EN­TRE­VIS­TA

Ne­to, jo­ga­dor da Cha­pe­co­en­se e so­bre­vi­ven­te do aci­den­te aé­reo

O Estado de S. Paulo - - Esportes -

1.

De­pois de três anos, qual é o seu sen­ti­men­to so­bre a tra­gé­dia?

A im­pu­ni­da­de dói mais do que a tra­gé­dia. A tra­gé­dia tem de ser su­pe­ra­da. Ao ob­ser­var o ou­tro la­do de to­da a tra­gé­dia, a gen­te vê im­pu­ni­da­de. Pa­ra a se­gu­ra­do­ra, aque­les que fi­ze­ram os con­tra­tos e tam­bém pa­ra os paí­ses en­vol­vi­dos, so­mos nú­me­ros que fi­ca­ram pa­ra trás.

2.

Qu­em é o res­pon­sá­vel?

A res­pon­sa­bi­li­da­de tem de ser de to­dos que es­tão en­vol­vi­dos e que er­ra­ram de cer­ta for­ma. Não foi só o pi­lo­to. É só ver o se­gu­ro fei­to, os er­ros co­me­ti­dos. Ti­ve­mos paí­ses, agências, se­gu­ra­do­ras, res­se­gu­ra­do­ras. O con­tra­to es­ta­va em ina­dim­plên­cia, mas a in­for­ma­ção não che­gou pa­ra ne­nhum ór­gão que pu­des­se im­pe­dir o voo. Er­ros atrás de er­ros. O erro fi­nal foi a tra­gé­dia. Nos­sa lu­ta em Lon­dres pas­sa por is­so.

3. Quais os trau­mas que fi­ca­ram?

Ti­ve uma di­fi­cul­da­de gran­de de an­dar de avião no­va­men­te. Eu não an­do de for­ma con­for­tá­vel. Mi­nha fa­mí­lia tam­bém fi­cou com trau­ma, prin­ci­pal­men­te os meus fi­lhos. Te­nho um ca­sal de gê­me­os. Eles têm me­do de avião.

4.

Quais as lem­bran­ças que fi­ca­ram de­pois de três anos?

Eu me lem­bro prin­ci­pal­men­te de mo­men­tos an­tes da tra­gé­dia. Eu me lem­bro de olhar pa­ra meus com­pa­nhei­ros. Olhar pa­ra o gran­de amigo que eu per­di, o Bru­no Ran­gel. Era um ído­lo pa­ra mim e fez mui­to pe­lo clu­be. Eu me lem­bro do mo­men­to de ora­ção quan­do as lu­zes se apa­ga­ram an­tes de o avião cair, me lem­bro de per­ce­ber que o avião não es­ta­va mais li­ga­do, res­pi­rar fun­do e orar.

5.

Co­mo vo­cê es­tá fi­si­ca­men­te?

Es­tou no meu me­lhor mo­men­to de­pois da tra­gé­dia. Foi um pou­co mais de­mo­ra­do pa­ra re­cu­pe­rar a con­di­ção, tam­bém por con­ta das le­sões. A pos­si­bi­li­da­de de vol­tar a jo­gar é boa. Que­ria vol­tar pa­ra en­cer­rar a car­rei­ra que foi de­sa­jus­ta­da de for­ma tão trá­gi­ca.

SIRLI FREI­TAS / CHA­PE­CO­EN­SE–12/4/2016

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.