Par­ti­dos gas­tam 48% mais com ad­vo­ga­dos

Va­lor che­gou a R$ 50,92 mi em 2018; lei apro­va­da pe­la Câ­ma­ra e san­ci­o­na­da por Bolsonaro per­mi­te que po­lí­ti­cos te­nham de­fe­sa pa­ga com re­cur­sos pú­bli­cos do Fun­do Par­ti­dá­rio

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Thiago Fa­ria Ca­mi­la Tur­tel­li / BRA­SÍ­LIA MARIANA HAUBERT / COLABOROU

Em ano elei­to­ral, o pa­ga­men­to a ad­vo­ga­dos por par­ti­dos cres­ceu 48% em 2018, em re­la­ção a 2017 – foi de R$ 34,43 mi­lhões pa­ra R$ 50,92 mi­lhões. A des­pe­sa é po­lê­mi­ca pois po­de­ria até facilitar a prá­ti­ca de cai­xa 2 em cam­pa­nha.

O pa­ga­men­to de ad­vo­ga­dos por par­ti­dos cres­ceu 48% em 2018 em re­la­ção ao ano an­te­ri­or – foi de R$ 34,43 mi­lhões pa­ra R$ 50,92 mi­lhões. Es­te ti­po de des­pe­sa foi uma das prin­ci­pais po­lê­mi­cas do pro­je­to apro­va­do re­cen­te­men­te pe­la Câ­ma­ra e trans­for­ma­do em lei na sex­ta-fei­ra pe­lo pre­si­den­te Jair Bolsonaro. A me­di­da per­mi­te que um po­lí­ti­co acu­sa­do de cai­xa 2 em cam­pa­nha, por exem­plo, te­nha seu ad­vo­ga­do pa­go com re­cur­sos pú­bli­cos.

Na prá­ti­ca, a lei li­be­rou os par­ti­dos a ban­car a de­fe­sa de seus fi­li­a­dos, des­de que o ca­so es­te­ja vin­cu­la­do às elei­ções. Na lis­ta dos con­tra­ta­dos no ano pas­sa­do es­tão es­cri­tó­ri­os fa­mo­sos por de­fen­der réus da La­va Ja­to, co­mo o do cri­mi­na­lis­ta Al­ber­to To­ron, o de José Edu­ar­do Alck­min e o de José Roberto Fi­guei­re­do San­to­ro, que ne­gam ter re­ce­bi­do das si­glas pa­ra atu­ar nos pro­ces­sos re­la­ci­o­na­dos à ope­ra­ção. O cál­cu­lo que mos­tra o cres­ci­men­to das des­pe­sas com pa­ga­men­to de ad­vo­ga­dos em 2018 não le­va em con­ta gas­tos elei­to­rais.

A mu­dan­ça na lei foi uma re­a­ção da clas­se po­lí­ti­ca a de­ci­sões do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE), que en­du­re­ceu o en­ten­di­men­to nes­te ano so­bre o uso de re­cur­sos do Fun­do Par­ti­dá­rio pa­ra pa­gar a de­fe­sa de fi­li­a­dos, co­mo mos­trou o Es­ta­do em maio. O fun­do é uma es­pé­cie de “me­sa­da” com di­nhei­ro pú­bli­co que as si­glas re­ce­bem pa­ra cus­te­ar des­pe­sas do dia a dia, co­mo alu­guel de imó­veis, pas­sa­gens aé­re­as, even­tos e con­tra­ta­ção de pes­so­al.

As res­tri­ções à con­tra­ta­ção de ad­vo­ga­dos fo­ram dis­cu­ti­das pe­lo TSE no jul­ga­men­to das pres­ta­ções de con­tas do PSDB e do PP, re­fe­ren­tes ao ano de 2014. No ca­so dos tu­ca­nos, as con­tas fo­ram apro­va­das com res­sal­vas pe­lo ple­ná­rio, que de­ter­mi­nou ao par­ti­do a de­vo­lu­ção de R$ 1,1 milhão aos co­fres pú­bli­cos por uma sé­rie de irregulari­dades. En­tre elas, a con­tra­ta­ção de um es­cri­tó­rio de ad­vo­ca­cia por R$ 187,7 mil pa­ra de­fen­der o en­tão go­ver­na­dor Ge­ral­do Alck­min (PSDB) em uma ação elei­to­ral.

No ca­so do PP, que te­ve as con­tas re­pro­va­das, o par­ti­do usou di­nhei­ro pú­bli­co na con­tra­ta­ção de es­cri­tó­ri­os pa­ra de­fen­der o ex-de­pu­ta­do João Piz­zo­lat­ti Jú­ni­or (SC), em ação de im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va, além de ou­tros in­te­gran­tes da legenda in­ves­ti­ga­dos em inqué­ri­tos. “Per­ce­be-se, por­tan­to, o des­vio na uti­li­za­ção dos re­cur­sos do Fun­do Par­ti­dá­rio, uma vez que vol­ta­dos à de­fe­sa de par­ti­cu­la­res, por atos es­tra­nhos à vi­da par­ti­dá­ria”, dis­se o mi­nis­tro Luís Roberto Bar­ro­so, re­la­tor do pro­ces­so à épo­ca, no TSE.

O cer­co da Cor­te elei­to­ral so­bre a con­tra­ta­ção de ad­vo­ga­dos ti­nha co­mo ob­je­ti­vo im­pe­dir que ver­bas pú­bli­cas fos­sem di­re­ci­o­na­das pa­ra a de­fe­sa de po­lí­ti­cos acu­sa­dos de cor­rup­ção.

A pri­mei­ra ver­são do pro­je­to com re­gras mais bran­das pa­ra par­ti­dos li­be­ra­va a con­tra­ta­ção de ad­vo­ga­dos com di­nhei­ro pú­bli­co pa­ra qual­quer ti­po de ação. Após es­te tre­cho ser re­jei­ta­do pe­lo Se­na­do, de­pu­ta­dos re­to­ma­ram a per­mis­são, mas com a res­sal­va de que só va­le­ria em ca­so de ação re­la­ci­o­na­da ao pro­ces­so elei­to­ral.

O ad­vo­ga­do Cris­ti­a­no Vi­le­la, que in­te­gra a Co­mis­são Elei­to­ral da sec­ci­o­nal de São Pau­lo da Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil (OAB-SP), de­fen­deu a li­ber­da­de de o par­ti­do de­fi­nir co­mo apli­car seus re­cur­sos, des­de que não ha­ja ex­ces­sos. “O par­ti­do não po­de pa­gar o ca­so de um de­pu­ta­do que te­nha uma ação de des­pe­jo ou de di­vór­cio, por exem­plo, por­que ex­tra­po­la o in­te­res­se par­ti­dá­rio”, afir­mou. “Ago­ra, se vo­cê tem uma ação com des­do­bra­men­to no âm­bi­to par­ti­dá­rio, que po­de ser es­tra­té­gi­ca pa­ra evi­tar a ine­le­gi­bi­li­da­de de al­guém que se pre­ten­da lan­çar can­di­da­to, não ve­jo pro­ble­ma. O par­ti­do não vai ter um va­lor a mais pa­ra is­so e te­rá de en­cai­xar no seu or­ça­men­to”, dis­se Vi­le­la.

Re­cur­sos. Na pro­pos­ta de Or­ça­men­to pa­ra 2020 es­tá pre­vis­to um va­lor de R$ 959 mi­lhões pa­ra o Fun­do Par­ti­dá­rio, a ser di­vi­di­do en­tre as 32 si­glas re­gis­tra­das no TSE. Pa­ra o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Mar­ce­lo Is­sa, di­re­tor exe­cu­ti­vo da Trans­pa­rên­cia Par­ti­dá­ria, os ser­vi­ços de ad­vo­ca­cia são mais sen­sí­veis a even­tu­ais prá­ti­cas ir­re­gu­la­res. “Os va­lo­res co­bra­dos pe­la re­a­li­za­ção das mes­mas ati­vi­da­des po­dem va­ri­ar enor­me­men­te, a de­pen­der ex­clu­si­va­men­te de ca­rac­te­rís­ti­cas do pro­fis­si­o­nal con­tra­ta­do”, ar­gu­men­tou ele. Is­sa tam­bém cri­ti­cou ou­tras fle­xi­bi­li­za­ções pre­vis­tas na lei re­la­ci­o­na­das à con­tra­ta­ção de ad­vo­ga­dos, en­tre as quais a que per­mi­te a um can­di­da­to ex­tra­po­lar o te­to de gas­tos de cam­pa­nha se a des­pe­sa for re­la­ci­o­na­da à sua de­fe­sa ju­rí­di­ca.

O PT foi o par­ti­do que mais te­ve des­pe­sas ju­rí­di­cas no ano pas­sa­do. Fo­ram R$ 6,4 mi­lhões – an­te gas­to de R$ 5,5 mi­lhões em 2017. O va­lor não in­clui des­pe­sas de­cla­ra­das pe­lo par­ti­do co­mo elei­to­rais, que en­gor­da­ram nu­ma pro­por­ção ain­da mai­or pe­lo fa­to de 2018 ser um ano com dis­pu­ta.

Mes­mo as­sim, a prin­ci­pal con­tra­ta­ção foi do es­cri­tó­rio do ex-mi­nis­tro da Jus­ti­ça Eugênio Ara­gão (R$ 1,8 milhão), res­pon­sá­vel pe­la es­tra­té­gia ju­rí­di­ca que man­te­ve Lu­la co­mo can­di­da­to à Pre­si­dên­cia até pró­xi­mo à da­ta da elei­ção.

O par­ti­do ale­gou que os pa­ga­men­tos a es­cri­tó­ri­os ad­vo­ca­tí­ci­as cum­pri­ram as exi­gên­ci­as le­gais pa­ra apli­ca­ção de re­cur­sos do Fun­do Par­ti­dá­rio. De acor­do com o PT, mes­mo sem con­tar des­pe­sas elei­to­rais, o au­men­to en­tre 2017 e 2018 é “ab­so­lu­ta­men­te com­pa­tí­vel com a ne­ces­si­da­de de ser­vi­ços ju­rí­di­cos num ano de elei­ções ge­rais, o que in­cluiu (...) o ri­go­ro­so cum­pri­men­to da no­va lei so­bre par­ti­ci­pa­ção fe­mi­ni­na nas cha­pas pro­por­ci­o­nais”.

O PSDB foi o se­gun­do que mais gas­tou, com um cres­ci­men­to de 22% da des­pe­sa. Do to­tal, o par­ti­do pa­gou R$ 1,09 milhão pa­ra o es­cri­tó­rio do ex­mi­nis­tro do TSE José Edu­ar­do Alck­min, que atu­ou, en­tre ou­tros ca­sos, na de­fe­sa do ex-pre­si­den­te da si­gla Ge­ral­do Alck­min – seu pri­mo – no pro­ces­so em que o tu­ca­no é acu­sa­do de re­ce­ber pro­pi­na da Ode­bre­cht. Tam­bém trabalhou pa­ra o de­pu­ta­do fe­de­ral Aé­cio Neves (PSDB-MG) no ca­so re­la­ci­o­na­do à de­la­ção da J&F.

Ou­tros R$ 275 mil fo­ram pa­ra o es­cri­tó­rio do ad­vo­ga­do José Roberto San­to­ro, que de­fen­de o ex-di­re­tor da Der­sa Pau­lo Vi­ei­ra de Sou­za, apon­ta­do pe­la La­va Ja­to co­mo ope­ra­dor de pro­pi­nas do PSDB. O par­ti­do ne­ga que te­nha usa­do re­cur­sos do Fun­do Par­ti­dá­rio pa­ra pa­gar a de­fe­sa de Sou­za ou de qual­quer fi­li­a­do.

Con­sul­ta­dos, Re­pu­bli­ca­nos e MDB tam­bém atri­bu­em a al­ta de des­pe­sas com ad­vo­ga­dos ao pe­río­do elei­to­ral, mes­mo que o cál­cu­lo da re­por­ta­gem in­clua ape­nas gas­tos de­cla­ra­dos co­mo “ser­vi­ço ju­rí­di­cos or­di­ná­ri­os”. Os de­mais não res­pon­de­ram até a con­clu­são des­ta edi­ção.

NA WEB Re­gras. O pro­je­to san­ci­o­na­do pe­lo pre­si­den­te es­ta­dao.com.br/e/re­gra­se­lei­to­rais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.