Fó­rum dos Lei­to­res

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto -

COR­RUP­ÇÃO Frau­de no BNDES

As per­das do Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al (BNDES) com a Ode­bre­cht po­dem che­gar a R$ 14,6 bi­lhões. Cla­ro que não fal­ta­rão de­fen­so­res da cor­rup­ção pon­do a cul­pa na La­va Ja­to. Mas fi­ca uma per­gun­ta per­ti­nen­te: o que acon­te­ce­rá com os pre­si­den­tes que co­lo­ca­ram na mão de ape­nas uma em­pre­sa tan­to di­nhei­ro? Por­que, pe­lo jei­to, a em­prei­tei­ra não ti­nha las­tro nem pa­ra ir à es­qui­na, as­sim co­mo ou­tras, ca­so da OAS, das em­pre­sas de Ei­ke Ba­tis­ta, etc., que au­men­ta­rão o bo­lo de de­ve­do­res do ban­co de fo­men­to. Pre­ci­sa­mos ur­gen­te­men­te de leis que pu­nam pre­si­den­tes, go­ver­na­do­res, pre­fei­tos que cau­sam pre­juí­zos bi­li­o­ná­ri­os ao País. No mí­ni­mo, ca­deia sem di­rei­to a pro­gres­si­vas. BE­A­TRIZ CAM­POS be­a­triz.cam­[email protected]

São Pau­lo

Pa­trimô­nio pes­so­al

O que mais re­vol­ta os ci­da­dãos pa­ga­do­res de im­pos­tos es­cor­chan­tes é sa­ber que o BNDES te­rá pre­juí­zo que po­de che­gar a R$ 14,6 bi­lhões por cau­sa de em­prés­ti­mos frau­du­len­tos em obras de in­fra­es­tru­tu­ra no ex­te­ri­or, que­si­to tão ca­ren­te em to­do o nos­so país. E ain­da mais por se sa­ber que os po­lí­ti­cos e a em­pre­sa que tra­ma­ram e exe­cu­ta­ram o di­la­pi­da­dor des­fal­que nos co­fres da pro­po­si­tal­men­te fra­gi­li­za­da ins­ti­tui­ção pos­su­em pa­trimô­nio par­ti­cu­lar su­fi­ci­en­te pa­ra ban­car o cri­mi­no­so pre­juí­zo, mas que di­fi­cil­men­te se­rá con­fis­ca­do pa­ra es­sa fi­na­li­da­de. ABEL PI­RES RO­DRI­GUES [email protected]

Rio de Ja­nei­ro

Herança mal­di­ta

O pre­juí­zo que a Ode­bre­cht vai cau­sar ao BNDES, de R$ 14,6 bi­lhões, de­ve ser de­bi­ta­do ao PT. Es­sa é ape­nas par­te da gran­de herança que o par­ti­do dei­xou pa­ra os bra­si­lei­ros.

EUGÊNIO JOSÉ ALATI eu­ge­ni­o­a­la­[email protected] Cam­pi­nas

Pa­co­te de­si­dra­ta­do

O pa­co­te an­ti­cor­rup­ção do mi­nis­tro Sergio Mo­ro es­tá sen­do de­si­dra­ta­do an­tes de en­trar em vo­ta­ção na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos. Mas ain­da há a pos­si­bi­li­da­de de se­rem res­tau­ra­dos os pon­tos es­sen­ci­ais pa­ra que o com­ba­te à rou­ba­lhei­ra de co­la­ri­nho­bran­co, de po­lí­ti­cos e em­pre­sá­ri­os, se­ja efi­caz. A pri­são em se­gun­da ins­tân­cia é um dos pon­tos fun­da­men­tais. Prá­ti­ca ado­ta­da na mai­o­ria dos paí­ses do Pri­mei­ro Mun­do, pre­ci­sa ser ado­ta­da tam­bém aqui, no Bra­sil. Ca­so con­trá­rio cor­re­mos o ris­co de con­ti­nu­ar sob a égi­de da qua­dri­lha que ex­tor­que e de­gra­da a eco­no­mia, a edu­ca­ção, a saú­de e a se­gu­ran­ça pú­bli­ca. Não po­de­mos fi­car su­jei­tos à ve­lha po­lí­ti­ca e à he­ge­mo­nia de ban­di­dos ocul­tos sob ter­nos de ca­si­mi­ra in­gle­sa e gra­va­tas ita­li­a­nas. A vo­ta­ção do pa­co­te de Mo­ro es­tá nas mãos dos de­pu­ta­dos fe­de­rais e do pre­si­den­te da Câ­ma­ra. Se­rá um bom tes­te pa­ra sa­ber­mos se a Ca­sa foi de fa­to re­no­va­da na úl­ti­ma elei­ção.

MÁ­RIO NE­GRÃO BORGONOVI ma­ri­o­ne­[email protected] Rio de Ja­nei­ro

Per­cep­ção e re­a­li­da­de

Não ve­jo gran­de di­fe­ren­ça en­tre a nos­sa per­cep­ção e a re­a­li­da­de bra­si­lei­ra de cor­rup­ção no go­ver­no. A even­tu­al di­fe­ren­ça é que, no Bra­sil, o por­cen­tu­al mai­or da cor­rup­ção se dá por ata­ca­do (gran­des con­tra­tos de es­ta­tais, por exem­plo), e não no va­re­jo (pro­pi­na pa­ra ob­ter uma cer­ti­dão). Além do mais, os acor­dos de co­o­pe­ra­ção en­tre ins­ti­tui­ções, co­mo blin­da­gem de um se­na­dor pe­lo Ju­di­ciá­rio em tro­ca da pa­ra­li­sa­ção ou des­trui­ção da mai­or ope­ra­ção con­tra a cor­rup­ção já re­a­li­za­da no País, por exem­plo, tor­nam a re­a­li­da­de pi­or do que a per­cep­ção.

CELSO FRAN­CIS­CO ÁLVARES LEI­TE [email protected]­so­lei­te.com.br Li­mei­ra

FI­NAN­ÇAS PÚ­BLI­CAS Pen­du­ri­ca­lhos

Ao lon­go dos anos, o Le­gis­la­ti­vo bra­si­lei­ro, apro­vei­tan­do-se de sua con­di­ção de “senhor das leis” e com to­tal co­ni­vên­cia dos ou­tros Po­de­res, que sem­pre pra­ti­ca­ram o cha­ma­do “to­ma lá dá cá”, de­ci­diu que os par­la­men­ta­res se­ri­am uma es­pé­cie de se­mi­deu­ses a quem de­ve­ri­am ser da­dos to­dos os be­ne­fí­ci­os pa­ra re­pre­sen­ta­rem “com dig­ni­da­de” o po­vo que os ele­geu. Eles le­va­ram is­so tão a sé­rio que, após dé­ca­das e dé­ca­das, na­da mu­dou. Ou me­lhor, pi­o­rou. Os cha­ma­dos pen­du­ri­ca­lhos pros­pe­ra­ram. Re­cen­te­men­te, dois dos mais co­nhe­ci­dos po­lí­ti­cos bra­si­lei­ros par­ti­ci­pa­ram de um pro­gra­ma de te­le­vi­são. Evi­den­te­men­te, ne­nhum de­les es­ta­va em mis­são ofi­ci­al. Mas a con­ta da vi­a­gem – avião, hos­pe­da­gem, as­ses­so­res, etc. – foi pa­ga por nós, po­bres ci­da­dãos que mal con­se­gui­mos pa­gar as des­pe­sas bá­si­cas da nos­sa fa­mí­lia. Até quan­do va­mos aguen­tar is­so? Até quan­do va­mos con­ti­nu­ar ban­can­do es­ses ci­da­dãos que não he­si­tam em jo­gar nas cos­tas do po­vo su­as des­pe­sas pes­so­ais? Por que te­nho de pa­gar es­sas con­tas? O que se es­tá es­pe­ran­do pa­ra aca­bar com es­sas imo­ra­li­da­des? ELIAS SKAF es­[email protected]

São Pau­lo

Le­nha na fo­guei­ra

Te­mos três Po­de­res que de­ve­ri­am, em te­se, ser in­de­pen­den­tes. Ca­be ao Exe­cu­ti­vo ge­ren­ci­ar as con­tas. Re­cei­ta ver­sus des

pe­sa re­sul­ta em sal­do po­si­ti­vo ou ne­ga­ti­vo. Se ne­ga­ti­vo, ces­sa­ria a res­pon­sa­bi­li­da­de de re­pas­se aos de­mais Po­de­res, sal­vo os já com­pro­me­ti­dos. Nem mes­mo os de­pu­ta­dos/se­na­do­res, di­tos re­pre­sen­tan­tes do po­vo, po­de­ri­am so­li­ci­tar ver­bas par­la­men­ta­res pa­ra aten­di­men­to de obras, a me­nos que as con­tas pú­bli­cas ti­ves­sem sal­do po­si­ti­vo. Mas não, eles con­ti­nu­am su­gan­do os re­cur­sos pú­bli­cos, mes­mo com o Or­ça­men­to da União há anos no ver­me­lho. Na ho­ra de vo­tar or­ça­men­to im­po­si­ti­vo, ver­ba pú­bli­ca pa­ra cam­pa­nhas po­lí­ti­cas, reú­nem-se na ca­la­da da noi­te, impedem o vo­to aber­to e se apos­sam de re­cur­sos ine­xis­ten­tes. É es­se o pa­pel que cum­pre ao Le­gis­la­ti­vo? E o Ju­di­ciá­rio, po­de ele con­ti­nu­ar com obras sun­tu­o­sas, sa­ben­do da fal­ta de re­cur­sos? Até quan­do o País re­sis­te? A con­fe­rir. Mas a con­fe­rên­cia po­de ser tar­dia.

ABEL CA­BRAL

abel­ca­[email protected] Cam­pi­nas

So­lu­ção ób­via

O Bra­sil tem so­lu­ção. E sim­ples. Não é pre­ci­so cri­ar nem au­men­tar im­pos­tos, bas­ta re­du­zir as des­pe­sas pa­ra dis­por de re­cur­sos a fim de ame­ni­zar os pro­ble­mas e in­ves­tir. A má­qui­na pú­bli­ca nos três ní­veis (fe­de­ral, es­ta­du­al e mu­ni­ci­pal), cheia de gordura, a ca­da elei­ção en­gor­da ain­da mais. Daí por que pou­co so­bra pa­ra in­ves­tir e re­sol­ver os inú­me­ros tor­men­tos da Na­ção.

HUM­BER­TO SCHUWARTZ SO­A­RES

hs-so­a­[email protected] Vi­la Ve­lha (ES)

CRI­ME E CAS­TI­GO Ca­so Ri­chtho­fen

Su­za­ne von Ri­chtho­fen não foi “cúm­pli­ce” no cri­me que matou seus pais. Foi a autora in­te­lec­tu­al, pu­ra e sim­ples­men­te. JA­MES RO­BERT JERNIGAN jimmyj­jer­ni­[email protected]

São Pau­lo

“To­dos os se­to­res pú­bli­cos ber­ram: ‘No meu, não!’. E as­sim, co­mo nin­guém ali pen­sa no Bra­sil, so­men­te no pró­prio bol­so, é o po­vo que mais uma vez vai pa­gar a con­ta. Po­bre País!” MILTON BULACH / CAM­PI­NAS, SO­BRE A RE­FOR­MA TRI­BU­TÁ­RIA, PA­RA CO­BRIR OS GAS­TOS CRES­CEN­TES NOS TRÊS PO­DE­RES mbu­la­[email protected]

“A namorada de Lu­la cri­ti­cou a La­va Ja­to: ‘Frau­da­ram a Jus­ti­ça’. E o na­mo­ra­do de­la frau­dou o País du­ran­te vá­ri­os anos!” RO­BERT HALLER / SÃO PAU­LO, SO­BRE O PRESIDIÁRI­O CON­DE­NA­DO POR COR­RUP­ÇÃO EM DOIS PRO­CES­SOS PENAIS ro­be­li­[email protected]­ra.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.