UM PO­E­TA QUE ENGOLIU O PAÍS E PAS­SOU MAL À NOI­TE

O Estado de S. Paulo - - Aliás - Dir­ce Wal­trick do Ama­ran­te ✽

Nu­ma en­tre­vis­ta con­ce­di­da a Ser­gio Maciel, em 2018, dis­po­ní­vel na re­vis­ta on­li­ne Es­ca­man­dro, o po­e­ta Pá­dua Fer­nan­des, quan­do in­da­ga­do se sua po­e­sia era ou não po­lí­ti­ca, res­pon­deu: “É pos­sí­vel que sem­pre se pos­sa ver uma obra li­te­rá­ria a par­tir de um pon­to de vis­ta po­lí­ti­co; ade­mais, há tan­tos des­ses pon­tos de vis­ta, e tan­tos re­fe­ren­ci­ais teó­ri­cos di­fe­ren­tes so­bre a po­lí­ti­ca.” Con­clui sua res­pos­ta afir­man­do que ten­de “a com­pre­en­der po­li­ti­ca­men­te o mun­do e a li­te­ra­tu­ra.” A po­e­sia po­de tra­zer um pro­je­to de re­for­mar a ci­da­de? “Creio que sim, e a lei­tu­ra que fa­ço de ou­tros po­e­tas em ge­ral pas­sa pe­las ques­tões de cri­a­ção, de­ba­te e de­ci­são so­bre o que é co­mum, ou se­ja, o po­lí­ti­co”.

Com o re­cém-pu­bli­ca­do Can­ção de Ni­nar com Fu­zis, Pá­dua dá con­ti­nui­da­de a sua for­ma de pen­sar a po­e­sia, re­la­ci­o­nan­do os ver­sos aos es­pa­ços pú­bli­cos e às re­la­ções de po­der. O pró­prio tí­tu­lo do li­vro é po­lí­ti­co e se ex­pli­ca nos se­guin­tes ver­sos: “Can­ção es­tra­nha, es­ta que ur­ras/ di­an­te das cri­an­ças/ que em ple­no ho­rá­rio co­mer­ci­al des­ta pra­ça/ sol­tam mos­cas pe­la bo­ca”. A po­e­sia fa­la da vi­o­lên­cia ur­ba­na, da mor­te (“aba­te”, co­mo diz o po­e­ta) de pes­so­as, em es­pa­ços que de­ve­ri­am ser de la­zer, à luz do dia, di­an­te de cri­an­ças, as mes­mas que ho­je são es­ti­mu­la­das a ati­rar (em quem?). Nu­ma pas­sa­gem do li­vro, Fer­nan­des trans­for­ma em ver­so de um po­e­ma de hor­ror uma fra­se do atu­al pre­si­den­te do Bra­sil: “Per­gun­tei sim. ‘Quer ati­rar? Bo­ta o de­di­nho aqui’, fa­lei, com o pai do la­do”.

Can­ção de Ni­nar com Fu­zis tra­ba­lha com pa­ra­do­xos e in­ver­sões de va­lo­res, que se re­pe­tem ao lon­go de su­as pá­gi­nas, em po­e­mas co­mo Água, Imi­ta­ção do Man­ga­nês, on­de se lê: “On­de de­sá­guam/ os ri­os sem água”? e se afir­ma que os ín­di­os, que “não exis­tem mais”, “in­va­dem nos­sas plan­ta­ções no meio da flo­res­ta”.

Nes­sa con­tra­mão da ló­gi­ca, lê-se adi­an­te que, “em país ri­co/ cul­tu­ra se res­pi­ra no ar”, mas por aqui “pe­da­ços de do­cu­men­tos de dois sé­cu­los/ três/cin­co/ flu­tu­am so­bre as ca­sas e ru­as/ ain­da quen­tes/co­brem o país”. Pois, nes­te país tro­pi­cal, mais im­por­tan­te do que a cul­tu­ra é o fun­ci­o­na­men­to das ins­ti­tui­ções, e pa­ra que elas fun­ci­o­nem bem não im­por­ta o que se de­va sa­cri­fi­car: “Um só ma­gis­tra­do cus­ta mais do que a ma­nu­ten­ção do mu­seu/ por­tan­to/ ela não de­ve ser pa­ga/ as ins­ti­tui­ções pre­ci­sam fun­ci­o­nar nor­mal­men­te”.

Nes­sa mes­ma ló­gi­ca, diz o po­e­ma “Si­nhô chu­ta de bi­co”: “Se apa­ga­mos os su­bal­ter­nos/ des­de sua pro­du­ção sim­bó­li­ca,/ não pre­ci­sa­re­mos de ins­ti­tu­tos le­gais de se­gre­ga­ção se pa­ga­mos os su­bal­ter­nos/ des­de sua pro­du­ção sim­bó­li­ca,/ não pre­ci­sa­mos de me­tra­lha­do­ras”.

Tam­bém ga­nha des­ta­que nos ver­sos de Pá­dua Fer­nan­des o cor­po do tor­tu­ra­do que, co­mo afir­mou o fi­ló­so­fo co­re­a­no, ra­di­ca­do na Ale­ma­nha, Byung-Chul Han, “tem sig­nos. Ele é um me­mo­ri­al, é al­go que sig­ni­fi­ca. O po­der do so­be­ra­no diz pe­los cor­pos es­quar­te­ja­dos ou pe­las ci­ca­tri­zes que o már­tir her­da em seu cor­po”. Na po­e­sia de Fer­nan­des o po­vo é tor­tu­ra­do por seu país -“Quan­do fa­lo de cri­me, fa­lo do meu país, en­ten­deu?” – . O cor­po do ci­da­dão não su­por­ta a tor­tu­ra, por is­so “o crâ­nio ge­ral­men­te ra­cha nes­sas ten­ta­ti­vas de an­dar no país”, ou não po­de “di­ge­rir a ci­da­de, mais áci­da do que os su­cos gás­tri­cos, a ci­da­de con­fun­de-se com a pró­pria di­ges­tão e pas­sa a de­vo­rar os fa­min­tos que a de­se­jam, de­com­põe os cor­pos em bu­ra­cos e pe­dre­gu­lhos, ela se tor­na a fo­me dos cor­pos e des­ter­ra os ali­men­tos”.

Con­clui en­tão que quan­do “vo­mi­to a ma­dru­ga­da in­tei­ra sei que en­go­li meu país”. Mas, se vo­mi­ta, é que seu cor­po ain­da con­se­gue re­pe­lir o mal. Um dia, con­tu­do, cor­re o ris­co, co­mo to­dos nós, de se ha­bi­tu­ar e di­ge­rir as bar­bá­ri­es. Nes­se dia, se­rá tal­vez co­mo os ma­ne­quins do po­e­ma Pran­to Grá­tis pe­la Mer­ca­do­ria, que, di­an­te das vi­tri­nes que­bra­das, “da­vam li­ções de ci­vis­mo, não ti­nham a iro­nia dos men­di­can­tes que, mes­mo ves­ti­dos, des­nu­dam o cor­po da ci­da­de”.

Na po­e­sia de Fer­nan­des, o cor­po é tor­tu­ra­do tam­bém por idei­as, con­tra as quais a lu­ta é mui­tas ve­zes in­gló­ria: “Nos­sos fi­lhos aqui es­tu­dam./ Pa­ra que acei­tar­mos gen­te/ com quem não se de­ve ca­sar?”. Is­so traz à to­na Mi­chel Fou­cault, pa­ra quem “a sub­mis­são dos cor­pos pe­lo con­tro­le das idei­as é bem mais efi­caz que a ana­to­mia ri­tu­al dos su­plí­ci­os. O pen­sa­men­to dos ideó­lo­gos não foi ape­nas uma te­o­ria do in­di­ví­duo e da so­ci­e­da­de; de­sen­vol­veu-se co­mo uma tec­no­lo­gia dos po­de­res su­tis, efi­ca­zes e econô­mi­cos”.

‘Can­ção de Ni­nar com Fu­zis’, li­vro do ca­ri­o­ca Pá­dua Fer­nan­des, fa­la de po­der e vi­o­lên­cia

*AU­TO­RA, EN­TRE OU­TROS, DE A ‘BI­BLI­O­TE­CA E A FOR­MA­ÇÃO DO LEI­TOR INFANTOJUV­ENIL: CON­VER­SA COM PAIS E PRO­FES­SO­RES’ (ILUMINURAS).

GRAFITTI DE BANSKI

In­fân­cia. O in­glês Banski co­men­ta em graf­fi­ti o es­pí­ri­to bé­li­co atu­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.