ME­TRÔ VI­RA PAL­CO DO HIP HOP PAU­LIS­TA­NO

Cer­ca de 20 jo­vens par­ti­ci­pam de gru­po que mar­ca en­con­tro nos va­gões pe­lo WhatsApp

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Tiago Qu­ei­roz Pa­lo­ma Co­tes

Gru­pos de jo­vens mar­cam en­con­tros no me­trô de São Pau­lo pa­ra apre­sen­ta­ções de dança no in­te­ri­or dos va­gões em mo­vi­men­to. De di­fe­ren­tes re­giões da ci­da­de, eles se co­nhe­ce­ram em fes­tas no cen­tro e no en­tor­no da Rua 24 de Maio e da Ga­le­ria Oli­do – pon­to de reu­nião de ge­ra­ções de rap­pers, MC’s e en­tu­si­as­tas da cul­tu­ra de rua. Sem em­pre­go for­mal e aves­sos ao am­bi­en­te de es­cri­tó­ri­os, com­bi­nam per­for­man­ces via WhatsApp e ga­nham de R$ 50 a R$ 100 por dia ca­da um. O Me­trô in­for­ma que “per­mi­te e in­cen­ti­va” apre­sen­ta­ções em lo­cais apro­pri­a­dos. Mas proí­be “a prá­ti­ca de dança den­tro dos trens” e que “mú­si­cos não po­dem so­li­ci­tar ou re­ce­ber con­tri­bui­ções do pú­bli­co.”

“Boa noi­te, pes­so­al, des­cul­pe o sus­to, não foi nos­sa in­ten­ção. So­mos um gru­po de dança ur­ba­na que cos­tu­ma­va se apre­sen­tar em fes­tas e nas ru­as e ago­ra es­tá mos­tran­do sua ar­te no me­trô. Aque­le que não gos­tar, po­de le­van­tar a mão que pas­sa­mos pa­ra o pró­xi­mo va­gão. Amém.”

É as­sim que Ali­ne To­fa­lo, de 25 anos, Da­ni­lo Mar­tins, de 29, Ken­nedy Ro­nal­do, de 25, e Ro­bert Or­lan­do, de 25, se apre­sen­tam quan­do as por­tas do me­trô se fecham. Eles são 4 dos cer­ca de 20 jo­vens que par­ti­ci­pam do gru­po de WhatsApp Hip Hop no Trem, que, sem em­pre­go for­mal, pas­sou a dan­çar den­tro dos va­gões em mo­vi­men­to.

Vin­dos de di­fe­ren­tes re­giões de São Pau­lo, eles se co­nhe­ce­ram em fes­tas no cen­tro da ci­da­de e vi­as do en­tor­no da Rua 24 de Maio e da Ga­le­ria Oli­do – pon­to de en­con­tro de ge­ra­ções de rap­pers, MC’s e en­tu­si­as­tas da cul­tu­ra de rua. Can­sa­dos de pro­cu­rar por tra­ba­lho com car­tei­ra e aves­sos ao am­bi­en­te de es­cri­tó­rio, os jo­vens mar­cam os en­con­tros pa­ra as per­for­man­ces no me­trô via WhatsApp – e ga­nham de R$ 50 a R$ 100 por dia ca­da um.

Com um pe­que­no som por­tá­til den­tro do va­gão, Mar­tins faz a apre­sen­ta­ção do gru­po as­sim que as por­tas se fecham. Se­guem-se al­guns se­gun­dos de si­lên­cio. Nin­guém le­van­ta a mão se ma­ni­fes­tan­do con­tra a apre­sen­ta­ção e, en­tão, o show co­me­ça. O apa­re­lho de som é li­ga­do e a apre­sen­ta­ção co­me­ça es­tra­te­gi­ca­men­te no cen­tro do va­gão, on­de os pas­sos de stre­et dan­ce são mais fa­cil­men­te re­a­li­za­dos.

Or­lan­do é o mais per­for­má­ti­co dos qua­tro in­te­gran­tes da tru­pe. Ele dá sal­tos mor­tais, às ve­zes du­plos, em um es­ti­lo meio “ma­trix” de dança, em que si­mu­la mo­vi­men­tos em câ­me­ra len­ta, com o cor­po to­do cur­va­do, bei­ran­do o chão do trem.

Única mu­lher do gru­po, Ali­ne con­ta que vá­ri­os fa­to­res in­flu­en­ci­am as apre­sen­ta­ções e o re­tor­no fi­nan­cei­ro. “A gen­te de­pen­de mui­to da épo­ca do mês, do ho­rá­rio, do dia da se­ma­na. Tam­bém de­pen­de de em qu­an­tas pes­so­as es­ta­mos, o vo­lu­me do som, a in­te­ra­ção com o pú­bli­co. Tem gen­te que não tem co­mo con­tri­buir fi­nan­cei­ra­men­te, mas dá uma pa­la­vra de in­cen­ti­vo que já mu­da o nos­so dia.”

No dia em que o Es­ta­do acom­pa­nhou a apre­sen­ta­ção, a mai­o­ria dos pas­sa­gei­ros in­te­ra­giu e fil­mou o gru­po com o ce­lu­lar. Uma pas­sa­gei­ra pe­diu uma con­ta ban­cá­ria pa­ra fa­zer um de­pó­si­to, por­que não ti­nha di­nhei­ro vi­vo.

Tam­bém sem tra­ba­lho fi­xo, Ali­ne tem ou­tras ocu­pa­ções além da dança: tra­ba­lha co­mo mo­de­lo e faz ma­qui­a­gem pa­ra fes­tas e vi­de­o­cli­pes de mú­si­ca. Ela tam­bém ten­ta ga­ran­tir seu lu­gar ao sol no mun­do dos in­flu­en­cers com seu Ins­ta­gram, que tem 18 mil se­gui­do­res.

A qual­quer ho­ra. Cer­ca de 20 jo­vens par­ti­ci­pam do gru­po de WhatsApp Hip Hop no Trem. Tem qu­em dança de ma­nhã e qu­em só po­de à tar­de ou à noi­te. Os in­te­gran­tes se apre­sen­tam em to­das as li­nhas, mas é na 2Ver­de que o fa­tu­ra­men­to é mai­or. “Os va­gões fi­cam chei­os de gen­te sain­do da fa­cul­da­de à noi­te, e eles ado­ram ver. Na li­nha 2-Ver­de o pes­so­al apoia mui­to a cul­tu­ra”, diz Mar­tins.

O jo­vem ten­tou tra­ba­lhar em um em­pre­go com car­tei­ra as­si­na­da, com ho­rá­rio pa­ra en­trar e sair. Gas­ta­va a so­la do sa­pa­to nos cor­re­do­res e ba­nhei­ros de um shop­ping na zo­na nor­te. Ti­nha cra­chá, car­go de au­xi­li­ar de lim­pe­za e não pre­ci­sa­va cor­rer de se­gu­ran­ças. Mas a ca­be­ça e os pés es­ta­vam na dança.

Dei­xou o em­pre­go e pas­sou um tem­po dan­çan­do em cru­za­men­tos da ci­da­de. No iní­cio do ano, per­ce­beu que os va­gões do Me­trô po­de­ri­am ser pal­cos in­for­mais.

Pro­cu­ra­do, o Me­trô afir­mou, em nota, “que per­mi­te e in­cen­ti­va a apre­sen­ta­ção de mú­si­cos e dan­ça­ri­nos em lo­cais apro­pri­a­dos e de for­ma co­or­de­na­da. No en­tan­to, a prá­ti­ca de dança den­tro dos trens é proi­bi­da”. A nota diz ain­da “que os mú­si­cos não po­dem so­li­ci­tar ou re­ce­ber con­tri­bui­ções do pú­bli­co.”

“Às ve­zes al­guém en­tra­va no ba­nhei­ro (do shop­ping) e me pe­ga­va dan­çan­do. Per­ce­bi que pre­ci­sa­va sair da­li.” Da­ni­lo Mar­tins, de 29

DANÇARINO

TIAGO QU­EI­ROZ/ESTADÃO

Mor­tal. Ob­ser­va­do por pas­sa­gei­ros e co­le­gas do gru­po Hip Hop no Trem, Ro­bert Or­lan­do sal­ta em apre­sen­ta­ção no tre­cho Bar­ra Fun­da-Re­pú­bli­ca

FO­TOS TIAGO QU­EI­ROZ / ESTADÃO

No trem. Gru­po se apre­sen­ta em to­das as li­nhas, mas é na 2-Ver­de que o fa­tu­ra­men­to é me­lhor, con­ta Mar­tins

Ex­tra. Ali­ne dança, é ma­qui­a­do­ra e tra­ba­lha co­mo mo­de­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.