Tra­gé­dia au­men­ta cri­se fi­nan­cei­ra de Inho­tim

Au­di­to­ria le­van­ta dú­vi­da quan­to à con­ti­nui­da­de do ins­ti­tu­to que so­fre que­da de re­cei­ta após tra­gé­dia de Bru­ma­di­nho

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Le­o­nar­do Au­gus­to ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO BRU­MA­DI­NHO

Mai­or cen­tro de ar­te con­tem­po­râ­nea a céu aber­to do Bra­sil, Inho­tim so­fre que­da nas re­cei­tas de in­gres­sos e de con­tra­tos de pro­je­tos e con­vê­ni­os, so­bre­tu­do após a tra­gé­dia de Bru­ma­di­nho. Um re­la­tó­rio da au­di­to­ria Er­nest & Young le­van­ta dú­vi­das so­bre a con­ti­nui­da­de do ins­ti­tu­to. A di­re­ção de Inho­tim diz que não há ris­co de fe­cha­men­to.

As obras de ar­tis­tas bra­si­lei­ros e es­tran­gei­ros es­par­ra­ma­das pe­los 140 hec­ta­res de jar­dins co­lo­ri­dos e la­gos exu­be­ran­tes do Inho­tim já não são mais tão vis­tas. O mai­or cen­tro de ar­te con­tem­po­râ­nea a céu aber­to do Bra­sil, e um dos mais im­por­tan­tes do mun­do, re­gis­tra ho­je o que po­de ser o pi­or mo­men­to fi­nan­cei­ro de sua his­tó­ria, com que­da nas re­cei­tas de in­gres­sos e de con­tra­tos de pro­je­tos e con­vê­ni­os. A jul­gar pe­los nú­me­ros, o ce­ná­rio é dra­má­ti­co. A tal pon­to que a em­pre­sa de au­di­to­ria Er­nest & Young, res­pon­sá­vel pe­la re­a­li­za­ção do ba­lan­ço fi­nan­cei­ro do Inho­tim, aler­ta pa­ra a pos­si­bi­li­da­de de fe­cha­men­to do mu­seu.

To­dos os in­di­ca­do­res que apon­tam pa­ra o qua­dro pre­o­cu­pan­te das fi­nan­ças do cen­tro, lo­ca­li­za­do em Bru­ma­di­nho, na Gran­de Be­lo Ho­ri­zon­te, são re­fe­ren­tes a 2018 e anos an­te­ri­o­res, por­tan­to, não re­fle­tem o im­pac­to do rom­pi­men­to da bar­ra­gem da Va­le no mu­ni­cí­pio, em 25 de ja­nei­ro de 2019. Is­so tor­na o fu­tu­ro do mu­seu ain­da mais ne­bu­lo­so. Em re­la­tó­rio en­vi­a­do aos ad­mi­nis­tra­do­res e con­se­lhei­ros do Inho­tim em 8 de ju­lho, a E&Y afir­ma que o rom­pi­men­to da bar­ra­gem da Va­le “afe­tou e tem afe­ta­do di­re­ta­men­te o Ins­ti­tu­to Inho­tim”. En­tre ja­nei­ro e agos­to de 2019, já com­pu­ta­das, por­tan­to, as fé­ri­as de ja­nei­ro e ju­lho, o to­tal de vi­si­tan­tes foi de 174.938. O flu­xo anu­al con­si­de­ra­do nor­mal é de 350 mil vi­si­tan­tes.

Em ou­tro re­la­tó­rio, de 30 de ju­lho do ano pas­sa­do, ela­bo­ra­do com ba­se no ba­lan­ço de 2017, a em­pre­sa de au­di­to­ria, em tó­pi­co cha­ma­do de “In­cer­te­za re­le­van­te re­la­ci­o­na­da com a con­ti­nui­da­de ope­ra­ci­o­nal”, abor­dou pe­la pri­mei­ra vez a pos­si­bi­li­da­de de fe­cha­men­to do Inho­tim. O texto diz: “Cha­ma­mos a aten­ção pa­ra as de­mons­tra­ções con­tá­beis, que in­di­cam as ações to­ma­das pe­lo ins­ti­tu­to di­an­te da re­du­ção das do­a­ções re­ce­bi­das no ano. Es­sas con­di­ções in­di­cam a exis­tên­cia de in­cer­te­za sig­ni­fi­ca­ti­va que po­de le­van­tar dú­vi­da sig­ni­fi­ca­ti­va (sic) quan­to à ca­pa­ci­da­de de con­ti­nui­da­de ope­ra­ci­o­nal do ins­ti­tu­to”.

O pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do Inho­tim, Ricardo Ga­zel, afir­ma que a no­ta “é pra­xe”, co­lo­ca­da quan­do ocor­re mu­dan­ça mai­or em al­gum flu­xo de re­cei­ta. O exe­cu­ti­vo con­fir­ma que­das nas re­cei­tas do ins­ti­tu­to, in­flu­en­ci­a­das pe­lo sur­to de fe­bre ama­re­la no fi­nal de 2017 e em 2018, pe­la cri­se econô­mi­ca e pe­lo rom­pi­men­to da bar­ra­gem da Va­le em Bru­ma­di­nho, mas ne­ga que o Inho­tim vá fe­char.

A E&Y diz ain­da que as “de­mons­tra­ções con­tá­beis fo­ram pre­pa­ra­das no pres­su­pos­to de con­ti­nui­da­de nor­mal dos ne­gó­ci­os do ins­ti­tu­to, e não in­clu­em quais­quer ajus­tes que se­ri­am re­que­ri­dos no ca­so de even­tu­al pa­ra­li­sa­ção e/ou des­con­ti­nu­a­ção de su­as ati­vi­da­des. Nos­sa opi­nião não con­tém res­sal­va re­la­ci­o­na­da a es­se as­sun­to”, fi­na­li­za a Er­nest & Young. Em 2017, o Inho­tim re­gis­trou do­a­ções de R$ 8,3 mi­lhões, me­nos da me­ta­de do ano an­te­ri­or: R$ 17,2 mi­lhões.

A mes­ma no­ta de aler­ta foi co­lo­ca­da no re­la­tó­rio da Er­nest & Young en­vi­a­do ao co­man­do do Inho­tim em 8 de ju­lho, re­la­ti­vo ao ba­lan­ço de 2018. O aler­ta per­ma­ne­ceu, mes­mo de­pois de as do­a­ções, na­que­le ano, te­rem atin­gi­do R$ 11,1 mi­lhões – R$ 2,8 mi­lhões a mais que em 2017. Por ou­tro la­do, a re­cei­ta com in­gres­sos caiu no mes­mo pe­río­do de R$ 8 mi­lhões pa­ra R$ 6,3 mi­lhões. Nos pa­tro­cí­ni­os e con­vê­ni­os, tam­bém em 2018 an­te 2017, a re­du­ção foi de R$ 16,3 mi­lhões pa­ra R$ 10,5 mi­lhões.

Co­lo­ca­dos de la­do os nú­me­ros de ba­lan­ços, apon­ta­dos sem­pre co­mo tão fri­os, pas­se­mos aos que não pre­ci­sam de aná­li­ses pro­fun­das pa­ra ser in­ter­pre­ta­dos. Na ro­do­viá­ria da ca­pi­tal, o ôni­bus que par­te pa­ra o mu­seu saiu, na sex­ta, 20, com 10 pas­sa­gei­ros. No sá­ba­do, 19. E, no do­min­go, 13. Um homem, fre­quen­ta­dor das pla­ta­for­mas de embarque da ro­do­viá­ria de Be­lo Ho­ri­zon­te, co­men­tou: “O dia que mais en­che é quar­ta. Às ve­zes, sa­em dois ôni­bus”. Às quar­tas, a en­tra­da no Inho­tim é grátis. O veí­cu­lo tem ca­pa­ci­da­de pa­ra 42 pas­sa­gei­ros.

O es­ta­ci­o­na­men­to do Ins­ti­tu­to Inho­tim, com cer­ca de 900 va­gas, ti­nha, por vol­ta do mei­o­dia do do­min­go, 22, 94 veí­cu­los de pas­seio, um ôni­bus, um mi­cro-ôni­bus e qua­tro vans. Na en­tra­da, três dos seis gui­chês pa­ra com­pra de bi­lhe­te es­ta­vam em ope­ra­ção. Um avi­so aler­ta­va pa­ra ma­nu­ten­ção de seis ga­le­ri­as. Ape­sar da que­da na re­cei­ta, ba­nhei­ros es­tão lim­pos, li­xo re­co­lhi­do e não há si­nais de má con­ser­va­ção.

Tam­bém não há in­dí­ci­os de de­mis­sões. “Só sai quem quer”, diz uma fun­ci­o­ná­ria, que pe­de pa­ra não ser iden­ti­fi­ca­da. Quem tra­ba­lha há mais tem­po no Inho­tim, no en­tan­to, con­fir­ma o que es­tá no re­la­tó­rio da Er­nest & Young. “O mo­vi­men­to caiu por cau­sa do rom­pi­men­to da bar­ra­gem. As pes­so­as têm me­do de vi­si­tar o Inho­tim”, afir­ma ou­tro fun­ci­o­ná­rio. O re­la­to do mes­mo con­tra­ta­do pe­lo mu­seu mos­tra que ain­da há fal­ta de in­for­ma­ção em re­la­ção à tra­gé­dia da Va­le em Bru­ma­di­nho. “Ou­tro dia, um vi­si­tan­te me pe­diu pa­ra mos­trar no ma­pa do mu­seu o lo­cal em que a re­pre­sa rom­peu”, diz. O ma­pa a que se re­fe­re é o do Inho­tim, re­ce­bi­do na en­tra­da do mu­seu.

Re­a­ção. O se­cre­tá­rio de Tu­ris­mo de Bru­ma­di­nho, Mar­cos Pau­lo de Andrade Ama­bis, diz que Inho­tim po­de, sim, fe­char. “O cus­to ope­ra­ci­o­nal é mui­to al­to”, apon­ta. O se­cre­tá­rio re­la­ta os mo­ti­vos que, con­for­me acre­di­ta, fi­ze­ram com que o ins­ti­tu­to che­gas­se a es­sa si­tu­a­ção. A in­ci­dên­cia de fe­bre ama­re­la em Minas Ge­rais, en­tre o fi­nal de 2017 e o ano de 2018, re­du­ziu a frequên­cia de vi­si­tan­tes. Quan­to ao re­cuo nos con­vê­ni­os e pro­je­tos, a cul­pa, se­gun­do Ama­bis, é da cri­se econô­mi­ca vi­vi­da pe­lo País no pe­río­do.

“O Inho­tim vi­nha se re­cu­pe­ran­do, mas aí veio a tra­gé­dia da Va­le”, afir­ma o se­cre­tá­rio, men­ci­o­nan­do a úl­ti­ma pon­ta do tri­pé que, acre­di­ta, pre­ju­di­cou e vem pre­ju­di­can­do o mu­seu. Con­for­me o re­pre­sen­tan­te da pre­fei­tu­ra, com o rom­pi­men­to da bar­ra­gem da Va­le, que dei­xou 250 mor­tos e 20 de­sa­pa­re­ci­dos, o tu­ris­mo no mu­ni­cí­pio caiu 90%.

Pa­ra ten­tar au­men­tar o mo­vi­men­to no Inho­tim foi cri­a­da uma cam­pa­nha pu­bli­ci­tá­ria cha­ma­da “Abra­ce Bru­ma­di­nho”, que durou do fi­nal de maio até agos­to. “De­mos mui­ta ên­fa­se ao mu­seu. É o prin­ci­pal in­du­tor do tu­ris­mo no mu­ni­cí­pio”, re­al­ça o se­cre­tá­rio. Ou­tra ten­ta­ti­va de me­lho­rar o flu­xo de tu­ris­tas é o au­men­to da frequên­cia no nú­me­ro de shows no Inho­tim, com es­pe­tá­cu­los de mú­si­cos de re­no­me.

“É uma apre­sen­ta­ção a ca­da mês e meio. O in­gres­so é o mes­mo pa­ra en­trar no Inho­tim, mas com nú­me­ro li­mi­ta­do de es­pec­ta­do­res en­tre 3 mil e 3,5 mil pes­so­as”, in­for­ma tam­bém Ama­bis. Al­can­ça­do o li­mi­te, os tu­ris­tas po­dem, no mes­mo dia da apre­sen­ta­ção, con­ti­nu­ar aces­san­do o mu­seu, mas sem ver o show, con­for­me ex­pli­ca o se­cre­tá­rio. “Des­sa for­ma es­ta­mos ten­tan­do fa­zer com que as pes­so­as per­cam o me­do de ir ao Ins­ti­tu­to Inho­tim”, diz ain­da o se­cre­tá­rio. As apre­sen­ta­ções são fei­tas por pa­tro­ci­na­do­res via lei de in­cen­ti­vo à cul­tu­ra.

Pro­cu­ra­do pe­lo Es­ta­do, Ber­nar­do Paz, cri­a­dor do Ins­ti­tu­to Inho­tim, não foi lo­ca­li­za­do.

FO­TOS WASHING­TON AL­VES/ESTADÃO

Na­tu­re­za e ar­te. Ins­ti­tu­to es­tá na sua pi­or fa­se fi­nan­cei­ra

FO­TOS WASHING­TON AL­VES/ESTADÃO

Vi­si­tan­tes. Após tra­gé­dia da Va­le, tu­ris­mo no mu­ni­cí­pio caiu 90%

Mu­seu. Dia 22, das 900 va­gas do es­ta­ci­o­na­men­to só 100 es­ta­vam ocu­pa­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.