o item, mas pre­ci­sa ar­car com os cus­tos de re­ti­ra­da no de­pó­si­to do lei­lão. Jus­ta­men­te por não se­rem li­ga­dos à to­ma­da du­ran­te a es­ta­da no sho­wro­om, os ele­tro­do­més­ti­cos cos­tu­mam ser os itens em me­lhor es­ta­do e os mais pro­cu­ra­dos, se­gun­do as pla­ta­for­mas de lei­lão Sold e Lan­ce To­tal. Em se­gui­da, es­tão ma­te­ri­ais co­mo va­so sa­ni­tá­rio, tor­nei­ra, cor­ri­mão e vi­dro pa­ra ja­ne­las.

“Até 50% de des­con­to é in­te­res­san­te. Mas de­pen­de do pro­du­to. Se a pe­ça for mar­ce­na­ria, é pre­ci­so bo­tar na pon­ta do lá­pis o cus­to de mão de obra pa­ra mon­tar e des­mon­tar, além do fre­te”, diz An­ge­li­ca Mi­e­ko, da Lan­ce To­tal (lan­ce­to­tal. com.br, on­de atu­al­men­te es­tão aber­tos dois lei­lões da Te­gra).

Pa­ra fa­zer es­se ti­po de com­pra, o lei­lo­ei­ro da Sold Hen­ri Zyl­bers­tajn aler­ta que é pre­ci­so ter aten­ção pa­ra o ba­ra­to não sair mais ca­ro do que o pre­vis­to. Den­tre as re­co­men­da­ções es­tão ler o edi­tal do lei­lão pa­ra en­ten­der as con­di­ções da ven­da, con­fe­rir o es­ta­do dos itens no es­tan­de do lei­lão, além de fa­zer uma pes­qui­sa pré­via de pre­ços, já que os itens ven­di­dos não pos­su­em no­ta fis­cal nem ga­ran­tia. “É im­por­tan­te que o con­su­mi­dor te­nha cer­te­za da com­pra. Em ca­so de de­sis­tên­cia após o ar­re­ma­te, é co­bra­da uma mul­ta, que po­de che­gar a 20% do va­lor do pro­du­to”, diz Hen­ri.

Na Sold (www.sold.com.br, on­de há lei­lões aber­tos da Cy­re­la e da Zar­vos), as ven­das des­se ti­po co­me­ça­ram com o bo­om imo­bi­liá­rio em 2008. De 2010 a 2013, a em­pre­sa che­gou a fa­zer 1.200 lei­lões. Mas, após que­da em 2015, o vo­lu­me atu­al en­saia uma re­to­ma­da, com a pre­vi­são de fe­char 2019 com 200 lei­lões.

Es­sa for­ma de ven­da fa­ci­li­ta não só a vi­da dos con­su­mi­do­res, mas prin­ci­pal­men­te a de cons­tru­to­ras co­mo a MRV, que, só com o apar­ta­men­to de­co­ra­do – sem con­si­de­rar a es­tru­tu­ra fí­si­ca – in­ves­te em mé­dia R$ 45 mil. Com o lei­lão, pe­lo me­nos 40% do va­lor é re­cu­pe­ra­do.

“A gen­te ven­de por um va­lor mais bai­xo, com cer­te­za, mas pe­lo me­nos não per­de­mos os itens. An­tes, quan­do a es­tra­té­gia era ar­ma­ze­nar até o pró­xi­mo lan­ça­men­to, aca­bá­va­mos ten­do que gas­tar mui­to pa­ra re­cu­pe­rar os ob­je­tos da­ni­fi­ca­dos no trans­por­te ou com o tem­po”, con­ta Ca­ro­li­na Pes­soa, ges­to­ra de lan­ça­men­tos da MRV.

Apar­ta­men­to com­ple­to. Um ou­tro ca­mi­nho que fa­ci­li­ta a vi­da do mo­ra­dor que quer de­co­rar e tam­bém aju­da a in­cor­po­ra­do­ra a dar um des­ti­no aos mó­veis do sho­wro­om é a ven­da do apar­ta­men­to de­co­ra­do.

A de­man­da por es­se ti­po de com­pra vem cres­cen­do, de acor­do com as cons­tru­to­ras, prin­ci­pal­men­te en­tre o pú­bli­co de clas­se mé­dia al­ta, que pre­fe­re de­sem­bol­sar um pou­co mais pe­la con­ve­ni­ên­cia de en­trar em um imó­vel pron­to pa­ra mo­rar.

A Tri­sul e a Dan­pris apos­tam nes­sa ven­da ca­sa­da. A es­tra­té­gia é mi­grar os itens do de­co­ra­do do es­tan­de pa­ra um apar­ta­men­to já no ter­re­no do pré­dio, nor­mal­men­te de seis me­ses a um ano do iní­cio da obra – quan­do o tér­reo já es­tá cons­truí­do. Des­se jei­to, a ven­da com­ple­ta faz com que to­da a de­co­ra­ção e a mo­bí­lia sai­am com um des­con­to de 60% em re­la­ção aos pre­ços ori­gi­nais.

Na Tri­sul, de­pois des­sa ven­da, a em­pre­sa fi­ca sem pre­juí­zo so­bre o va­lor in­ves­ti­do no sho­wro­om. No ca­so dos fu­tu­ros mo­ra­do­res, o pre­ço do apar­ta­men­to so­be de 1% a 2% em re­la­ção ao va­lor do imó­vel va­zio. En­tre os re­cen­tes lan­ça­men­tos da Tri­sul em que o de­co­ra­do foi co­lo­ca­do à ven­da, es­tá o em­pre­en­di­men­to Synthe­sis Pi­nhei­ros, em Pi­nhei­ros, zo­na oes­te de São Pau­lo.

“A Tri­sul pra­ti­ca­men­te pa­rou de fa­zer lei­lões. Con­se­gui­mos mon­tar o apar­ta­men­to já na tor­re em cons­tru­ção. In­ves­ti­mos em tor­no de 2,5% do va­lor to­tal do em­pre­en­di­men­to no de­co­ra­do, en­tão qu­an­to mai­or for o va­lor re­cu­pe­ra­do, me­lhor”, afir­ma o su­pe­rin­ten­den­te de Mar­ke­ting da em­pre­sa, Lucas Arau­jo.

VAG­NER DA COS­TA

À ven­da. Itens de imó­vel de­co­ra­do da MRV em São Pau­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.