DOIS PAS­SOS NO FU­TU­RO

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - An­dré Cá­ce­res

“Ape­sar de to­das as apa­ren­tes im­pos­si­bi­li­da­des, é bas­tan­te pro­vá­vel que se pos­sa in­ven­tar um meio de vi­a­jar pa­ra a Lua; e co­mo fi­ca­rão fe­li­zes os pri­mei­ros a te­rem su­ces­so nes­sa ten­ta­ti­va.” Es­sa fra­se não se­ria tão sur­pre­en­den­te se não ti­ves­se si­do es­cri­ta em 1638, mais de três sé­cu­los an­tes de se mos­trar ver­da­dei­ra. Seu au­tor, o clé­ri­go in­glês John Wil­kins (1614-1672), é pro­va que des­de mui­to ce­do na his­tó­ria a ex­plo­ra­ção es­pa­ci­al é um so­nho hu­ma­no. Em ver­da­de, uma das mais an­ti­gas fic­ções de que se tem no­tí­cia, Uma His­tó­ria Ver­da­dei­ra, de Lu­ci­a­no de Sa­mó­sa­ta, versa so­bre uma vi­a­gem à Lua já no sé­cu­lo 2. Ago­ra, 50 anos de­pois do pri­mei­ro pou­so na Lua, dois li­vros che­gam ao Bra­sil pa­ra dis­cu­tir os pró­xi­mos pas­sos da hu­ma­ni­da­de em di­re­ção ao in­fi­ni­to.

O Fu­tu­ro da Hu­ma­ni­da­de (edi­to­ra Crí­ti­ca), de Mi­chio Ka­ku, e Crô­ni­cas Es­pa­ci­ais (edi­to­ra Pla­ne­ta), de Neil de Gras­se Ty­son, guar­dam se­me­lhan­ças in­te­res­san­tes. Am­bos os au­to­res são fí­si­cos, di­vul­ga­do­res ci­en­tí­fi­cos e ilus­tres dis­cí­pu­los de Carl Sa­gan – Ty­son, in­clu­si­ve, apre­sen­tou em 2014 o re­ma­ke da sé­rie do­cu­men­tal Cos­mos, cri­a­da em 1980 por Sa­gan. No en­tan­to, os li­vros têm en­fo­ques dis­tin­tos pa­ra abor­dar o te­ma do uni­ver­so. En­quan­to Crô­ni­cas Es­pa­ci­ais é uma com­pi­la­ção de tex­tos an­ti­gos de Ty­son, mui­tos de­les já de­sa­tu­a­li­za­dos, a obra de Ka­ku é um ins­ti­gan­te e or­ga­ni­za­do pa­no­ra­ma do que de­ve acon­te­cer com a hu­ma­ni­da­de nos pró­xi­mos anos, dé­ca­das, sé­cu­los e até mes­mo em um fu­tu­ro in­cal­cu­la­vel­men­te dis­tan­te, no fim do uni­ver­so.

O Fu­tu­ro da Hu­ma­ni­da­de é um ver­da­dei­ro guia de co­mo po­de­rá ser a ex­pan­são hu­ma­na pe­lo uni­ver­so. “Po­de­rá ser”, por­que a mai­or par­te dos con­cei­tos e tec­no­lo­gi­as dis­cu­ti­dos por Ka­ku ain­da são par­te da fí­si­ca teó­ri­ca, não ten­do si­do tes­ta­dos. Por seu ca­rá­ter es­pe­cu­la­ti­vo, ain­da que com enor­me em­ba­sa­men­to teó­ri­co, o li­vro é per­me­a­do pe­las pa­la­vras “pos­sí­vel”, “pro­vá­vel” e “im­pro­vá­vel” – o ter­mo “im­pos­sí­vel” pra­ti­ca­men­te não apa­re­ce. Ka­ku de­mons­tra, com es­sa es­co­lha le­xi­cal, que co­nhe­ce mui­to bem as três leis pos­tu­la­das pe­lo es­cri­tor de fic­ção ci­en­tí­fi­ca Arthur C. Clar­ke: “Quan­do um ci­en­tis­ta dis­tin­to e ex­pe­ri­en­te diz que al­go é pos­sí­vel, é qua­se cer­te­za que tem ra­zão. Quan­do ele diz que al­go é im­pos­sí­vel, ele es­tá mui­to pro­va­vel­men­te er­ra­do”, “O úni­co ca­mi­nho pa­ra des­ven­dar os li­mi­tes do pos­sí­vel é aven­tu­rar-se um pou­co além de­le, aden­tran­do o im­pos­sí­vel” e “Qual­quer tec­no­lo­gia su­fi­ci­en­te­men­te avan­ça­da é in­dis­tin­guí­vel da ma­gia”.

Ka­ku co­me­ça nar­ran­do uma bre­ve his­tó­ria da en­ge­nha­ria de fo­gue­tes des­de o sé­cu­lo 19, com o rus­so Kons­tan­tin Tsi­ol­kovs­ki (1857-1935), que lan­çou as ba­ses teó­ri­cas e ma­te­má­ti­cas das vi­a­gens es­pa­ci­ais, pas­san­do pe­lo ame­ri­ca­no Ro­bert God­dard (1882-1945), pi­o­nei­ro que en­fren­tou o ce­ti­cis­mo da im­pren­sa – em 1929, após uma ten­ta­ti­va frus­tra­da de lan­ça­men­to de um pro­tó­ti­po, ele vi­rou cha­co­ta no jor­nal lo­cal: “Fo­gue­te pa­ra a Lua er­ra o al­vo por 385 mil quilô­me­tros” –, até o ale­mão Wer­nher von Braun (1912-1977), que aju­dou Hi­tler a bom­bar­de­ar as ci­da­des dos Ali­a­dos com seus fo­gue­tes V2, foi co­op­ta­do pe­los EUA de­pois da 2ª Gu­er­ra Mun­di­al e vi­rou fi­gu­rai fun­da­men­tal pa­ra a con­quis­ta lu­nar em 1969. Nas dé­ca­das se­guin­tes ao fei­to de Neil Arms­trong, Buzz Al­drin e com­pa­nhia, o in­te­res­se pe­la ex­plo­ra­ção es­pa­ci­al de­cres­ceu, aci­den­tes co­mo o da Co­lum­bia em 1986 aju­da­ram a mi­nar o apoio da opi­nião pú­bli­ca aos em­pre­en­di­men­tos, e as ver­bas min­gua­ram. Mas com a en­tra­da de em­pre­sas pri­va­das, a pos­si­bi­li­da­de de mi­ne­ra­ção de as­te­roi­des e o renovado in­te­res­se das pes­so­as pe­lo es­pa­ço nos úl­ti­mos anos –co­mo se po­de ve­ri­fi­car pe­lo ci­ne­ma hollywo­o­di­a­no – a hu­ma­ni­da­de vol­ta a olhar pa­ra ci­ma, se­gun­do Ka­ku.

Ty­son ofe­re­ce ar­gu­men­tos pa­ra apoi­ar a ex­plo­ra­ção do uni­ver­so. A cur­to pra­zo, a ci­ên­cia sem­pre es­bar­ra por aca­so em no­vas des­co­ber­tas e tec­no­lo­gi­as be­né­fi­cas pa­ra a so­ci­e­da­de en­quan­to mira em ou­tras coi­sas; a lon­guís­si­mo pra­zo, se so­bre­vi­ver­mos às ame­a­ças cli­má­ti­ca e nu­cle­ar em que nos me­te­mos, pre­ci­sa­re­mos, co­mo es­pé­cie en­con­trar um no­vo lar, uma vez que nos­so Sol tem “ape­nas” mais al­guns bi­lhões de anos de vi­da an­tes de es­go­tar o com­bus­tí­vel de seu nú­cleo e se ex­pan­dir, en­go­lin­do a Ter­ra em su­as cha­mas. Sem fa­lar que o cus­to des­sas em­prei­ta­das, por mai­o­res que se­jam, são ín­fi­mos em ter­mos de por­cen­ta­gem do or­ça­men­to de um país, e po­dem se tor­nar in­ves­ti­men­tos lu­cra­ti­vos com a ex­plo­ra­ção mi­ne­ral dos as­te­roi­des, cons­ti­tuí­dos de fer­ro, ní­quel, car­bo­no e co­bal­to, além de ele­men­tos va­li­o­sos co­mo me­tais de ter­ras ra­ras, pla­ti­na, pa­lá­dio, ró­dio, ru­tê­nio, irí­dio e ós­mio.

Os pró­xi­mos anos, com ex­pe­di­ções à Mar­te em­pre­en­di­das pe­la Na­sa e por em­pre­sas pri­va­das co­mo a Spa­ceX, de Elon Musk, se­rão cru­ci­ais pa­ra o fu­tu­ro. As di­fe­ren­ças en­tre os pro­je­tos são gran­des: en­quan­to a par­ce­ria en­tre Na­sa e Bo­eing é mais cau­te­lo­sa, pla­ne­jan­do pri­mei­ro es­ta­be­le­cer uma ba­se na Lua com in­fra­es­tru­tu­ra pa­ra lan­çar, em um se­gun­do mo­men­to, uma vi­a­gem a Mar­te, a Spa­ceX é mais ou­sa­da e pre­ten­de en­vi­ar uma mis­são tri­pu­la­da di­re­ta­men­te ao pla­ne­ta ver­me­lho já em 2022.

Ka­ku de­ba­te os prin­ci­pais com­bus­tí­veis uti­li­za­dos atu­al­men­te por fo­gue­tes quí­mi­cos e as apos­tas mais pro­mis­so­ras pa­ra re­du­zir os cus­tos das vi­a­gens ao es­pa­ço. Os en­tra­ves e as van­ta­gens de tec­no­lo­gi­as ain­da não dis­po­ní­veis, co­mo a fis­são nu­cle­ar, a pro­pul­são iô­ni­ca, o mo­tor de plas­ma e até a an­ti­ma­té­ria são ex­pli­ca­dos de for­ma di­dá­ti­ca pe­lo fí­si­co. Os obs­tá­cu­los mais ime­di­a­tos têm so­lu­ções mais pró­xi­mas e plau­sí­veis, en­quan­to os pas­sos se­guin­tes tra­zem de­sa­fi­os que a ci­ên­cia ain­da le­va­rá mui­tas dé­ca­das pa­ra su­pe­rar – ca­so se­ja mes­mo pos­sí­vel, Ka­ku pon­de­ra.

A ve­lo­ci­da­de da luz é o li­mi­te pa­ra se mo­ver pe­lo uni­ver­so, e, mes­mo com tec­no­lo­gi­as ain­da em de­sen­vol­vi­men­to, qual­quer vi­a­gem pa­ra fo­ra do nos­so sis­te­ma so­lar, em di­re­ção e ou­tra estrela, se­ria lon­ga de­mais pa­ra uma pes­soa. Ka­ku fa­la so­bre co­mo a me­di­ci­na po­de nos tor­nar vir­tu­al­men­te imor­tais com ino­va­ções da na­no­tec­no­lo­gia e da en­ge­nha­ria ge­né­ti­ca, mas res­sal­ta que há ques­tões éti­cas ain­da não re­sol­vi­das por trás des­sas ino­va­ções. Uma so­lu­ção pa­ra os pe­ri­gos da co­lo­ni­za­ção es­pa­ci­al de­pen­de dos avan­ços na in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al – robôs au­tor-re­pli­can­tes po­de­ri­am se es­pa­lhar pe­lo es­pa­ço, fin­can­do a ban­dei­ra hu­ma­na e ins­ta­lan­do ba­ses pa­ra os co­lo­nos que che­ga­ri­am pos­te­ri­or­men­te, já com as ha­bi­ta­ções pron­tas.

Des­sa for­ma, a hu­ma­ni­da­de po­de­ria, em al­gu­mas cen­te­nas de anos, se es­pa­lhar pe­lo es­pa­ço co­mo nos­sos an­ces­trais ou­tro­ra se es­pa­lha­ram pe­lo oce­a­no. “A dis­tân­cia até as es­tre­las po­de pa­re­cer imen­sa”, es­cre­ve Ka­ku. “O fí­si­co Fre­e­man Dy­son, de Prin­ce­ton, su­ge­re que, pa­ra atin­gi-las, é pre­ci­so apren­der al­go com as vi­a­gens dos po­li­né­si­os mi­lha­res de anos atrás. Em vez de ar­ris­ca­rem-se nu­ma ex­ten­sa jor­na­da Pa­cí­fi­co afo­ra, que te­ria to­das as chan­ces de aca­bar em de­sas­tre, eles pu­la­ram de ilha em ilha, es­pa­lhan­do-se pe­las mas­sas de ter­ra do oce­a­no uma de ca­da vez. Sem­pre que che­ga­vam a uma, cri­a­vam ba­ses per­ma­nen­tes e daí par­ti­am pa­ra a ilha se­guin­te. Ele pro­põe a cri­a­ção de colô­ni­as in­ter­me­diá­ri­as no es­pa­ço pro­fun­do, usan­do a mes­ma ló­gi­ca. A cha­ve des­sa es­tra­té­gia es­ta­ria nos co­me­tas. Jun­ta­men­te a pla­ne­tas ór­fãos que, de al­gu­ma for­ma, te­nham si­do eje­ta­dos de seus sis­te­mas es­te­la­res, eles po­de­ri­am cri­ar a tri­lha pa­ra as es­tre­las.”

Dy­son não é o úni­co as­tro da fí­si­ca con­sul­ta­do por Ka­ku em O Fu­tu­ro da Hu­ma­ni­da­de. A lis­ta de en­tre­vis­tas fei­tas por ele nos úl­ti­mos anos e que em­ba­sa­ram sua in­ves­ti­ga­ção pa­ra o li­vro con­ta com 12 ga­nha­do­res do No­bel, ci­en­tis­tas co­mo Stephen Haw­king, Ray Kurtzweil, Ste­ven Pin­ker, ce­le­bri­da­des co­mo Stan Lee e Buzz Al­drin, além de uma mi­ría­de de ci­ta­ções a obras clás­si­cas da fic­ção ci­en­tí­fi­ca, co­mo Fun­da­ção, de Isa­ac Asi­mov, 2001: Uma Odis­seia no Es­pa­ço, de Arthur C. Clar­ke, e Star Ma­ker, de Olaf Sta­ple­don.

To­da es­sa pes­qui­sa for­ne­ce o ins­tru­men­tal teó­ri­co pa­ra Ka­ku es­pe­cu­lar so­bre cam­pos tão dis­tan­tes qu­an­to a exo­bi­o­lo­gia (que es­tu­da as pos­sí­veis for­mas de vi­da exis­ten­tes em pla­ne­tas dis­tan­tes) e a cos­mo­lo­gia (que se de­di­ca à ori­gem, evo­lu­ção e fim do uni­ver­so, ou dos mul­ti-ver­sos, se es­se for o ca­so). Ka­ku me­di­ta de for­ma sur­pre­en­den­te­men­te só­bria so­bre o que acon­te­ce­ria ca­so nos de­pa­rás­se­mos com ali­e­ní­ge­nas — e faz seu pal­pi­te mais ar­ris­ca­do em to­do o li­vro ao di­zer que acre­di­ta em um con­ta­to por rá­dio por ini­ci­a­ti­vas co­mo o Se­ti (Se­ar­ch for Ex­tra-ter­res­ti­al In­tel­li­gen­ce) nos pró­xi­mos anos – e so­bre a pos­si­bi­li­da­de de que a fí­si­ca co­mo co­nhe­ce­mos es­te­ja en­ga­na­da e que se­ja re­al­men­te pos­sí­vel vi­a­jar em ve­lo­ci­da­des mai­o­res que a da luz.

No me­lhor dos ce­ná­ri­os, ele ima­gi­na uma hu­ma­ni­da­de prós­pe­ra, pra­ti­ca­men­te imor­tal, es­pa­lha­da har­mo­ni­o­sa­men­te por to­da a ga­lá­xia e pen­san­do em ma­nei­ras de im­pe­dir ou es­ca­par da mor­te do uni­ver­so, em um fu­tu­ro ini­ma­gi­na­vel­men­te dis­tan­te.

Em li­vros, dois bons fí­si­cos, Mi­chio Ka­ku e Neil Ty­son, re­ve­lam vi­sões dis­tin­tas dos ru­mos do mun­do nos pró­xi­mos anos, dé­ca­das e até mes­mo sé­cu­los

METRO GOLDWYN MAYER

Des­co­nhe­ci­do. O as­tro­nau­ta Da­ve (Keir Dul­lea) de ‘2001, Uma Odis­seia no Es­pa­ço’, fil­me clás­si­co de Stan­ley Ku­brick

Mi­chio Ka­ku. Um ins­ti­gan­te pa­no­ra­ma do fu­tu­ro hu­ma­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.