UMA NO­VA PRO­VO­CA­ÇÃO DE PE­TER BRO­OK

O Estado de S. Paulo - - Aliás - / TRA­DU­ÇÃO DE RO­BER­TO MU­NIZ Ben Bran­tley

Em um are­ja­do flat per­to do Bois de Bou­log­ne, no silêncio mor­tal do agos­to pa­ri­si­en­se, o per­pé­tuo di­re­tor in­glês iti­ne­ran­te Pe­ter Bro­ok, de 94 anos se alon­ga na mais bá­si­ca das per­gun­tas: Por quê? Seus olhos de um azul pá­li­do pá­li­do se es­trei­tam, con­tem­pla­ti­vos, lem­bran­do os de um ga­to si­a­mês es­trá­bi­co. Ele não es­tá per­gun­tan­do na­da, nem es­pe­ra uma res­pos­ta.

Why? (Por Quê?) é o tí­tu­lo da no­va pe­ça es­cri­ta e di­ri­gi­da por Bro­ok e sua co­la­bo­ra­do­ra de to­da a vi­da, Ma­rie-Hélè­ne Es­ti­en­ne, que es­tá em car­taz des­de o dia 21 no The­a­ter for a New Au­di­en­ce, no Bro­o­klin, No­va York. A pro­du­ção, que se­rá apre­sen­ta­da até 6 de ou­tu­bro, é tam­bém par­te do Cros­sing the Li­ne Festival 2019, cen­tro de uma sé­rie de fó­runs, ofi­ci­nas e do­cu­men­tá­ri­os ce­le­bran­do a obra de Bro­ok e Es­ti­en­ne.

Por quê é tam­bém o prin­cí­pio de­fla­gra­dor de uma das mais lon­gas, con­sis­ten­tes e ino­va­do­ras car­rei­ras do te­a­tro in­ter­na­ci­o­nal – car­rei­ra que abran­ge pro­du­ções his­tó­ri­cas co­mo o épi­co de no­ve ho­ras Mahabha­ra­ta (de me­a­dos dos anos 1980) e a acro­bá­ti­ca So­nho de Uma Noi­te de Ve­rão, de 1970, que de­fi­ni­ram pa­ra sem­pre tan­to a in­ter­pre­ta­ção qu­an­to a per­cep­ção de Sha­kes­pe­a­re.

Sen­do um ho­mem que do­mi­na vá­ri­as lín­guas, Bro­ok con­si­de­rou ou­tros no­mes pa­ra a pe­ça, uma me­di­ta­ção so­bre a vi­da do di­re­tor ex­pe­ri­men­tal rus­so Vse­vo­lod Meyerhold e a ‘rai­son d’être’ do pró­prio te­a­tro. Os equi­va­len­tes fran­cês, ita­li­a­no, ale­mão e rus­so de “why” fo­ram to­dos es­tu­da­dos e des­car­ta­dos, prin­ci­pal­men­te por ra­zões fo­né­ti­cas. O sim­ples som da pa­la­vra in­gle­sa “why”, diz ele, “tem a ma­gia de uma per­gun­ta aber­ta, o que sig­ni­fi­ca que não exis­te res­pos­ta pos­sí­vel pa­ra ela”.

Há ou­tra pa­la­vra co­me­çan­do com “w” pe­la qual Bro­ok tem gran­de afei­ção: Wow (uau!). Ela ex­pres­sa um mo­men­to no pal­co que pa­re­ce fu­gir dos li­mi­tes do tem­po. Bro­ok vem fa­zen­do o pos­sí­vel pa­ra “uau­li­zar” su­as pla­tei­as de to­do mun­do des­de que des­per­tou pa­ra a fa­ma, no iní­cio de seus 20 anos, co­mo jo­vem pro­dí­gio do West End lon­dri­no. É di­fí­cil de se ima­gi­nar ou­tro di­re­tor de te­a­tro cu­jo con­jun­to de obra te­nha si­do tão úni­co em sua mul­ti­pli­ci­da­de Ele, afi­nal, é um ho­mem que é tan­to o xo­dó das pla­tei­as ur­ba­nas lon­dri­nas do pós-gu­er­ra, com su­as pro­du­ções en­ge­nho­sa­men­te ela­bo­ra­das (“nin­guém po­de acu­sar Pe­ter Bo­ok de sim­pli­ci­da­de”, es­cre­veu Ken­neth Ty­nan em 1953), qu­an­to o di­re­tor iti­ne­ran­te cu­ja im­pro­vi­sa­do­ra tru­pe atu­ou em vi­la­re­jos afri­ca­nos ten­do ape­nas um ta­pe­te co­mo pal­co.

Seus co­la­bo­ra­do­res são tan­to a pre­vi­sí­vel cons­te­la­ção de as­tros (Oli­vi­er, Gi­el­gud, Mir­ren) qu­an­to per­so­na­gens co­mo o pin­tor Sal­va­dor Da­lí, o po­e­ta Ted Hughes e o neu­ro­lo­gis­ta Oliver Sacks.

Is­so sem men­ci­o­nar os mes­tres de sâns­cri­to, sa­cer­do­tes hin­dus e con­ta­do­res de his­tó­ri­as dos tem­plos da Ín­dia que Bro­ok con­sul­tou pa­ra a cri­a­ção de Mahabha­ra­ta, ou o tem­po em que ele vi­a­jou pa­ra o Hai­ti com Graham Gre­e­ne e Tru­man Ca­po­te – com quem em se­gui­da vi­si­tou Cu­ba e foi as­sis­tir a fil­mes com Fi­del Cas­tro.

Bro­ok co­nec­ta na con­ver­sa­ção to­dos es­ses ele­men­tos dís­pa­res usan­do seu mo­nos­sí­la­bo fa­vo­ri­to. Pre­ci­sei apren­der is­so com ele pa­ra não me per­der em seus lon­gos mo­nó­lo­gos, com idas e vin­das pa­ra­do­xais, e acom­pa­nhá-lo atra­vés das enor­mes va­ri­a­ções de tem­po e es­pa­ço que ele atra­ves­sa com a de­ter­mi­na­ção li­ne­ar de uma lo­co­mo­ti­va.

Ele me diz que não é al­guém ca­paz de dar uma “res­pos­ta sim­ples” mes­mo às ques­tões mais mun­da­nas. “Não pos­so di­zer na­da a vo­cê sem olhar pa­ra tu­do que fi­cou pa­ra trás”, ex­pli­ca.

Bro­ok ocu­pa um apar­ta­men­to pro­vi­só­rio, lon­ge de sua ca­sa per­to da Ópe­ra de Pa­ris. Quem abriu a por­ta foi Es­ti­en­ne, de 75 anos – uma mu­lher irô­ni­ca e vi­go­ro­sa com cor­te de ca­be­lo in­fan­til. Ela tra­ba­lha com Bro­ok há mais de 40 anos e, se­gun­do ele, os dois po­dem se co­mu­ni­car sem pa­la­vras.

“Des­co­bri­mos no pri­mei­ro en­con­tro que nas­ce­mos no mes­mo dia, o que foi es­plên­di­do”, diz Bro­ok de Es­ti­en­ne. Ela era jor­na­lis­ta e crí­ti­ca de te­a­tro quan­do se co­nhe­ce­ram, em 1969. “A par­tir daí, um re­la­ci­o­na­men­to nas­ceu e se de­sen­vol­veu”, ex­pli­ca Bro­ok. Su­as re­cen­tes co­la­bo­ra­ções me­mo­rá­veis in­clu­em a ele­gía­ca Bat­tle­fi­eld.

Eles con­ti­nu­am bu­ri­lan­do o ro­tei­ro de Why?, que es­tre­ou em ju­nho no Théâ­tre des Bouf­fes du Nord, uma de­cré­pi­ta ca­sa de es­pe­tá­cu­los pa­ri­si­en­se do sé­cu­lo 19 que Bro­ok re­qui­si­tou nos anos 1970 pa­ra ser seu Cen­tro In­ter­na­ci­o­nal de Pes­qui­sa Teatral (ele dei­xou a di­re­ção há uma dé­ca­da, mas a ca­sa con­ti­nua a ser­vir de ba­se pa­ra su­as ope­ra­ções).

“Co­mo vo­cê sa­be”, diz ele re­fe­rin­do-se às con­tí­nu­as re­vi­sões de Why, “na­da po­de ser con­si­de­ra­do to­tal­men­te ter­mi­na­do.”

Bro­ok ves­te ca­mi­sa bran­ca, cal­ça car­go e echar­pe azul, um “dân­di es­por­ti­vo”. Pol­tro­nas fo­ram dis­pos­tas na sa­la de es­ta de mo­do que fi­que­mos pra­ti­ca­men­te en­cos­tan­do os jo­e­lhos. Ele me diz que tem uma ir­re­ver­sí­vel de­ge­ne­ra­ção ocu­lar, o que o im­pe­de de dis­tin­guir bem ros­tos.

“É in­te­res­san­te co­mo o cé­re­bro cria tá­ti­cas”, diz. E aí me lem­bro que ele es­cre­veu pe­lo me­nos du­as pe­ças de te­a­tro so­bre os mis­té­ri­os neu­ro­ló­gi­cos da men­te hu­ma­na, uma de­las ins­pi­ra­da em The Man Who Mis­to­ok His Wi­fe for a Hat (O Ho­mem que Con­fun­diu sua Mu­lher com um Cha­péu), do es­cri­tor e neu­ro­lo­gis­ta Oliver Sacks.

Bro­ok con­se­gue de­du­zir no­mes pe­lo ID de seu ce­lu­lar. “É co­mo no te­a­tro: sa­ben­do o que es­tou olhan­do, eu pos­so ver.”

An­ti­go dis­cí­pu­lo do mís­ti­co ar­mê­nio Ge­or­ge Gurd­ji­eff – tal­vez o prin­ci­pal de­fen­sor do te­a­tro co­mo a mais bá­si­ca e uni­ver­sal das ma­ni­fes­ta­ções cul­tu­rais –, Bro­ok tem um si­bi­li­no ar de au­to­ri­da­de, com sua gran­de ca­be­ça bran­ca equi­li­bra­da num cor­po com­pac­to.

Ele an­da cui­da­do­sa­men­te, mas avan­çan­do sem­pre, que é tam­bém co­mo fa­la. Ele tam­bém do­mi­na a se­du­to­ra ar­te do show­man con­su­ma­do, com uma pri­vi­le­gi­a­da vi­são do que o te­a­tro é e do que de­ve­ria ser.

Em­bo­ra não en­co­ra­je in­ter­rup­ções en­quan­to fa­la, fi­ca aten­to ao mo­do co­mo eu re­a­jo. Ele le­va nos­sa con­ver­sa pa­ra um con­tex­to cós­mi­co: “Co­mo é pos­sí­vel que, nes­te pla­ne­ta, dois pe­que­nos áto­mos da cri­a­ção es­te­jam aqui nes­te can­ti­nho, sen­ta­dos e fa­lan­do um com o ou­tro?”, per­gun­ta. E dá um ta­pi­nha em meu joelho.

“Des­de que es­tou vi­ven­do aqui te­nho o es­tra­nho sen­ti­men­to de que es­tou em ou­tro país, em­bo­ra es­te­ja a ape­nas 15 mi­nu­tos de Pa­ris”, diz ele.

De cer­to mo­do, Bro­ok sem­pre quis es­tar em ou­tro país. Nas­ci­do em Lon­dres e fi­lho de um ci­en­tis­ta ju­deu rus­so da Letô­nia, o jo­vem Pe­ter so­nha­va em ser cor­res­pon­den­te de gu­er­ra, “pa­ra po­der di­zer que es­te gran­de mun­do não é o mun­di­nho da clas­se mé­dia lon­dri­na”.

Co­mo es­tu­dan­te em Ox­ford, ele so­nhou tam­bém em ser pin­tor, com­po­si­tor, pi­a­nis­ta e, mais par­ti­cu­lar­men­te, di­re­tor de ci­ne­ma (de fa­to che­gou a par­ti­ci­par de fil­mes co­mo O Senhor das Mos­cas e a di­ri­gir En­con­tro com Ho­mens No­tá­veis, adap­ta­do de um li­vro de Gurd­ji­eff).

En­quan­to is­so, ia ex­pe­ri­men­tan­do um pou­co de tu­do que es­ta­va em ofer­ta: cul­tu­ra, se­xo, dro­gas (diz que foi aben­ço­a­do com uma re­sis­tên­cia na­tu­ral ao ví­cio) e re­li­gião.

Mas sua mai­or in­cli­na­ção era con­tar his­tó­ri­as. E cam­po pa­ra is­so ele en­con­trou no te­a­tro. Aos 21 anos, ele di­ri­giu uma efer­ves­cen­te pro­du­ção de uma pe­ça de Sha­kes­pe­a­re. Aos 23, foi no­me­a­do di­re­tor de pro­du­ção da Royal Ope­ra Hou­se. Sua ver­são de Sha­kes­pe­a­re, a co­mé­dia Dois Amo­res e Uma Ca­ba­na, o dra­ma Ring Round the Mo­on e mes­mo al­guns mu­si­cais fi­ze­ram de­le o que­ri­di­nho do West End.

So­bre Lau­ren­ce Oli­vi­er, Bro­ok diz que ne­nhum ator de­sen­vol­veu tan­to seu de­sem­pe­nho. Mas Oli­vi­er ti­nha “al­go de tão am­bi­ci­o­so que o tor­na­va frio”.

Na Bro­adway, on­de em 1954 fez o mu­si­cal cult A Ca­sa das Flo­res, com ro­tei­ro de Ca­po­te, ele se viu re­de­fi­nin­do o que sig­ni­fi­ca­va ser di­re­tor. A im­pro­vi­sa­ção se tor­nou ca­da vez mais im­por­tan­te pa­ra ele, as­sim co­mo a sen­sa­ção de que o sig­ni­fi­ca­do das pa­la­vras im­por­ta­va me­nos que sua mu­si­ca­li­da­de.

O ce­ná­rio tem de ser “pu­ro e sim­ples”, diz ele, ci­tan­do co­mo exem­plo os en­si­na­men­tos do te­a­tro mo­der­nis­ta de Edward Craig. “Há sem­pre mui­ta coi­sa a ser apa­ra­da, sim­pli­fi­ca­da, pu­ri­fi­ca­da”, ensina.

Pa­ra a Royal Sha­kes­pe­a­re Com­pany, ele cri­ou uma tem­po­ra­da de Te­a­tro da Cru­el­da­de, que in­cluía uma ele­tri­zan­te e bru­tal­men­te fí­si­ca in­ter­pre­ta­ção de Ma­rat/Sa­de, de Pe­ter Weiss, am­bi­en­ta­da num hos­pí­cio pós-Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa, com a jo­vem Glen­da Jack­son. Ho­je, su­as pre­o­cu­pa­ção com a po­lí­ti­ca não aca­bou: Bro­ok es­tá abis­ma­do com o res­sur­gi­men­to do na­ci­o­na­lis­mo. E não es­tá oti­mis­ta qu­an­to ao fu­tu­ro

Aos 94 anos, o di­re­tor e ci­ne­as­ta in­glês, que ou­sou adap­tar o clás­si­co ‘Mahabha­ra­ta’ pa­ra o pal­co e as te­las, es­treia uma no­va pe­ça, ‘Why?’, que re­su­me sua per­ple­xi­da­de di­an­te do mun­do con­tem­po­râ­neo

CA­RO­LI­NE MO­RE­AU

Mul­ti­cul­tu­ral. Ja­red McNeill, Se­an O'Cal­laghan, Ery Nza­ram­ba e Ca­ro­le Ka­re­me­ra em ‘Bat­tle­fi­eld’, mon­ta­gem de 2017 do Guth­rie The­a­ter

BEN­JA­MIN MALAPRIS/THE NEW YORK TI­MES

Bro­ok. Na­da oti­mis­ta com o fu­tu­ro e tris­te com a vol­ta do na­ci­o­na­lis­mo, ele re­sol­veu pro­du­zir a pe­ça ‘Why’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.