Ad­mi­rá­vel mun­do no­vo

O Estado de S. Paulo - - Economia - LUÍS EDU­AR­DO AS­SIS

Já acon­te­ceu an­tes, mas des­ta vez po­de ser di­fe­ren­te. En­tre 2011 e 2012, o go­ver­no Dilma for­çou o cor­te nas ta­xas Se­lic mes­mo com a ex­pec­ta­ti­va de inflação sis­te­ma­ti­ca­men­te aci­ma da me­ta do Ban­co Cen­tral. A ope­ra­ção vo­lun­ta­ri­o­sa foi um fra­cas­so. A inflação em 12 me­ses pas­sou de 4,9% em ju­nho de 2012 pa­ra 6,6% em mar­ço de 2013, o que obri­gou o Ban­co Cen­tral a pro­mo­ver um lon­go ci­clo de 16 ele­va­ções con­se­cu­ti­vas, que ter­mi­nou ape­nas em ju­lho de 2015, com a ta­xa bá­si­ca a 14,25%. Mes­mo as­sim, a inflação anu­al ba­teu em 10,7% em ja­nei­ro de 2016. Por que po­de ser di­fe­ren­te ago­ra?

A gran­de di­fe­ren­ça é que des­ta vez a con­ju­ga­ção en­tre es­tag­na­ção econô­mi­ca e a au­sên­cia de cho­ques de ofer­ta le­vou a inflação pa­ra pa­ta­ma­res ex­tre­ma­men­te bai­xos, ain­da mais pa­ra uma eco­no­mia que ain­da con­vi­ve (até quan­do?) com me­ca­nis­mos de in­de­xa­ção. Olhan­do pa­ra trás, o ju­ro re­al cal­cu­la­do pe­la com­pa­ra­ção en­tre a ta­xa Se­lic e o IPCA dos úl­ti­mos 12 me­ses es­tá em 2,9 pon­tos por­cen­tu­ais. Is­so é me­nos da me­ta­de dos 7,4 pon­tos ao ano que re­pre­sen­tam a mé­dia do ju­ro re­al dos úl­ti­mos 20 anos. Olhan­do pa­ra a fren­te, con­fron­tan­do os juros pre­fi­xa­dos de um ano com a ex­pec­ta­ti­va de inflação do mer­ca­do pa­ra os pró­xi­mos 12 me­ses, te­mos 1,4 pon­to por­cen­tu­al ape­nas. Es­te mes­mo in­di­ca­dor pa­ra os úl­ti­mos 20 anos re­gis­trou mé­dia de 5 pon­tos por­cen­tu­ais.

Es­ta­mos pres­tes a vi­ver a inu­si­ta­da si­tu­a­ção de ter co­mo nor­ma juros re­ais e no­mi­nais re­la­ti­va­men­te bai­xos. Is­so mu­da mui­ta coi­sa. Do pon­to de vis­ta do in­ves­ti­dor, a vi­da se­rá mais di­fí­cil – o que pa­re­ce jus­to. Os juros, co­mo se sa­be, re­pre­sen­tam o pagamento pe­lo tem­po. Com juros cro­ni­ca­men­te ele­va­dos, era co­mo se o tem­po do bra­si­lei­ro va­les­se mais. Pa­ra os pou­cos fe­li­zar­dos que po­dem pou­par e adi­ar seu consumo, ven­den­do tem­po, a re­com­pen­sa era um ga­nho exa­ge­ra­do, o que es­ti­mu­lou a prá­ti­ca do ren­tis­mo pre­co­ce, es­por­te ge­nui­na­men­te na­ci­o­nal. Na ou­tra pon­ta, qu­em não con­se­gue pou­par e quer adi­an­tar seu consumo, com­pran­do tem­po, pa­ga mui­to ca­ro. É evi­den­te que es­ta de­ge­ne­res­cên­cia é uma das cau­sas da con­cen­tra­ção de ren­da en­tre nós. Juros mais bai­xos ate­nu­am es­sa dis­tor­ção, prin­ci­pal­men­te se os ban­cos não se apro­pri­a­rem da que­da da Se­lic pa­ra en­gor­da­rem su­as mar­gens.

Tam­bém po­de­mos es­pe­rar uma va­lo­ri­za­ção de al­guns ati­vos, es­pe­ci­al­men­te imó­veis e ações. Sem op­ções na ren­da fi­xa, in­ves­ti­do­res te­rão de di­ver­si­fi­car seu port­fó­lio.

Do pon­to de vis­ta do go­ver­no, as mu­dan­ças tam­bém são no­tá­veis. O go­ver­no fe­de­ral pa­gou em juros nos 12 me­ses acu­mu­la­dos até agos­to de 2019 R$ 296,7 bi­lhões, ajus­ta­dos pe­la inflação. É mui­to, mas re­pre­sen­ta 43% me­nos que o re­cor­de de R$ 521,6 bi­lhões pa­gos nos 12 me­ses ter­mi­na­dos em ja­nei­ro de 2016. Em tra­ba­lho de 2018, L. C Ma­ga­lhães e C. Costa (Ar­ran­jos Ins­ti­tu­ci­o­nais, Cus­to da Dívida Pú­bli­ca e Equi­lí­brio Fis­cal, Ipea) cha­mam a aten­ção pa­ra a carga de juros, a “des­pe­sa au­sen­te” que tem si­do tra­ta­da co­mo uma fa­ta­li­da­de e que com­pri­me os gas­tos de cus­teio

Es­ta­mos pres­tes a vi­ver a inu­si­ta­da si­tu­a­ção de ter co­mo nor­ma juros no­mi­nais e re­ais re­la­ti­va­men­te bai­xos

e, prin­ci­pal­men­te, de in­ves­ti­men­to. A que­da dos juros é uma opor­tu­ni­da­de histórica pa­ra re­ver o ar­ca­bou­ço ins­ti­tu­ci­o­nal que di­lui a efi­cá­cia da po­lí­ti­ca monetária. Juros mais bai­xos tam­bém reduzem o es­pa­ço de ar­bi­tra­gem pa­ra gran­des in­ves­ti­do­res in­ter­na­ci­o­nais man­da­rem sua gra­na pas­sar férias no Bra­sil, o que aju­dou a va­lo­ri­zar o re­al e ace­le­rar o gra­ve pro­ces­so de de­sin­dus­tri­a­li­za­ção por que pas­sa­mos.

A que­da de juros não cu­ra es­pi­nhe­la caí­da nem tra­rá seu amor de vol­ta. Nem se­quer es­ti­mu­la­rá de pron­to os in­ves­ti­men­tos, co­mo su­ge­rem as ver­sões sim­pli­fi­ca­das dos li­vros di­dá­ti­cos de Ma­cro­e­co­no­mia. Mas é uma boa no­vi­da­de, cu­jas con­sequên­ci­as po­si­ti­vas não de­vem ser su­bes­ti­ma­das.

ECO­NO­MIS­TA, FOI DI­RE­TOR DE PO­LÍ­TI­CA MONETÁRIA DO BAN­CO CEN­TRAL E PRO­FES­SOR DE ECO­NO­MIA DA PUC-SP E DA FGV-SP. E-MAIL: LUISEDUARD­[email protected]

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.