Des­bra­ga­da ju­di­ci­a­li­za­ção

O Estado de S. Paulo - - Notas E Informaçõe­s -

No Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to, ca­da Po­der tem uma es­fe­ra es­pe­cí­fi­ca de atu­a­ção. Nes­sa dis­tri­bui­ção de com­pe­tên­ci­as, as de­ci­sões po­lí­ti­cas ca­bem a quem foi elei­to pe­lo vo­to po­pu­lar. Por exem­plo, quem le­gis­la, de­fi­nin­do as re­gras ge­rais que or­ga­ni­zam e re­gu­lam a so­ci­e­da­de, é o Po­der Le­gis­la­dor. E quem go­ver­na, de­fi­nin­do pri­o­ri­da­des, po­lí­ti­cas e pro­je­tos, é o Po­der Exe­cu­ti­vo. Es­se mo­do de fun­ci­o­na­men­to de­cor­re do prin­cí­pio de que to­do o po­der ema­na do po­vo. Só tem po­der po­lí­ti­co quem re­ce­beu vo­tos.

No en­tan­to, es­te prin­cí­pio fun­da­men­tal da de­mo­cra­cia vem so­fren­do ata­ques por par­te de par­ti­dos e po­lí­ti­cos da opo­si­ção. Re­por­ta­gem do Es­ta­do mos­trou ver­ti­gi­no­so au­men­to da ju­di­ci­a­li­za­ção de as­sun­tos po­lí­ti­cos em 2019. Par­te da opo­si­ção tem re­cor­ri­do sis­te­ma­ti­ca­men­te ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) na ten­ta­ti­va de re­ver­ter der­ro­tas so­fri­das no Con­gres­so, bem co­mo de sus­tar me­di­das ado­ta­das pe­lo Pa­lá­cio do Pla­nal­to.

Nos pri­mei­ros no­ve me­ses do go­ver­no de Jair Bolsonaro, fo­ram pro­to­co­la­das 29 Ações Di­re­tas de In­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de (Adins) e 16 Ar­gui­ções de Des­cum­pri­men­to de Pre­cei­to Fun­da­men­tal (ADPFs), num to­tal de 45 ações con­tes­tan­do leis e atos nor­ma­ti­vos. A tí­tu­lo de com­pa­ra­ção, hou­ve 19 ações des­se ti­po no mes­mo pe­río­do do go­ver­no de Mi­chel Te­mer.

Nos pri­mei­ros no­ve me­ses de 2003, pri­mei­ro ano do go­ver­no de Lu­la da Sil­va, fo­ram pro­pos­tas cin­co ações, en­tre Adins e ADPFs. No mes­mo pe­río­do do se­gun­do man­da­to de Lu­la, 18. Nos go­ver­nos de Dil­ma Rous­seff, fo­ram 7 e 11, res­pec­ti­va­men­te.

Os nú­me­ros de ações por par­ti­do ma­ni­fes­tam cla­ra des­pro­por­ção en­tre re­pre­sen­ta­ção po­pu­lar e aci­o­na­men­to do Ju­di­ciá­rio. A Re­de, que ele­geu ape­nas uma de­pu­ta­da fe­de­ral em 2018 e tem três se­na­do­res, foi a re­cor­dis­ta de ações no Su­pre­mo. A legenda pro­to­co­lou 11 pro­ces­sos con­tra atos do Le­gis­la­ti­vo e do Exe­cu­ti­vo no STF. “Quem não tem vo­to ju­di­ci­a­li­za”, re­co­nhe­ceu o lí­der do go­ver­no no Se­na­do, Fer­nan­do Be­zer­ra (MDB-PE). O PDT, se­gun­do par­ti­do que mais aci­o­nou o Ju­di­ciá­rio, dis­tri­buiu seis ações no STF em 2019. Com 27 de­pu­ta­dos fe­de­rais, é a 11.ª legenda em nú­me­ro de ca­dei­ras na Câ­ma­ra e tem 4 se­na­do­res.

En­ti­da­des de clas­se e a Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da República (PGR) tam­bém têm con­tri­buí­do pa­ra a ju­di­ci­a­li­za­ção de as­sun­tos po­lí­ti­cos. Se­gun­do le­van­ta­men­to do Es­ta­do, nos pri­mei­ros no­ve me­ses de 2019, as en­ti­da­des de clas­se pro­to­co­la­ram no Su­pre­mo 12 ações con­tes­tan­do leis e atos nor­ma­ti­vos e a PGR, seis.

Faz par­te do jo­go de­mo­crá­ti­co a pos­si­bi­li­da­de de aci­o­nar o STF a res­pei­to da cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de de leis e atos nor­ma­ti­vos. E, en­tre os que têm com­pe­tên­cia pa­ra pro­por es­se ti­po de ação, a Cons­ti­tui­ção de 1988 lis­ta os par­ti­dos po­lí­ti­cos com re­pre­sen­ta­ção no Con­gres­so Na­ci­o­nal, as con­fe­de­ra­ções sin­di­cais e en­ti­da­des de clas­se de âm­bi­to na­ci­o­nal e o Pro­cu­ra­dorGe­ral da República. No en­tan­to, a pos­si­bi­li­da­de de ba­ter às por­tas do STF não re­pre­sen­ta au­to­ri­za­ção pa­ra trans­fe­rir pa­ra o Ju­di­ciá­rio a de­ci­são de ques­tões po­lí­ti­cas. E é is­so pre­ci­sa­men­te o que se vê na ex­pres­si­va quan­ti­da­de de Adins e ADPFs pro­to­co­la­das em 2019.

O em­ba­te que os par­ti­dos po­lí­ti­cos de­vem tra­var é no Con­gres­so, e não na Jus­ti­ça. Lo­gi­ca­men­te, es­sa atu­a­ção no Le­gis­la­ti­vo exi­ge ne­go­ci­a­ção e co­or­de­na­ção com as ou­tras le­gen­das, o que mui­tas ve­zes não é uma ta­re­fa fá­cil. Mas é es­te pre­ci­sa­men­te o pa­pel da po­lí­ti­ca – por meio do es­tu­do, do diá­lo­go, do de­ba­te e das ali­an­ças, os par­ti­dos de­vem ser ca­pa­zes de for­mar as mai­o­ri­as e os con­sen­sos pos­sí­veis so­bre os te­mas e res­pec­ti­vas pro­pos­tas.

Fere o prin­cí­pio de­mo­crá­ti­co o par­ti­do que abdica da ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca pa­ra se de­di­car a fa­zer po­lí­ti­ca no Ju­di­ciá­rio. Ca­be ao Ju­di­ciá­rio re­jei­tar pe­remp­to­ri­a­men­te es­se ti­po de ma­no­bra. Co­mo guar­dião da Cons­ti­tui­ção, o Su­pre­mo tem o de­ver de ze­lar pe­la se­pa­ra­ção dos Po­de­res e fa­zer va­ler, de fa­to e de di­rei­to, a de­mo­cra­cia re­pre­sen­ta­ti­va. Po­bre de­mo­cra­cia é aque­la cu­ja de­ci­são po­lí­ti­ca, em vez de ser tomada por quem re­ce­beu vo­to po­pu­lar, é trans­fe­ri­da pa­ra o ple­ná­rio dos tri­bu­nais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.