Trump tam­bém pres­si­o­nou o pre­miê aus­tra­li­a­no

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - WASHING­TON / NYT

O pre­si­den­te dos EUA, Do­nald Trump, pres­si­o­nou o pre­miê aus­tra­li­a­no, Scott Mor­ri­son, por da­dos so­bre a in­ves­ti­ga­ção con­tra sua cam­pa­nha em 2016, re­ve­lou o New York Ti­mes. É a se­gun­da ação se­me­lhan­te de Trump.

Ou­tro es­cân­da­lo. Se­gun­do ‘New York Ti­mes’, pre­si­den­te te­le­fo­nou pa­ra Scott Mor­ri­son, pri­mei­ro-mi­nis­tro da Aus­trá­lia, e pe­diu que ele in­ves­ti­gas­se os fa­tos que de­ram ori­gem ao inqué­ri­to do pro­cu­ra­dor es­pe­ci­al Ro­bert Mu­el­ler so­bre a in­flu­en­cia rus­sa na elei­ção de 2016

Do­nald Trump, ga­nhou on­tem mais um es­cân­da­lo no cur­rí­cu­lo. Se­gun­do dois fun­ci­o­ná­ri­os do go­ver­no, ci­ta­dos pe­lo New York Ti­mes,o pre­si­den­te pres­si­o­nou o pri­mei­ro-mi­nis­tro da Aus­trá­lia, Scott Mor­ri­son, pa­ra que ele des­co­bris­se de­ta­lhes da ori­gem da in­ves­ti­ga­ção so­bre sua cam­pa­nha pre­si­den­ci­al de 2016, que na épo­ca bus­ca­va in­for­ma­ções que pre­ju­di­cas­sem a de­mo­cra­ta Hil­lary Clin­ton.

Em li­nhas ge­rais, Trump quer in­ves­ti­gar a in­ves­ti­ga­ção fei­ta pe­lo pro­cu­ra­dor es­pe­ci­al Ro­bert Mu­el­ler, que du­ran­te mais de dois anos ou­viu tes­te­mu­nhas e ana­li­sou do­cu­men­tos so­bre a re­la­ção en­tre a cam­pa­nha pre­si­den­ci­al re­pu­bli­ca­na e agen­tes rus­sos. As ten­ta­ti­vas da Rús­sia de in­ter­fe­rir na elei­ção ame­ri­ca­na vi­e­ram à to­na por aci­den­te.

Em maio de 2016, Ge­or­ge Pa­pa­do­pou­los, en­tão assessor de Trump, es­ta­va be­ben­do com o di­plo­ma­ta aus­tra­li­a­no Ale­xan­der Dow­ner em um bar de Lon­dres. Pa­ra es­pan­to de Dow­ner, Pa­pa­do­pou­los sol­tou uma re­ve­la­ção sur­pre­en­den­te: a Rús­sia te­ria mi­lha­res de e-mails de Hil­lary e in­for­ma­ções que pre­ju­di­ca­ri­am a can­di­da­ta de­mo­cra­ta.

Ime­di­a­ta­men­te, Dow­ner avi­sou o FBI que os rus­sos ha­vi­am se apro­xi­ma­do da cam­pa­nha de Trump e po­de­ri­am in­ter­fe­rir no pro­ces­so elei­to­ral. Au­to­ri­da­des ame­ri­ca­nas en­tão abri­ram uma in­ves­ti­ga­ção so­bre a in­fluên­cia da Rús­sia na elei­ção, que ter­mi­nou em mar­ço em um re­la­tó­rio in­con­clu­si­vo pro­du­zi­do por Mu­el­ler – o do­cu­men­to não emi­tiu opi­nião so­bre con­luio en­tre a cam­pa­nha e os rus­sos.

Des­de o iní­cio do ano, sob as or­dens de Trump, o De­par­ta­men­to de Jus­ti­ça, co­man­da­do pe­lo se­cre­tá­rio Wil­li­am Barr, co­me­çou a es­qua­dri­nhar a ori­gem do ca­so, pa­ra de­ter­mi­nar se as agên­ci­as do go­ver­no – na épo­ca sob a pre­si­dên­cia de Ba­rack Oba­ma – ha­vi­am co­me­ti­do al­gum er­ro no pro­ces­so.

As­ses­so­res do pre­si­den­te, no en­tan­to, di­zem que a ob­ses­são de Trump é en­con­trar ra­zões pa­ra le­gi­ti­mar sua vi­tó­ria em 2016. Um dos as­sun­tos que mais ti­ram o pre­si­den­te do sé­rio é quan­do in­si­nu­am que ele só der­ro­tou Hil­lary gra­ças aos rus­sos.

Se­gun­do o New York Ti­mes,o te­le­fo­ne­ma pa­ra Mor­ri­son foi fei­to “há al­gu­mas se­ma­nas” – sem es­pe­ci­fi­car uma da­ta –, mas se­gui­ria o mes­mo pa­drão da li­ga­ção de Trump pa­ra o pre­si­den­te da Ucrâ­nia, Vo­lo­di­mir Ze­lens­ki, em ju­lho. Na con­ver­sa, Ze­lens­ki é pres­si­o­na­do pa­ra in­ves­ti­gar o ex-pre­si­den­te Joe Bi­den, de­mo­cra­ta que li­de­ra a cor­ri­da pre­si­den­ci­al de 2020. Ou­tra se­me­lhan­ça en­tre os dois te­le­fo­ne­mas é que a Ca­sa Bran­ca tam­bém res­trin­giu o aces­so à trans­cri­ção da cha­ma­da ao aus­tra­li­a­no.

On­tem, o pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment avan­çou ain­da mais. O Co­mi­tê de In­te­li­gên­cia da Câ­ma­ra emi­tiu uma in­ti­ma­ção a Rudy Giu­li­a­ni, ad­vo­ga­do pes­so­al de Trump, em bus­ca de do­cu­men­tos. Os de­pu­ta­dos de­mo­cra­tas usa­ram co­mo ba­se as de­cla­ra­ções de Giu­li­a­ni em en­tre­vis­tas na TV re­co­nhe­cen­do que pe­diu ao go­ver­no da Ucrâ­nia que “in­ves­ti­gas­se” Bi­den.

De acor­do com es­ti­ma­ti­va da re­vis­ta Ti­me, o im­pe­a­ch­ment já tem apoio su­fi­ci­en­te pa­ra avan­çar na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos e ser en­vi­a­do pa­ra o Se­na­do – 224 dos 435 de­pu­ta­dos já di­zem apoi­ar aber­ta­men­te a des­ti­tui­ção de Trump, que ain­da man­tém a le­al­da­de da mai­o­ria dos 53 se­na­do­res do par­ti­do.

Du­as pes­qui­sas di­vul­ga­das nos úl­ti­mos di­as mos­tra­ram que o apoio ao im­pe­a­ch­ment tam­bém cres­ceu en­tre a po­pu­la­ção. Se­gun­do o ins­ti­tu­to YouGov, 55% dos ame­ri­ca­nos apoi­am o pro­ces­so – 45% são con­tra. De acor­do com a CNN, 47% ago­ra apoi­am o im­pe­a­ch­ment – cres­ci­men­to de 20 pon­tos por­cen­tu­ais com re­la­ção a maio.

JIM LO SCALZO/EFE

Sob ame­a­ça. Do­nald Trump du­ran­te ce­rimô­nia mi­li­tar em Ar­ling­ton: ain­da ob­ce­ca­do com o re­sul­ta­do das elei­ções pre­si­den­ci­ais ame­ri­ca­nas de 2016

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.