BNDES po­de per­der R$ 14,6 bi com cré­di­tos pa­ra Ode­bre­cht

Gru­po deu mai­or pre­juí­zo ao ban­co em sua his­tó­ria, diz pre­si­den­te; R$ 3,7 bi em per­das são de obras no ex­te­ri­or

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Vi­ni­cius Ne­der Mô­ni­ca Ci­a­rel­li / RIO Es­ta­do não é bom ges­tor de em­pre­sas, diz Mon­te­za­no Pág. B4

Pivô de um es­que­ma de des­vi­os e de corrupção apontado pe­la Ope­ra­ção La­va Ja­to, a em­prei­tei­ra Ode­bre­cht po­de­rá im­por per­das de até R$ 14,6 bi­lhões ao BNDES, ins­ti­tui­ção vol­ta­da ao fo­men­to. Do to­tal das per­das po­ten­ci­ais, cer­ca de R$ 3,7 bi são re­la­ti­vos a em­prés­ti­mos pa­ra obras no ex­te­ri­or. A es­ti­ma­ti­va, re­ve­la­da com ex­clu­si­vi­da­de ao Es­ta­do pe­lo pre­si­den­te do ban­co, Gus­ta­vo Mon­te­za­no, faz par­te do es­for­ço de ex­pli­car a su­pos­ta “cai­xa-pre­ta” do BNDES. Par­te des­sa per­da po­ten­ci­al fi­ca­rá com o Te­sou­ro Na­ci­o­nal, que deu ga­ran­tia em em­prés­ti­mos pa­ra ou­tros paí­ses con­tra­ta­rem a em­prei­tei­ra bai­a­na em obras de in­fra­es­tru­tu­ra. O gru­po Ode­bre­cht, que pe­diu re­cu- pe­ra­ção ju­di­ci­al, é o ter­cei­ro mai­or cli­en­te do BNDES nas du­as úl­ti­mas dé­ca­das. São R$ 51,3 bi­lhões, em va­lo­res cor­ri­gi­dos pe­la inflação, li­be­ra­dos en- tre 2003 e 2018. Pro­cu­ra­da, a Ode­bre- cht não se pro­nun­ci­ou.

O BNDES po­de­rá per­der até R$ 14,6 bi­lhões com o gru­po Ode­bre­cht, pivô do es­que­ma de corrupção in­ves­ti­ga­do pe­la Ope­ra­ção La­va Ja­to. A es­ti­ma­ti­va, re­ve­la­da ao ‘Es­ta­do’ pe­lo pre­si­den­te do ban­co, Gus­ta­vo Mon­te­za­no, faz par­te do es­for­ço de ex­pli­car a su­pos­ta “cai­xa-pre­ta” do BNDES. Par­te des­sa per­da po­ten­ci­al fi­ca­rá com o Te­sou­ro Na­ci­o­nal, que deu ga­ran­tia em em­prés­ti­mos pa­ra ou­tros paí­ses con­tra­ta­rem a em­prei­tei­ra bai­a­na em obras de in­fra­es­tru­tu­ra.

“Não é uma his­tó­ria bo­ni­ta. O gru­po por si só meteu os pés pe­las mãos eco­no­mi­ca­men­te tam­bém. Cer­ta­men­te é o gru­po econô­mi­co que mais trou­xe pre­juí­zo econô­mi­co ao ban­co na his­tó­ria”, dis­se Mon­te­za­no, res­sal­tan­do que, ape­sar de di­ver­sas in­ves­ti­ga­ções in­ter­nas e ex­ter­nas, não há in­dí­ci­os de envolvimen­to do BNDES no es­que­ma de corrupção.

O gru­po Ode­bre­cht, que pe­diu re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al, é o ter­cei­ro mai­or cli­en­te do BNDES nas du­as úl­ti­mas dé­ca­das. São R$ 51,3 bi­lhões, em va­lo­res cor­ri­gi­dos pe­la inflação, li­be­ra­dos en­tre 2003 e 2018, em em­prés­ti­mos, par­ti­ci­pa­ções aci­o­ná­ri­as e em tí­tu­los de dívida de 49 em­pre­sas con­tro­la­das pe­lo con­glo­me­ra­do bai­a­no, se­gun­do da­dos que se­rão di­vul­ga­dos pe­lo ban­co nes­ta se­gun­da-fei­ra.

Ins­tru­men­to que ten­ta evi­tar a que­bra de em­pre­sas a par­tir de ne­go­ci­a­ção com os cre­do­res, a re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al da Ode­bre­cht, com 21 fir­mas no to­tal, so­ma R$ 98,5 bi­lhões em dívidas. Em­bo­ra ha­ja du­pli­ca­ção de va­lo­res e dívidas in­ter­com­pa­nhi­as, é con­si­de­ra­da a mai­or re­cu­pe­ra­ção da Amé­ri­ca La­ti­na.

Na con­ta da per­da po­ten­ci­al do BNDES, R$ 8,7 bi­lhões es­tão nas re­cu­pe­ra­ções ju­di­ci­ais da Ode­bre­cht e da At­vos, an­ti­ga Ode­bre­cht Agroin­dus­tri­al, sub­si­diá­ria de açú­car e eta­nol, que en­trou com o pedido em maio – os pro­ces­sos correm em pa­ra­le­lo.

Se­gun­do Mon­te­za­no, o ban­co não de­ve­rá per­der a to­ta­li­da­de das dívidas na re­cu­pe­ra­ção, mas evitou es­ti­mar o quan­to po­de­rá re­cu­pe­rar. Por pre­cau­ção, o BNDES “pro­vi­si­o­nou” o to­tal no ba­lan­ço fi­nan­cei­ro. Is­so sig­ni­fi­ca que o ban­co re­gis­tra pre­ven­ti­va­men­te a per­da, der­ru­ban­do o lu­cro lí­qui­do.

Ex­te­ri­or. O cál­cu­lo das per­das in­clui ain­da US$ 900 mi­lhões (cer­ca de R$ 3,7 bi­lhões) em em­prés­ti­mos pa­ra paí­ses es­tran­gei­ros que con­tra­ta­ram a Ode­bre­cht pa­ra to­car obras e es­tão ina­dim­plen­tes – Ve­ne­zu­e­la, Cu­ba e Mo­çam­bi­que. Es­sa per­da não fi­ca­rá com o BNDES, mas, sim, com o Fun­do de Ga­ran­tia à Ex­por­ta­ção (FGE), for­ma­do com re­cur­sos do Te­sou­ro Na­ci­o­nal, que ga­ran­tiu as ope­ra­ções.

Fecham a con­ta dois in­ves­ti­men­tos em par­ti­ci­pa­ção aci­o­ná­ria. São pra­ti­ca­men­te cer­tas as per­das de R$ 800 mi­lhões com o in­ves­ti­men­to na pró­pria At­vos e de R$ 1,4 bi­lhão na Ode­bre­cht Trans­port (OTP), ope­ra­do­ra de con­ces­sões em lo­gís­ti­ca. As per­das com es­sas par­ti­ci­pa­ções já fo­ram re­gis­tra­das co­mo “bai­xas con­tá­beis” no ba­lan­ço fi­nan­cei­ro do BNDES.

Em­bo­ra as in­ves­ti­ga­ções te­nham es­ti­ma­do que o gru­po Ode­bre­cht pa­gou R$ 1 bi­lhão em pro­pi­nas en­tre 2004 e 2014, se­gun­do Mon­te­za­no, as per­das do BNDES não têm a ver com corrupção, mas, sim, com más es­co­lhas as­so­ci­a­das às po­lí­ti­cas de fi­nan­ci­a­men­to. “De tu­do o que sou­be­mos até ho­je e foi in­ves­ti­ga­do in­ter­na­men­te e ex­ter­na­men­te, não tem qual­quer in­dí­cio de corrupção de ne­nhum fun­ci­o­ná­rio do ban­co”, dis­se.

Pa­ra Sér­gio Laz­za­ri­ni, do Ins­per, que es­tu­da o pa­pel do BNDES, faltou “cri­té­rio” na seleção dos pro­je­tos fi­nan­ci­a­dos, que de­ve­ria ir além de apoi­ar “gran­des gru­pos” em se­to­res es­pe­cí­fi­cos. “Um ban­co pú­bli­co tem de fo­men­tar al­go de in­te­res­se pú­bli­co”, afir­mou Laz­za­ri­ni.

Já na vi­são do eco­no­mis­ta Jú­lio Go­mes de Almeida, do Ins­ti­tu­to de Es­tu­dos pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to In­dus­tri­al (Ie­di), os va­lo­res bi­li­o­ná­ri­os em­pres­ta­dos pe­lo BNDES pa­ra as em­prei­tei­ras, em par­te, são re­sul­ta­do do fa­to de fal­ta­rem fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to de lon­go pra­zo. Co­mo a in­fra­es­tru­tu­ra re­quer em­prés­ti­mos por pra­zos ele­va­dos, o ban­co era a fon­te pre­fe­ren­ci­al. Se­gun­do Almeida, fa­zia sen­ti­do apoi­ar tan­to a in­fra­es­tru­tu­ra quan­to o se­tor de car­nes e a ex­por­ta­ção de aviões, ape­sar de al­guns ex­ces­sos.

Pro­cu­ra­da, a Ode­bre­cht não se pro­nun­ci­ou.

“De tu­do o que sou­be­mos até ho­je e foi in­ves­ti­ga­do in­ter­na­men­te e ex­ter­na­men­te, não tem qual­quer in­dí­cio de corrupção de ne­nhum fun­ci­o­ná­rio do ban­co.” Gus­ta­vo Mon­te­za­no

PRE­SI­DEN­TE DO BNDEES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.