COM ‘TI­ME QUE NÃO EN­CAI­XOU’, CHA­PE QUER EVI­TAR VEXAME

O Estado de S. Paulo - - Esportes - /D.B. e G.J.

Amá si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra da Cha­pe­co­en­se se re­fle­te den­tro de cam­po. O ti­me ca­ta­ri­nen­se so­fre no Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro e amar­ga a zo­na de re­bai­xa­men­to. A di­re­to­ria ad­mi­te ter fei­to es­co­lhas er­ra­das ao lon­go da tem­po­ra­da, que po­dem pro­vo­car o pri­mei­ro re­bai­xa­men­to da his­tó­ria do clu­be.

“Nos­so ti­me não en­cai­xou, não deu liga”, re­su­me Pau­lo Ma­gro, pre­si­den­te em exer­cí­cio. O pro­ble­ma não é de ago­ra. De 2017 pa­ra cá, já pas­sa­ram oi­to trei­na­do­res pe­lo clu­be, sen­do três só nes­te ano. “Acho que a gen­te de­ve­ria ter da­do mais tem­po aos trei­na­do­res, mas tem a pres­são da tor­ci­da e a cul­tu­ra do fu­te­bol é ime­di­a­tis­ta”, de­fen­de-se Ma­gro.

Des­de que dei­xou a Sé­rie D do Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro, a Cha­pe­co­en­se nun­ca foi re­bai­xa­da. O téc­ni­co Mar­qui­nhos San­tos e seu elen­co ten­tam evi­tar o vexame his­tó­ri­co de uma que­da. “A gen­te acre­di­ta que dá pa­ra re­ver­ter. Es­tão che­gan­do al­guns jo­ga­do­res e va­mos me­lho­rar”, apos­ta o di­ri­gen­te.

Mar­qui­nhos San­tos con­ta com o aval da di­re­to­ria, mas não era a pri­mei­ra op­ção. O ti­me foi atrás do téc­ni­co Lis­ca, mas ele pe­diu um salário mui­to ele­va­do e as con­ver­sas não fo­ram adi­an­te. O fa­to é que su­ces­si­vos er­ros de con­tra­ta­ção tan­to de téc­ni­cos co­mo de jo­ga­do­res cul­mi­na­ram na si­tu­a­ção de­li­ca­da vi­vi­da pe­lo ti­me ca­ta­ri­nen­se. O clu­be in­ves­tiu pe­sa­do em al­guns atle­tas que não de­ram o re­tor­no es­pe­ra­do e a con­ta es­tá sen­do pa­ga ago­ra.

Apos­ta nos jo­vens. Com um elen­co li­mi­ta­do, uma das saí­das po­de ser apos­tar na ba­se, al­go co­mum pa­ra um clu­be que es­tá em si­tu­a­ção com­pli­ca­da e sem di­nhei­ro. Cin­co jo­ga­do­res são vis­tos com bons olhos e po­dem ren­der em cam­po ou em uma fu­tu­ra ne­go­ci­a­ção: o za­guei­ro Hi­a­go, o vo­lan­te Thar­lis, o meia Vi­ni Lo­ca­tel­li, o ata­can­te Ré­gis e o prin­ci­pal de­les, o go­lei­ro Ti­e­po, des­ta­que da equi­pe.

A ba­se, in­clu­si­ve, é vis­ta co­mo uma sal­va­ção pa­ra um fu­tu­ro pró­xi­mo. Em fe­ve­rei­ro, o di­ri­gen­te Jo­sé Car­los Bru­no­ro, fa­mo­so por seu bom tra­ba­lho no Palmeiras, nos tem­pos de Par­ma­lat, foi con­tra­ta­do pa­ra re­for­mu­lar a ba­se e fa­zer o ti­me re­ve­lar no­vos ta­len­tos.

A ex­pec­ta­ti­va da di­re­to­ria é de que o ti­me con­si­ga es­ca­par do re­bai­xa­men­to e ven­der pe­lo me­nos um jo­ga­dor por uma boa quan­tia. Ti­e­po é o mais vi­sa­do nos mer­ca­dos na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal. Mas, an­tes de pen­sar em ne­go­ci­a­ção, a or­dem é evi­tar o re­bai­xa­men­to da Cha­pe­co­en­se no fim do ano.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.