Es­sa é a his­tó­ria da sua des­gra­ça

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - FERNÃO LARA MES­QUI­TA “Nós so­mos um pe­ri­go pa­ra a de­mo­cra­cia”... “Que ca­da po­der cum­pra com es­me­ro o seu pa­pel”? “Mais Bra­sil me­nos Bra­sí­lia” JOR­NA­LIS­TA, ES­CRE­VE EM WWW.VESPEIRO.COM

Me­nos pe­la in­dig­na­ção que ain­da pul­sa quan­do o ci­nis­mo é de ca­li­bre de agre­dir, é de um té­dio ab­so­lu­to acom­pa­nhar o de­ba­te do dra­ma bra­si­lei­ro.

Dá pra sol­tar o Lu­la e a ban­di­do­cra­cia sem sol­tar o PCC? Se não der, paciência, sol­te-se tam­bém o PCC. O es­sen­ci­al pa­ra a fe­li­ci­da­de ge­ral da Na­ção, e es­pe­ci­al­men­te pa­ra o ci­da­dão de­sar­ma­do dos mor­ros, com ou sem ban­di­do na rua, é re­a­fir­mar a pu­re­za do “es­ta­do de di­rei­to”. Pois é…

Daí pra bai­xo são de bo­ce­jar os ar­ti­cu­lis­tas que es­pi­na­fram “nos ou­tros” os mes­mís­si­mos de­lí­ri­os que são seus em tex­tos em que a úni­ca va­ri­a­ção – que não mo­di­fi­ca nem o sen­ti­do nem a per­ti­nên­cia da crí­ti­ca – é se o ape­dre­ja­do nas pri­mei­ras li­nhas é o bol­so­na­ris­mo ou o lu­lis­mo.

É de en­cher de pe­na o es­for­ço aca­ci­a­no dos bem-in­ten­ci­o­na­dos que in­sis­tem em de­mons­trar ra­ci­o­nal­men­te, tin­tim por tin­tim, por que são er­ros os “er­ros” em que há cen­te­nas de anos in­sis­te a mi­no­ria que no­los im­põe por­que eles lhe en­chem in­de­cen­te­men­te os bol­sos de di­nhei­ro.

É de do­er o País mo­ri­bun­do, a bar­ri­ga ron­can­do, pa­ra­do à es­pe­ra de que ter­mi­nem os in­ter­mi­ná­veis ar­gu­men­tos dos ar­gu­men­ta­do­res – os “ex­ce­len­tís­si­mos” e os nem tan­to – que se con­do­em e en­chem de eru­di­ção pa­ra ci­tar se­nões se o abu­so é de oto­ri­da­de con­tra oto­ri­da­de. Con­tra o po­vo va­lem to­dos. Po­bre não tem ad­vo­ga­do. E nem im­pren­sa mais. In­ven­ta­da pa­ra ad­vo­gar por ele, ho­je ela fa­la pe­la bo­ca da clas­se mé­dia que so­brou e não é clas­se, é cas­ta. Aque­la que to­da jun­ta não en­che a Pra­ça dos Três Po­de­res, mas co­me me­ta­de do PIB não por me­re­ci­men­to, mas pe­la for­ça das úni­cas leis dra­co­ni­a­na­men­te exi­gi­das nes­te país, ma­tem a quem ma­ta­rem.

O pro­ble­ma do Bra­sil, o úni­co pro­ble­ma do Bra­sil do qual to­dos os ou­tros “ema­nam”, não é de lei, é de im­po­si­ção da lei pe­la au­sên­cia da qual, a ca­da cri­se, a ca­da na­mo­ro com a mor­te, des­cam­ba­mos pa­ra a le­gis­fe­rân­cia hi­per­bó­li­ca, saí­mos ad­je­ti­van­do cri­mes, atra­van­can­do o País que as se­gue com mais uma ba­te­la­da de leis que nun­ca se­rão exi­gi­das da pri­vi­le­gi­a­tu­ra, tor­nan­do pe­re­nes as ci­rur­gi­as key­ne­si­a­nas, ten­tan­do fa­zer do “tri­pé” de bre­ques o ace­le­ra­dor da eco­no­mia… até o pró­xi­mo for­ró do STF.

Quem im­põe “as so­lu­ções” não acre­di­ta ne­las. Quem as so­fre, me­nos ain­da. E lá fo­ra a guer­ra co­me car­ne de cri­an­ça.

Es­quer­da? Di­rei­ta? Cen­tro? Tu­do de no­vo!

Tí­tu­lo I. Parágrafo Úni­co (e nes­sa al­tu­ra já lá vão se­te, fo­ra o preâm­bu­lo, pois que a “Cons­ti­tui­ção dos Mi­se­rá­veis” men­te até na des­cri­ção de si mes­ma). “To­do o po­der ema­na do po­vo, que o exer­ce por meio de re­pre­sen­tan­tes elei­tos ou di­re­ta­men­te nos ter­mos des­ta Cons­ti­tui­ção.” Di­to is­so, da­ne-se o po­vo, pa­ra não usar­mos aque­la ou­tra ex­pres­são mais chu­la que su­biu à sua ca­be­ça ao ler es­te tre­cho e des­cre­ve mui­to mais fi­el­men­te o que tem si­do fei­to com ele. Daí pra fren­te é o Es­ta­do dis­cu­tin­do com o Es­ta­do, o Es­ta­do dis­pu­tan­do com o Es­ta­do, o Es­ta­do “fis­ca­li­zan­do” o Es­ta­do, o Es­ta­do per­do­an­do o Es­ta­do.

O po­vo não exis­te, nem pa­ra a es­quer­da, nem pa­ra a di­rei­ta nem pa­ra o cen­tro, im­pren­sa in­cluí­da. A úni­ca di­fe­ren­ça en­tre o lu­lis­mo e o bol­so­na­ris­mo é que no bol­so­na­ris­mo a im­pren­sa man­tém aber­to um olho. O res­to to­do ce­do ou tar­de se acer­ta ou pe­la co­mu­nhão de ra­bos pre­sos, ou por­que con­ti­nua sen­do pon­to pa­cí­fi­co que o po­vo, o eter­no tu­te­la­do, é in­ca­paz de pro­cu­rar sua pró­pria fe­li­ci­da­de. Es­tá aí, de­bai­xo de bala e de­sar­ma­do, por­que “vo­ta mal”. Até o po­vo pa­ra quem “po­vo” é sem­pre “o ou­tro” acha is­so do po­vo:

Tra­te­mos do que é sé­rio com quem é sé­rio, pois. De es­pe­ci­a­lis­ta pa­ra es­pe­ci­a­lis­ta, di­ga lá: quem in­va­diu o po­der de quem? Quem “agiu por ins­pi­ra­ção po­lí­ti­ca”? Quem te­ve ou não uma “mo­ti­va­ção ra­zoá­vel” pa­ra agir con­tra o la­drão com man­da­to? Que la­do ga­nhou? Que la­do perdeu?

E a in­dis­ci­pli­na fis­cal, é ou não é fun­ção do “ente” A ter re­ce­bi­do ga­ran­ti­as pa­ra a gas­tan­ça do “ente” B? Qual a “do­si­me­tria” cor­re­ta a ser apli­ca­da pe­lo fun­ci­o­ná­rio do Es­ta­do in­de­mis­sí­vel A con­tra o fun­ci­o­ná­rio do Es­ta­do in­de­mis­sí­vel B pa­ra que ele se com­por­te bem da pró­xi­ma vez (já que sem­pre, eter­na­men­te, por cláu­su­la pé­trea da Cons­ti­tui­ção que o po­vo não ra­ti­fi­cou, fa­ça ele o que fi­zer ha­ve­rá sem­pre uma pró­xi­ma vez)? E se a “do­se” su­ge­ri­da voltar-se ali adi­an­te con­tra os pro­fes­so­res? Cui­da­do com o que diz, ve­ja lá! No má­xi­mo, mei­os pen­sa­men­tos; no má­xi­mo, mei­as pa­la­vras...

Co­me­ce­mos, en­tão, pe­lo pri­mei­ro do qual to­dos os ou­tros não pas­sam de “ema­na­ções”. Só o elei­tor, o po­vo in­ves­ti­do de po­der po­lí­ti­co, tem le­gi­ti­mi­da­de pa­ra agir “por ins­pi­ra­ção po­lí­ti­ca” sem ter de dar jus­ti­fi­ca­ti­vas pa­ra is­so. É um di­rei­to em­bu­ti­do no pró­prio con­cei­to de “re­pre­sen­ta­ção”. Bas­ta que se sin­ta mal re­pre­sen­ta­do, sem mais, pa­ra que o ato po­lí­ti­co de cas­sar o man­da­to do seu re­pre­sen­tan­te se­ja in­dis­cu­ti­vel­men­te le­gí­ti­mo nu­ma “de­mo­cra­cia re­pre­sen­ta­ti­va”.

Mas de­le­gue es­se po­der a qual­quer ou­tro e a guer­ra su­ja ime­di­a­ta­men­te se ins­ta­la. Es­sa é a his­tó­ria do Bra­sil. Es­sa é a his­tó­ria da sua des­gra­ça, lei­tor.

Amar­re-se ca­da re­pre­sen­tan­te aos seus re­pre­sen­ta­dos com elei­ções dis­tri­tais pu­ras. Ar­me­se a mão de­les an­tes, du­ran­te e de­pois das elei­ções pa­ra dar e ti­rar man­da­tos, re­cu­sar leis que sol­tam ban­di­dos, ter as ini­ci­a­ti­vas de pau­tar com­pul­so­ri­a­men­te os Le­gis­la­ti­vos e des­pir a to­ga de quem não me­re­ce ves­ti-la des­de lá da pri­mei­ra ins­tân­cia. Quan­tos dos mi­nis­tros que vo­cê co­nhe­ce che­ga­ri­am às por­tas do STF en­ver­gan­do uma? Quan­tos mem­bros da ban­di­do­cra­cia ain­da es­ta­ri­am de pé?

é só re­par­ti­ção de di­nhei­ro “de­les” com “eles” ou é re­pre­sen­tan­te fis­ca­li­zan­do re­pre­sen­ta­do e de­ci­din­do ele mes­mo o que acha jus­to ce­der ao co­le­ti­vo do que ga­nhar su­an­do? Dis­ci­pli­na fis­cal con­se­gue-se só im­pe­din­do um ente de go­ver­no de ava­li­zar a gas­tan­ça dos ou­tros ou, co­mo ocor­re on­de ela exis­te, exi­gin­do au­to­ri­za­ção di­re­ta do po­vo pa­ra ca­da obra, ca­da des­pe­sa que vai vi­o­len­tá-la?

Vo­cê de­ci­de. Até por­que o que o po­vo re­al­men­te de­ci­de acon­te­ce.

Con­tra o po­vo va­lem to­dos os ar­gu­men­tos. Po­bre não tem ad­vo­ga­do. Nem im­pren­sa mais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.