Pe­dro Fer­nan­do Nery

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - PE­DRO FER­NAN­DO NERY E-MAIL : [email protected] ES­CRE­VE ÀS TER­ÇAS-FEI­RAS DOU­TOR EM ECO­NO­MIA E CONSULTOR LE­GIS­LA­TI­VO

No mun­do cor-de-ro­sa do eco­no­co­a­ch, quan­do o go­ver­no gas­ta mais os pro­ble­mas so­mem, por­que o gas­to é po­si­ti­vo.

Os pro­ble­mas de Pau­lo es­ta­vam re­sol­vi­dos. Sua vi­da mu­da­ra de­pois que con­tra­tou o co­a­ch. Além de mui­ta “po­si­ti­vi­da­de”, o co­a­ch tra­zia cla­re­za so­bre seus pro­ble­mas fi­nan­cei­ros. Com o no­me su­jo e dí­vi­das al­tas no car­tão de cré­di­to e no che­que es­pe­ci­al, Pau­lo apren­deu que o es­tres­se em ca­sa era in­fun­da­do.

In­sis­tiu com sua mu­lher nos en­si­na­men­tos do co­a­ch. Ela re­cla­ma­va das dí­vi­das e de Pau­lo gas­tar mais do que ga­nha. O co­a­ch ex­pli­cou que não é a des­pe­sa de Pau­lo que é al­ta, mas o seu sa­lá­rio que é bai­xo. Ele se en­di­vi­da­va não por gas­tar de­mais, mas por não ser ri­co o su­fi­ci­en­te.

Ali­vi­a­do com as con­clu­sões e motivado em pros­pe­rar, in­for­mou à mu­lher que con­ti­nu­a­ria gas­tan­do. Até por­que é pre­ci­so gas­tar pa­ra en­ri­que­cer, da­do o efei­to “mul­ti­pli­ca­dor” de su­as des­pe­sas, con­cei­to que apren­deu com o co­a­ch. O gas­to com o pró­prio co­a­ch ti­nha um mul­ti­pli­ca­dor al­tís­si­mo, ex­pli­cou, e na ver­da­de não era gas­to, era in­ves­ti­men­to.

Cé­ti­ca, a mu­lher in­sis­tiu quan­to à gra­vi­da­de das dí­vi­das. Pau­lo res­pon­deu com ou­tro en­si­na­men­to do co­a­ch. A dí­vi­da não foi cau­sa­da pe­lo en­di­vi­da­men­to, mas pe­los ju­ros. Não faz sen­ti­do cor­tar su­as des­pe­sas se a dí­vi­da é cul­pa dos ju­ros dos em­prés­ti­mos do ban­co, e não cul­pa de ele ter pego di­nhei­ro emprestado. Con­ti­nu­a­ria gas­tan­do.

Além do mais, Pau­lo ex­pli­cou que na ver­da­de seu or­ça­men­to era su­pe­ra­vi­tá­rio. Ex­cluin­do da con­ta des­pe­sas que Pau­lo não gos­ta­ria de pa­gar, co­mo o con­do­mí­nio, e con­ta­bi­li­zan­do re­cei­tas que ele não tem, co­mo a herança que não re­ce­beu, a con­ta fi­ca­ria po­si­ti­va. Pa­ra a mu­lher in­cré­du­la, Pau­lo pe­diu pen­sa­men­to po­si­ti­vo e de­fen­deu a im­por­tân­cia de ter ati­tu­de. Nun­ca de­sis­ta dos seus so­nhos. Fo­co, for­ça, e fé! *********

A se­du­ção pe­las so­lu­ções sim­ples vol­ta ao de­ba­te de po­lí­ti­ca econô­mi­ca. Di­an­te dos di­le­mas en­tre man­ter o te­to de gas­tos, ele­var a carga tri­bu­tá­ria, au­men­tar o en­di­vi­da­men­to ou acei­tar mais in­fla­ção, há quem de­fen­da que a saí­da é fá­cil e in­do­lor. Sim­ples­men­te, aban­do­nan­do o te­to e in­ves­tin­do mais, nos­sos pro­ble­mas es­ta­rão re­sol­vi­dos, pre­gam os co­a­chs da ma­cro­e­co­no­mia.

Mas não te­mos dé­fi­cits pri­má­ri­os? Sim, mas não por­que a des­pe­sa é al­ta e cres­ce, e sim por­que a re­cei­ta é que não acom­pa­nha – diz o eco­no­co­a­ch. Nos­sa dí­vi­da não cres­ceu mui­to? Sim, mas não por con­ta dos dé­fi­cits, e sim pe­los ju­ros que in­ci­dem so­bre eles. Nos­sa Pre­vi­dên­cia não é de­fi­ci­tá­ria? Sim, mas por­que tem de gas­tar com X e não re­ce­be Y, en­tão há na ver­da­de su­pe­rá­vit, sen­do o dé­fi­cit uma cons­pi­ra­ção do go­ver­no.

No mun­do cor-de-ro­sa do eco­no­co­a­ch, quan­do o go­ver­no gas­ta mais os pro­ble­mas so­mem, por­que o gas­to é tão po­si­ti­vo e me­lho­ra tan­to a eco­no­mia que sem­pre vol­ta mais co­mo im­pos­tos, fe­chan­do a con­ta. Se a re­cei­ta com tri­bu­tos não cres­ce tan­to quan­to a des­pe­sa, a so­lu­ção é gas­tar mais pa­ra que a re­cei­ta cres­ça.

O pro­ble­ma: co­mo Pau­lo, o go­ver­no tem mui­to mais con­tro­le de sua des­pe­sa do que so­bre sua re­cei­ta com tri­bu­tos, de­pen­den­te da ati­vi­da­de econô­mi­ca. De fa­to, o ar­gu­men­to do eco­no­co­a­ch po­de ser usa­do por qual­quer go­ver­nan­te per­du­lá­rio. Se ele co­lo­ca a des­pe­sa em tra­je­tó­ria as­cen­den­te, em al­gum mo­men­to a re­cei­ta ha­ve­rá de não acom­pa­nhar, per­mi­tin­do que sa­que da man­ga o dis­cur­so de que “não é a des­pe­sa que su­biu, é a re­cei­ta que caiu”.

Já a te­se de que os ju­ros, e não os dé­fi­cits, ex­pli­cam o au­men­to da dí­vi­da tam­bém é me­re­ce­do­ra de re­fle­xões. Ju­ros só exis­tem por­que exis­ti­ram dé­fi­cits pri­má­ri­os. E co­mo tam­bém pre­ci­fi­cam o ris­co de in­sol­vên­cia, se­rão tão mai­o­res quan­to mai­o­res os dé­fi­cits fo­rem. No­va­men­te, a ló­gi­ca do eco­no­co­a­ch de au­to­no­mia en­tre ju­ros e dé­fi­cits faz tan­to sen­ti­do quan­to a ló­gi­ca do co­a­ch de Pau­lo.

Afi­nal, fos­se sem­pre ver­da­de que mais gas­tos le­vam amais PIB que le­vam a mais ar­re­ca­da­ção que le­vam a me­nos dé­fi­cit, quem ha­ve­ria de se opor? O eco­no­co­a­ch diz o que to­dos gos­ta­ri­am que fos­se ver­da­de.

Ao con­trá­rio da agen­da de ajuste fis­cal, de di­fí­cil cos­tu­ra po­lí­ti­ca por­que im­põe der­ro­tas a gru­pos or­ga­ni­za­dos em be­ne­fí­cio de mas­sas di­fu­sas, es­ta agen­da não de­ve­ria co­le­ci­o­nar ini­mi­gos. An­tes que o lei­tor fi­que ten­ta­do a res­pon­der “os ban­cos”, lem­bre que o ar­gu­men­to é de que o gas­to pro­vo­ca cres­ci­men­to da eco­no­mia, si­tu­a­ção de au­men­to – e não que­da – dos lu­cros.

Pou­cos eco­no­co­a­ches tra­tam des­sa ques­tão. Quan­do mui­to, a te­se é de que as eli­tes pre­fe­rem o ajuste fis­cal por­que são tão mal­va­das que pre­fe­rem me­nos lu­cro a mais lu­cro, se is­so sig­ni­fi­car tam­bém mais de­sem­pre­go. Ha­ve­ria me­do de que o cres­ci­men­to “es­ti­mu­le ci­da­dãos a que­rer a am­pli­a­ção do tem­po livre.” A te­se é frá­gil: ex­pli­ca­ria a di­fe­ren­ça de cres­ci­men­to en­tre as re­giões ou no tem­po por va­ri­a­ções no grau de mes­qui­nhez das eli­tes.

O eco­no­co­a­ch diz que a eco­no­mia bra­si­lei­ra não po­de ser com­pa­ra­da com uma ca­sa. É ver­da­de: Pau­lo não im­pri­me di­nhei­ro e não po­de “exer­cer su­as fun­ções na sua pró­pria mo­e­da”. Quan­do Pau­lo que­brar, seus vi­zi­nhos não fi­ca­rão mais po­bres.

Na vi­são do eco­no­co­a­ch, as eli­tes pre­fe­rem o ajuste fis­cal por­que são mal­va­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.