Ban­cos re­du­zem ju­ros na dis­pu­ta pe­lo cré­di­to imo­bi­liá­rio

No en­tan­to, pa­ra sa­ber se mu­dan­ça va­le a pe­na, é pre­ci­so se aten­tar a ou­tros cus­tos, co­mo ta­xa de ad­mi­nis­tra­ção

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - R.J. e A.B. /

O Bra­des­co anun­ci­ou a re­du­ção de ju­ros na dis­pu­ta pe­lo mer­ca­do de fi­nan­ci­a­men­to imo­bi­liá­rio. As no­vas con­di­ções já va­lem ho­je, quan­do tam­bém en­tra em vi­gor o cor­te anun­ci­a­do na sex­ta pe­lo Itaú. Os dois mai­o­res ban­cos pri­va­dos dis­pu­tam a vi­ce-li­de­ran­ça do se­tor, do­mi­na­do pe­la Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral tan­to em vo­lu­me quan­to em va­lor de con­ces­sões. Em uma se­ma­na, a ta­xa caiu 0,33 pon­to por­cen­tu­al, em um mo­vi­men­to que te­ve iní­cio ain­da em ju­lho com o San­tan­der, que não des­car­ta no­va re­du­ção.

A no­va on­da de que­da nas ta­xas pa­ra o fi­nan­ci­a­men­to imo­bi­liá­rio po­de aque­cer a por­ta­bi­li­da­de de dí­vi­da no se­tor. Se­gun­do Mi­guel Ri­bei­ro de Oliveira, di­re­tor da Associação Na­ci­o­nal dos Exe­cu­ti­vos de Fi­nan­ças, Ad­mi­nis­tra­ção e Con­ta­bi­li­da­de (Ane­fac), a tro­ca po­de va­ler a pe­na se a ta­xa do no­vo cré­di­to imo­bi­liá­rio es­ti­ver 0,5 pon­to por­cen­tu­al mais em con­ta do que a con­tra­ta­da no pas­sa­do.

No en­tan­to, pa­ra sa­ber se, de fa­to, le­var o fi­nan­ci­a­men­to pa­ra ou­tra ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra é um bom ne­gó­cio é pre­ci­so aten­tar ao cha­ma­do Cus­to Efe­ti­vo To­tal do fi­nan­ci­a­men­to imo­bi­liá­rio.

Nes­te cál­cu­lo, en­tra não ape­nas a ta­xa de ju­ros pra­ti­ca­da pe­lo ban­co, mas tam­bém os se­gu­ros por mor­te e in­va­li­dez per­ma­nen­te in­cluí­dos no fi­nan­ci­a­men­to. Ou­tro cus­to a ser ob­ser­va­do é a ta­xa de ad­mi­nis­tra­ção das con­tas en­vol­vi­das.

“Es­sas ta­xas têm um im­pac­to im­por­tan­te na pres­ta­ção por­que va­ri­am de se­gu­ra­do­ra pa­ra se­gu­ra­do­ra. Elas são ba­se­a­das no pra­zo do fi­nan­ci­a­men­to e na ida­de do con­tra­tan­te”, ex­pli­ca o professor do MBA em Ges­tão de Ne­gó­ci­os Imo­bi­liá­ri­os da Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas Sér­gio Ca­no.

Pa­ra Ca­no, o con­fron­to de ta­xas de ju­ros é be­né­fi­co à concorrênc­ia en­tre ins­ti­tui­ções e ali­via cus­tos ao con­su­mi­dor. Ele afir­ma, po­rém, que a por­ta­bi­li­da­de ain­da não é tão uti­li­za­da quan­to po­de­ria no País. “Mui­ta gen­te ain­da não pro­cu­rou e não des­per­tou pa­ra is­so por­que não tem in­for­ma­ção”, acre­di­ta.

Ins­ti­tuí­da há cin­co anos pe­lo Ban­co Cen­tral, após en­trar com o pe­di­do de por­ta­bi­li­da­de, o mu­tuá­rio tem até dois di­as úteis pa­ra de­sis­tir da ope­ra­ção. Es­se é o pra­zo que a ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra atu­al tem pa­ra re­pas­sar os da­dos pa­ra o no­vo ban­co.

Se­gun­do o pre­si­den­te do Sindicato da Ha­bi­ta­ção de São Pau­lo (Se­co­vi-SP), Ba­si­lio Ja­fet, uma re­du­ção de 1% na ta­xa to­tal do em­prés­ti­mo imo­bi­liá­rio po­de re­sul­tar em uma eco­no­mia de até 15% no va­lor das men­sa­li­da­des. Mas a eco­no­mia tem seu pre­ço: o cli­en­te es­tá su­jei­to aos cus­tos de ava­li­a­ção do imó­vel e do re­gis­tro no car­tó­rio de­pois da por­ta­bi­li­da­de. To­do es­se pro­ces­so sai em tor­no de R$ 3,7 mil pa­ra uma ca­sa ava­li­a­da em R$ 500 mil na ci­da­de de São Pau­lo, se­gun­do o fun­da­dor do si­te Ca­nal do Cré­di­to, Mar­ce­lo Pra­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.