A bi­li­o­ná­ria aven­tu­ra pe­tis­ta

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

A de­sas­tro­sa po­lí­ti­ca econô­mi­co-fi­nan­cei­ra dos go­ver­nos lu­lo­pe­tis­tas já cus­tou mais de R$ 250 bi­lhões aos con­tri­buin­tes. E con­ti­nu­a­rá im­pon­do cus­tos ao País até 2041.

A de­sas­tro­sa po­lí­ti­ca econô­mi­co-fi­nan­cei­ra com que os go­ver­nos lu­lo­pe­tis­tas ten­ta­ram pro­te­ger a eco­no­mia do País do im­pac­to da cri­se fi­nan­cei­ra mun­di­al ini­ci­a­da no se­gun­do se­mes­tre de 2008, com a que­bra de um dos mais tra­di­ci­o­nais ban­cos de investimen­tos dos Es­ta­dos Unidos, já cus­tou mais de R$ 250 bi­lhões aos con­tri­buin­tes bra­si­lei­ros. E, de acor­do com bo­le­tim so­bre os cus­tos fis­cais des­sa po­lí­ti­ca ela­bo­ra­do pe­la Se­cre­ta­ria do Te­sou­ro Na­ci­o­nal re­la­ti­vo ao quar­to bi­mes­tre, mes­mo ten­do si­do ela sus­pen­sa em 2016, já no go­ver­no de Mi­chel Te­mer, con­ti­nu­a­rá im­pon­do cus­tos ao País até 2041.

De­cer­to es­sa aven­tu­ra da era lu­lo­pe­tis­ta, uma das mais one­ro­sas pa­ra a po­pu­la­ção en­tre tantas que ocor­re­ram no pe­río­do, pro­du­ziu ga­nha­do­res. São em­pre­sas e em­pre­sá­ri­os es­co­lhi­dos pe­los go­ver­nos do PT, que lhes ofe­re­ce­ram di­nhei­ro a cus­to mui­to bai­xo, a pre­tex­to de es­ti­mu­lar investimen­tos pa­ra im­pul­si­o­nar a ati­vi­da­de econô­mi­ca. Os re­sul­ta­dos, pa­ra o País, fo­ram nu­los ou qua­se nu­los em ter­mos de cres­ci­men­to econô­mi­co. Mas mui­tos dos que to­ma­ram di­nhei­ro a ju­ros ne­ga­ti­vos ofe­re­ci­dos pe­lo Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al (BNDES) ob­ti­ve­ram imen­sos ga­nhos sem au­men­tar sua pro­du­ção nem con­tra­tar tra­ba­lha­do­res, co­mo era o ob­je­ti­vo anun­ci­a­do des­sas ope­ra­ções, pois di­re­ci­o­na­ram o va­lor as­sim ob­ti­do pa­ra investimen­tos fi­nan­cei­ros mui­to mais ren­tá­veis.

De acor­do com o bo­le­tim do Te­sou­ro, en­tre 2009 – no go­ver­no Lu­la da Sil­va, quan­do foi lan­ça­do o Pro­gra­ma de Sus­ten­ta­ção do In­ves­ti­men­to (PSI) – e agos­to des­te ano, os sub­sí­di­os de na­tu­re­za fi­nan­cei­ra so­ma­ram R$ 74,4 bi­lhões. Já os sub­sí­di­os de na­tu­re­za cre­di­tí­cia al­can­ça­ram R$ 179,3 bi­lhões. A so­ma das du­as mo­da­li­da­des de sub­sí­di­os al­can­ça R$ 253,7 bi­lhões, em va­lo­res cor­ri­gi­dos pe­lo Ín­di­ce Na­ci­o­nal de Pre­ços ao Con­su­mi­dor Am­plo (IPCA), a me­di­da ofi­ci­al da in­fla­ção cal­cu­la­da pe­lo IBGE.

Os sub­sí­di­os fi­nan­cei­ros, tam­bém cha­ma­dos de sub­sí­di­os ex­plí­ci­tos, re­sul­tam da di­fe­ren­ça en­tre a ta­xa de ju­ros re­ce­bi­da pe­lo BNDES e a ta­xa de ju­ros pa­ga por quem to­mou o em­prés­ti­mo. Es­sa di­fe­ren­ça é re­pas­sa­da pe­lo Te­sou­ro ao BNDES (e à Fi­nep, em par­te dos ca­sos). Já os sub­sí­di­os cre­di­tí­ci­os, ou im­plí­ci­tos, de­cor­rem da di­fe­ren­ça en­tre o cus­to de cap­ta­ção do Te­sou­ro e o cus­to con­tra­tu­al dos em­prés­ti­mos con­ce­di­dos pe­lo BNDES.

Os fi­nan­ci­a­men­tos con­ce­di­dos de acor­do com o PSI re­gis­tra­ram um gran­de sal­to en­tre o ano em que efe­ti­va­men­te co­me­çou a ser ope­ra­do e o se­guin­te. Pas­sou de R$ 8,3 bi­lhões em 2009 pa­ra R$ 18,9 bi­lhões em 2010, não por aca­so o ano da pri­mei­ra elei­ção pre­si­den­ci­al ven­ci­da por Dil­ma Rous­seff. Es­ses va­lo­res dão uma ideia dos re­cur­sos pú­bli­cos que Lu­la da Sil­va mo­bi­li­zou pa­ra ele­ger seu “pos­te”, co­mo era con­si­de­ra­da a can­di­da­ta até en­tão pou­co co­nhe­ci­da do elei­to­ra­do.

Pi­or fez a elei­ta. Sem dis­por de um pro­gra­ma ar­ti­cu­la­do de pre­ser­va­ção da relativa es­ta­bi­li­da­de fis­cal de que des­fru­tou seu cri­a­dor po­lí­ti­co e an­te­ces­sor – gra­ças so­bre­tu­do às bo­as con­di­ções do mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, que as­se­gu­ra­ram o cres­ci­men­to da eco­no­mia bra­si­lei­ra e, consequent­emente, da ar­re­ca­da­ção tri­bu­tá­ria –, de­di­cou-se à ir­res­pon­sá­vel gas­tan­ça, sem­pre de olho na re­e­lei­ção. Os fi­nan­ci­a­men­tos con­ce­di­dos pe­lo PSI su­bi­ram cons­tan­te­men­te no go­ver­no Dil­ma, até al­can­ça­rem R$ 43,3 bi­lhões em 2016, ano em que, afi­nal, foi sen­sa­ta­men­te in­ter­rom­pi­do, já no go­ver­no Te­mer.

No pe­río­do Dil­ma, hou­ve ano em que o va­lor des­ti­na­do aos fi­nan­ci­a­men­tos con­ce­di­dos pe­lo PSI su­pe­rou o des­ti­na­do pa­ra um pro­gra­ma so­ci­al da am­pli­tu­de do Mi­nha Ca­sa Mi­nha Vi­da. Os go­ver­nos pe­tis­tas es­ti­mu­la­ram, en­tre ou­tras ações, a com­pra de ca­mi­nhões por pes­so­as fí­si­cas, o que fez au­men­tar a fro­ta dis­po­ní­vel, sem que a de­man­da cres­ces­se na mes­ma ve­lo­ci­da­de. O ex­ces­so de ofer­ta de trans­por­te tor­nou-se um dos mo­ti­vos prin­ci­pais das cri­mi­no­sas ma­ni­fes­ta­ções dos ca­mi­nho­nei­ros, que pa­ra­li­sa­ram o País em maio do ano pas­sa­do e ain­da in­ti­mi­dam au­to­ri­da­des fe­de­rais.

Fe­liz­men­te, os sub­sí­di­os con­ce­di­dos pe­lo PT es­tão di­mi­nuin­do, mas per­sis­ti­rão por mui­tos anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.