In­cen­ti­vo ao co­nhe­ci­men­to

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - RUY ALTENFELDE­R CU­RA­DOR DOS PRÊMIOS FUN­DA­ÇÃO BUN­GE, É PRE­SI­DEN­TE DO CON­SE­LHO SU­PE­RI­OR DE ES­TU­DOS AVANÇADOS (CONSEA-FIESP)

Uma das mais tra­di­ci­o­nais e pres­ti­gi­o­sas hon­ra­ri­as con­ce­di­das a ho­mens e mu­lhe­res das ci­ên­ci­as, das ar­tes e das le­tras no Bra­sil é tam­bém uma das mais abran­gen­tes. Cri ado­em 1955 e ou­tor­ga­do anu­al­men­te des­de 1956, o Prê­mio Fun­da­ção Bun­ge já ho­me­na­ge­ou qua­se du­as cen­te­nas de pes­qui­sa­do­res de di­ver­sos cam­pos da ci­ên­cia, bem co­mo re­pre­sen­tan­tes das mais va­ri­a­das ma­ni­fes­ta­ções ar­tís­ti­cas e li­te­rá­ri­as pro­du­zi­das no País.

Na pri­mei­ra se­ma­na de ou­tu­bro es­sa tra­di­ção se re­no­va, co­ma con­sa­gra­ção do tra­ba­lho do en­ge­nhei­ro agrô­no­mo Lu­ci­a­no Cor­do­val de Bar­ros, da Em­pre­sa Bra­si­lei­ra de Pes­qui­sa Agro­pe­cuá­ria (Em­bra­pa), e da ex­ten­si­o­nis­ta da Em­pre­sa de As­sis­tên­cia Téc­ni­ca e Ex­ten­são Ru­ral do Es­ta­do de Mi­nas Ge­rais (Ema­ter) Már­cia Al­ves Esteves, res­pon­sá­veis por im­por­tan­tes con­tri­bui­ções no cam­po da agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar; e dos ar­tis­tas Pau­lo Ito e Raiz, cu­jas obras em gra­fi­te pe­las ru­as de São Pau­lo e de Ma­naus, res­pec­ti­va­men­te, são aplau­di­das co­mo exem­plos no­tá­veis da ar­te vi­su­al de rua na­ci­o­nal. Lu­ci­a­no e Pau­lo re­ce­bem o prê­mio na ca­te­go­ria Vi­da e Obra, en­quan­to Már­cia e Raiz são re­co­nhe­ci­dos na ca­te­go­ria Ju­ven­tu­de, con­ce­di­do apes­so­as de até 35 anos de ida­de.

A es­co­lha de dois te­mas-fo­co tão es­pe­cí­fi­cos–agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar e ar­te vi­su­ald eru a–e,à pri­mei­ra vis­ta, não di­re­ta­men­te re­la­ci­o­na­dos à atu­a­ção de um agi­gan­te glo­bal do­ag ro­ne gó ci­oéa pe­nas amais re­cen­te de­mons­tra­ção da abran­gên­cia que a fun­da­ção procura dar à pre­mi­a­ção. Que é, jus­ta­men­te, uma das mai­o­res for­ças do pro­je­to. Ao lon­go de sua his­tó­ria, ten­do ce­le­bra­do per­so­na­li­da­des de to­da sor­te – ar­tis­tas cir­cen­ses, es­cul­to­res, mé­di­cos, geó­gra­fos, ma­te­má­ti­cos, oce­a­nó­gra­fos, edu­ca­do­res, ju­ris­tas, ar­queó­lo­gos, crí­ti­cos, lin­guis­tas, ro­man­cis­tas; alis­ta com­ple­taé de­ma­si­a­do ex­ten­sa –, o prê­mio se­gue fa­zen­do jus ao propósito ori­gi­nal que le­vou aB un­ge a cons­ti­tuir a sua fun­da­ção, mais de­seis dé­ca­das atrás: pro­mo­ve­ra ex­ce­lên­cia, o co­nhe­ci­men­to hu­ma­no, em to­da a sua di­ver­si­da­de.

Nos di­as atu­ais, pou­cas mis­sões se mos­tram tão ne­ces­sá­ri­as quan­to es­ta: a de va­lo­ri­za­ção do sa­ber e, em es­pe­ci­al, das pes­so­as que cons­tro­em o sa­ber. Pa­ra além do jus­to re­co­nhe­ci­men­to dos pre­mi­a­dos, creio que se­ria ex­ce­len­te ha­ver ini­ci­a­ti­vas se­me­lhan­tes de ou­tras em­pre­sas e ins­ti­tui­ções da so­ci­e­da­de ci­vil, in­de­pen­den­te­men­te do se­tor em que atu­am, de de­fe­sa e in­cen­ti­vo à pro­du­ção do co­nhe­ci­men­to co­mo um va­lor em si. Te­nho a con­vic­ção de que a cri­a­ti­vi­da­de e o co­nhe­ci­men­to são os me­lho­res instrument­os de que dis­po­mos pa­ra a pro­mo­ção de de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al e econô­mi­co em ba­ses sus­ten­tá­veis – ou­tro propósito a que a Fun­da­ção Bun­ge se de­di­ca. O que nos le­va de vol­ta aos dois te­mas con­tem­pla­dos pe­lo prê­mio des­te ano, co­mo bons exem­plos do que que­ro di­zer.

Co­me­ce­mos pe­la agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar, se­tor cu­ja re­le­vân­cia pa­ra o Bra­sil e pa­ra o mun­do já é, há al­gum tem­po, in­ques­ti­o­ná­vel. Em nú­me­ros: 80% da pro­du­ção mun­di­al de ali­men­tos vem, ho­je, de pro­du­to­res fa­mi­li­a­res (no Bra­sil, a ex­pres­são abran­ge tam­bém sil­vi­cul­to­res, aqui­cul­to­res, ex­tra­ti­vis­tas, pes­ca­do­res, in­dí­ge­nas, qui­lom­bo­las e as­sen­ta­dos). Ge­ran­do 65% do fa­tu­ra­men­to anu­al do agro­ne­gó­cio na­ci­o­nal, é tam­bém a agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar a mai­or res­pon­sá­vel pe­lo de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co das áre­as ru­rais do País, on­de em­pre­ga mais de 70% da po­pu­la­ção.

É na es­fe­ra da pro­du­ção de co­nhe­ci­men­to, po­rém, que a es­co­lha pe­lo te­ma da agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar se mos­tra mais ali­nha­da à tra­di­ção do Prê­mio Fun­da­ção Bun­ge. Di­fe­ren­te­men­te da agri­cul­tu­ra in­dus­tri­al, de lar­ga es­ca­la, que ope­ra com fa­to­res em sua mai­o­ria já co­nhe­ci­dos e con­tro­la­dos, são os pe­que­nos pro­du­to­res, em in­te­ra­ção di­re­ta com re­cur­sos na­tu­rais os mais di­ver­sos, que pri­mei­ro entram em con­ta­to com no­vas va­ri­e­da­des, no­vos de­sa­fi­os am­bi­en­tais e re­a­li­zam pro­ces­sos ini­ci­ais de me­lho­ra­men­to de or­ga­nis­mos e téc­ni­cas que mais adi­an­te se re­ve­lam de­ci­si­vos pa­ra o ad­ven­to de tec­no­lo­gi­as agrá­ri­as mais efi­ci­en­tes. Há um pa­trimô­nio de sa­be­res nas co­mu­ni­da­des de agri­cul­to­res fa­mi­li­a­res que pre­ci­sa ser res­pei­ta­do, pre­ser­va­do e – num in­ter­câm­bio sau­dá­vel com a aca­de­mia e a in­dús­tria – apli­ca­do em prol da pro­du­ti­vi­da­de agrí­co­la sus­ten­tá­vel.

Ana­lo­ga­men­te, tam­bém é de pa­trimô­nio que es­ta­mos fa­lan­do quan­do pen­sa­mos em ar­te vi­su­al de rua. Um pa­trimô­nio de sa­be­res es­té­ti­cos e dis­cur­si­vos em tor­no de te­mas e ques­tões que es­tão vi­vos na so­ci­e­da­de, mas nem sem­pre se en­con­tram re­pre­sen­ta­dos nos es­pa­ços ins­ti­tu­ci­o­nais de pro­du­ção do pen­sa­men­to na­ci­o­nal. Os gra­fi­tes de for­te cu­nho po­lí­ti­co pe­los quais Pau­lo Ito é ho­je in­ter­na­ci­o­nal­men­te ad­mi­ra­do, as­sim co­mo as re­pre­sen­ta­ções de cul­tu­ras in­dí­ge­nas amazô­ni­cas nas obras do jo­vem Raiz (o pseudô­ni­mo de Rai Cam­pos Lu­ce­na), são sa­be­res que tal­vez pre­ci­sem me­nos do re­co­nhe­ci­men­to ofi­ci­al da aca­de­mia e do mer­ca­do do que o con­trá­rio.

A aca­de­mia e o mer­ca­do da ar­te, na ver­da­de, é que têm mui­to a ga­nhar, e a se re­no­var, com o agu­do sen­so crí­ti­co e o so­pro de di­ver­si­da­de, li­ber­da­de e in­de­pen­dên­cia que a ar­te vi­su­al de rua de­mons­tra em seus me­lho­res mo­men­tos. E cu­jo im­pac­to, aliás, tam­bém po­de ser es­ti­ma­do em nú­me­ros. Bas­ta di­zer que, de acor­do com da­dos do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Mu­seus, em 2017 os dez mu­seus mais vi­si­ta­dos do País receberam, jun­tos, um pú­bli­co de qua­se 9 mi­lhões de pes­so­as. So­men­te no tú­nel que liga a Dou­tor Ar­nal­do e a Pau­lis­ta, du­as das prin­ci­pais ave­ni­das de São Pau­lo, um já his­tó­ri­co re­du­to do gra­fi­te na­ci­o­nal é visto pe­lo mes­mo nú­me­ro de pes­so­as em ape­nas qua­tro me­ses.

A ar­te de rua tem o que di­zer. A agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar tem o que en­si­nar. O que ini­ci­a­ti­vas co­mo o Prê­mio Fun­da­ção Bun­ge fa­zem é reconhecer o va­lor des­ses dis­cur­sos e en­si­na­men­tos, am­pli­ar ain­da mais o seu al­can­ce e se­guir in­cen­ti­van­do a pro­du­ção e a tro­ca de co­nhe­ci­men­tos, na cons­tru­ção de um Bra­sil me­lhor.

Ini­ci­a­ti­vas co­mo o Prê­mio Fun­da­ção Bun­ge con­tri­bu­em pa­ra um Bra­sil me­lhor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.