Aliás, Es­tan­te

O Estado de S. Paulo - - Aliás -

A in­ter­net não é ape­nas uma re­de glo­bal de in­for­ma­ção, mas uma fer­ra­men­ta ca­da dia mais co­lo­ca­da sob sus­pei­ta.

Ela ain­da vai nos con­du­zir a uma “no­va ida­de das tre­vas’, co­mo ar­gu­men­ta o au­tor Ja­mes Bri­dle em seu li­vro com tí­tu­lo homô­ni­mo. A in­ter­net, de­fen­de Bri­dle, es­tá des­truin­do fon­tes ana­ló­gi­cas de co­nhe­ci­men­to e dis­tor­cen­do in­for­ma­ções econô­mi­cas que cor­ro­em a saú­de fi­nan­cei­ra de paí­ses, fa­zen­do cres­cer a de­si­gual­da­de. A vi­gi­lân­cia em mas­sa, gra­ças ao ar­ma­ze­na­men­to de da­dos, não é mais fic­ção de Orwell, mas uma re­a­li­da­de, gra­ças à in­ter­net. Não é cul­pa da tec­no­lo­gia, mas de quem es­tá por trás de­la, con­clui Bri­dle. O fa­to é que ela as­sus­ta.

Marc Fer­rez foi o fo­tó­gra­fo mais im­por­tan­te do sé­cu­lo 19 no Bra­sil. Pi­o­nei­ro em mui­tas téc­ni­cas, ele acom­pa­nhou a mo­der­ni­za­ção do país na vi­ra­da do sé­cu­lo e re­gis­trou al­gu­mas das mais be­las pai­sa­gens do Rio de Ja­nei­ro em ple­no pro­ces­so de ur­ba­ni­za­ção. A pu­bli­ca­ção Marc Fer­rez: Ter­ri­tó­rio e Ima­gem acom­pa­nha a ex­po­si­ção homô­ni­ma que o Ins­ti­tu­to Mo­rei­ra Sal­les apre­sen­tou em São Pau­lo até agos­to e co­bre cin­co dé­ca­das de trans­for­ma­ções no cam­po da ima­gem, en­tre 1867 e 1923. A mos­tra se­rá aber­ta no Rio em 30 de no­vem­bro e fi­ca no IMS ca­ri­o­ca até maio de 2020. Tem mais de 300 ima­gens de seu acervo, in­clu­si­ve ne­ga­ti­vos de vi­dro de Fer­rez.

Psi­ca­na­lis­ta e his­to­ri­a­do­ra fran­ce­sa, Eli­za­beth Rou­di­nes­co dei­xa de la­do a abor­da­gem aca­dê­mi­ca pa­ra en­ve­re­dar pe­los mais va­ri­a­dos te­mas em Di­ci­o­ná­rio Amo­ro­so da Psi­ca­ná­li­se, des­de o fe­mi­nis­mo até a ar­te de Le­o­nar­do da Vin­ci, pas­san­do por mi­tos de Hollywood (Ma­rilyn Mon­roe), fil­mes de Da­vid Cro­nen­berg, ci­da­des (Pa­ris) e até o Bra­sil. Rou­di­nes­co, pa­ra se­guir a tra­di­ção fran­ce­sa de Di­de­rot, sem­pre amou um di­ci­o­ná­rio. Seu ar­gu­men­to é que nos di­ci­o­ná­ri­os sem­pre se en­con­tra al­go no­vo, no­vas his­tó­ri­as e per­so­na­gens. Dis­cí­pu­la de De­leu­ze e Fou­cault, ela já pu­bli­cou li­vros so­bre fi­gu­ras de des­ta­que da li­te­ra­tu­ra mun­di­al, de Bre­cht a Cé­li­ne.

Es­cri­to du­ran­te o exí­lio de Ber­na­nos no Bra­sil, Senhor Oui­ne era con­si­de­ra­do pe­lo au­tor seu me­lhor ro­man­ce. Um jo­vem edu­ca­do pe­la mãe e a go­ver­nan­ta no nor­te da Fran­ça, Phi­lip­pe de­ci­de se­guir uma mu­lher um tan­to ex­tra­va­gan­te, que cer­to dia re­ce­be um in­qui­li­no ain­da mais es­tra­nho, o senhor Oui­ne do tí­tu­lo, ex-pro­fes­sor de lín­guas, tu­ber­cu­lo­so, que pas­sa a ser uma es­pé­cie de mes­tre do jo­vem so­li­tá­rio. Es­te foi o úl­ti­mo ro­man­ce do es­cri­tor, au­tor de obras-pri­mas co­mo Diá­rio de um Pá­ro­co de Al­deia e Sob o Sol de Sa­tã, am­bos pu­bli­ca­dos pe­la mes­ma edi­to­ra É Re­a­li­za­ções. É tamb­pem um li­vro de mis­té­rio, que en­vol­ve o as­sas­si­na­to de um cri­a­do.

O ita­li­a­no Ste­fa­no Man­cu­so, cri­a­dor da neu­ro­bi­o­lo­gia, é uma fi­gu­ra cu­ri­o­sa: em 2012, par­ti­ci­pou do pro­je­to Plan­toid e pro­je­tou um robô pa­ra que agis­se e cres­ces­se co­mo uma plan­ta. Em Re­vo­lu­ção das Plan­tas ele de­fen­de que as plan­tas são or­ga­nis­mos cons­truí­dos de um mo­de­lo to­tal­men­te di­ver­so dos ani­mais, ca­pa­zes de so­bre­vi­ver às pi­o­res ca­tás­tro­fes sem per­der sua fun­ci­o­na­li­da­de – daí que te­mos mui­to a apren­der com elas. Man­cu­so vai além: elas re­pre­sen­tam a ver­da­dei­ra so­lu­ção pa­ra os pro­ble­mas con­tem­po­râ­ne­os, o que faz a de­fe­sa da eco­lo­gia o pri­mei­ro man­da­men­to pa­ra ga­ran­tir o mun­do fu­tu­ro. Um li­vro es­sen­ci­al de um au­tor sé­rio e ori­gi­nal.

O jor­na­lis­ta pa­ra­na­en­se Lau­ren­ti­no Gomes fi­cou fa­mo­sos gra­ças ao best-seller 1808, que nar­ra a che­ga­da da cor­te por­tu­gue­sa ao Bra­sil. Is­so foi há 12 anos. Des­de en­tão, in­cen­ti­va­do pe­lo êxi­to de seus li­vros his­tó­ri­cos, ele tem lan­ça­do obras de gran­de al­can­ce.

Anun­ci­a­da em 2015, a sua tri­lo­gia so­bre a es­cra­vi­dão ga­nha ago­ra o pri­mei­ro vo­lu­me da sé­rie, que tra­ta da vi­o­len­ta for­ma­ção do po­vo bra­si­lei­ro. O Bra­sil re­ce­beu 5 mi­lhões de ca­ti­vos afri­ca­nos, 40% do to­tal dos 12,5 mi­lhões em­bar­ca­do pa­ra a Amé­ri­ca, e foi o país que re­sis­tiu mais tem­po a li­ber­tar seus escravos e abo­lir o trá­fi­co (a Lei Áu­rea é de 1888). O pri­mei­ro vo­lu­me vai até a mor­te de Zum­bi.

Um dos mais po­pu­la­res ro­man­cis­tas ja­po­ne­ses, Jun’ichi­ro Ta­ni­za­ki re­sol­veu há 60 anos to­mar em­pres­ta­do o tí­tu­lo de um ca­pí­tu­lo do pri­mei­ro ro­man­ce ja­po­nês, Gen­ji Mo­no­ga­ta­ri, da pi­o­nei­ra Mu­ra­sa­ki Shi­ki­bu, e pu­bli­car A Pon­te Flu­tu­an­te dos So­nhos. Ta­ni­za­ki é o mes­tre das elip­ses e seu li­vro re­a­fir­ma sua vo­ca­ção pa­ra abor­dar ti­pos de com­ple­xa de­fi­ni­ção psi­co­ló­gi­ca (o pró­prio nar­ra­dor tem du­as mães e so­fre du­pla­men­te). A obra é se­gui­da de Re­tra­to de Shun­kin, de 1933, so­bre uma ce­ga de ex­tre­ma be­le­za, as­sis­ti­da pe­lo aju­dan­te e aman­te, Sa­su­ke, que se sub­me­te vo­lun­ta­ri­a­men­te a uma ser­vi­dão per­ver­sa. Kawa­ba­ta con­si­de­rou o li­vro uma obra-pri­ma.

De­ci­di­do a tra­çar um per­fil do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro e ana­li­sar seu dis­cur­so, o es­cri­tor Pau­lo Ghi­ral­del­li , mes­tre em Fi­lo­so­fia pe­la USP, lan­ça A Fi­lo­so­fia Ex­pli­ca Bol­so­na­ro, um pe­que­no vo­lu­me em que ele se vol­ta pa­ra os pro­ta­go­nis­tas das po­lê­mi­cas que en­vol­vem o atu­al go­ver­no, do mi­nis­tro Sérgio Mo­ro ao gu­ru do pre­si­den­te, Ola­vo de Car­va­lho, pas­san­do pe­los três fi­lhos do ca­pi­tão que pre­si­de o Bra­sil. Pen­sa­dor sem vín­cu­los par­ti­dá­ri­os, a au­to­no­mia de Ghi­ral­del­li per­mi­te ao au­tor fa­zer uma de­fe­sa do sa­ber num país em que a edu­ca­ção ain­da não foi de­vi­da­men­te va­lo­ri­za­da, se­gun­do o atu­al di­re­tor do Cen­tro de Es­tu­dos em Fi­lo­so­fia Ame­ri­ca­na.

Fic­ção fu­tu­ris­ta es­cri­ta em 1940 pe­la su­e­ca Ka­rin Boy­le, Kal­lo­caí­na é uma dis­to­pia ao es­ti­lo de Orwell, so­bre uma so­ci­e­da­de on­de to­dos são con­tro­la­dos pe­lo Es­ta­do. A kal­lo­caí­na do tí­tu­lo é um so­ro da ver­da­de que to­dos os Es­ta­dos to­ta­li­tá­ri­os gos­ta­ri­am de ter à mão.

Seu in­ven­tor, o quí­mi­co Leo Kall, es­tá pre­so e ao mes­mo tem­po tes­ta sua dro­ga em co­bai­as hu­ma­nas. Em­bo­ra se­ja um po­bre di­a­bo ma­ni­pu­la­do pe­las for­ças do Es­ta­do, Kall jul­ga­se su­pe­ri­or aos seus se­me­lhan­tes e che­ga mes­mo a tes­tar a kal­lo­caí­na em sua mu­lher, pa­ra des­co­brir se ela o trai com seu che­fe ime­di­a­to. Ka­rin Boy­le, ho­mos­se­xu­al, se ma­tou e tes­te­mu­nhou a as­cen­são do na­zis­mo.

Pat­ti Smith é uma das vo­zes mais lú­ci­das da Amé­ri­ca, além de um dos no­mes da mú­si­ca pop que de­vem ser le­va­dos a sé­rio. Aca­ba de sair lá fo­ra seu li­vro de me­mó­ri­as Ye­ar of the Mon­key, um ba­lan­ço de sua tra­je­tó­ria in­co­mum em bus­ca de uma vi­da me­nos or­di­ná­ria. O li­vro tem al­go de M Train, seu ou­tro exer­cí­cio me­mo­ri­a­lís­ti­co, o que pa­re­ce bas­tan­te na­tu­ral pa­ra al­guém que vi­ve mais no pas­sa­do que no pre­sen­te, mas vai sur­pre­en­der até seus fãs. Em­bo­ra um pou­co de­sa­ni­ma­da com os ru­mos do mun­do (ra­cis­mo, na­ci­o­na­lis­mo, po­pu­lis­mo ras­tei­ro), ela se mos­tra oti­mis­ta com a pos­si­bi­li­da­de de mu­dan­ças e o po­der da no­va ge­ra­ção.

A NO­VA IDA­DE DAS TRE­VAS AU­TOR: JA­MES BRI­DLE EDI­TO­RA; TO­DA­VIA R$ 69,90

AU­TOR; ELI­ZA­BETH ROU­DI­NES­CO EDI­TO­RA: ZAHAR 360 PÁGS., R$ 89,90 DI­CI­O­NÁ­RIO AMO­RO­SO...

AU­TOR: LAU­REN­TI­NO GOMES EDI­TO­RA: GLO­BO 504 PÁGS., R$ 49,90 ES­CRA­VI­DÃO...

SENHOR OUI­NE AU­TOR: GEORGES BER­NA­NOS EDI­TO­RA: É RE­A­LI­ZA­ÇÕES PRE­ÇO: R$ 69,90

AU­TOR: VÁ­RI­OS EDI­TO­RA: IMS 176 PÁGS., R$ 224,50 MARC FER­REZ: TER­RI­TÓ­RIO E IMA­GEM.

AU­TOR: PAU­LO GHI­RAL­DEL­LI EDI­TO­RA; LEYA 128 PÁGS,. R$ 29,90 A FI­LO­SO­FIA EX­PLI­CA...

AU­TOR: STE­FA­NO MAN­CU­SO EDI­TO­RA.: UBU 247 PÁGS., R$ 54,90 RE­VO­LU­ÇÃO DAS PLAN­TAS

AU­TOR. KA­RIN BOY­LE EDI­TO­RA: CARAMBAIA 25 6 PÁGS., R$ 86,90 KAL­LO­CAÍ­NA

A PON­TE... AU­TOR: J. TA­NI­ZA­KI EDI­TO­RA: ES­TA­ÇÃO LI­BER­DA­DE 160 PÁGS., R$ 44

AU­TOR: PAT­TI SMITH EDI­TO­RA: KNOPF 192 PÁGS., US$ 17.47 YE­AR OF THE MON­KEY

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.