Ju­ris­tas di­ver­gem so­bre di­rei­to de pe­tis­ta re­cu­sar se­mi­a­ber­to

Juí­za pe­de cer­ti­dão de con­du­ta car­ce­rá­ria de ex-pre­si­den­te; em car­ta, ele diz que não acei­ta ‘bar­ga­nhar’ seus di­rei­tos

O Estado de S. Paulo - - Política - / RICARDO GALHARDO, VINICIUS PASSARELLI, PE­DRO PRA­TA e PEPITA ORTEGA

A juí­za fe­de­ral Ca­ro­li­na Leb­bos, da Va­ra de Exe­cu­ções Penais do Pa­ra­ná, so­li­ci­tou on­tem à Su­pe­rin­ten­dên­cia da Po­lí­cia Fe­de­ral no Es­ta­do que in­for­me “a cer­ti­dão de con­du­ta car­ce­rá­ria” do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va. A ma­ni­fes­ta­ção da juí­za foi em res­pos­ta ao pe­di­do de pro­cu­ra­do­res da for­ça-ta­re­fa da La­va Ja­to pa­ra que ela con­ce­da o re­gi­me se­mi­a­ber­to a Lu­la. O pe­tis­ta afir­mou, po­rém, em car­ta li­da pe­lo seu ad­vo­ga­do, que não acei­ta “bar­ga­nhar” seus di­rei­tos e sua li­ber­da­de e que ca­be­rá ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral “cor­ri­gir o que es­tá er­ra­do”.

Pre­so em re­gi­me fe­cha­do des­de 7 de abril de 2018 pe­la sen­ten­ça do pro­ces­so do tri­plex do Gu­a­ru­já (SP), Lu­la cum­pre a pe­na em uma sa­la es­pe­ci­al na se­de da PF em Curitiba. A de­fe­sa de Lu­la vi­nha sus­ten­tan­do que, por de­ter­mi­na­ção do ex-pre­si­den­te, não pe­di­rá pro­gres­são de re­gi­me pa­ra o se­mi­a­ber­to.

Es­pe­ci­a­lis­tas con­sul­ta­dos pe­lo Es­ta­do di­ver­gem quan­to à le­ga­li­da­de de um pre­so ne­gar a pro­gres­são de re­gi­me.

Lu­la não afir­ma na car­ta, ex­pli­ci­ta­men­te, que re­cu­sa a pro­gres­são de re­gi­me. No en­tan­to, o texto re­for­ça o dis­cur­so ado­ta­do pe­lo ex-pre­si­den­te de que não uti­li­za­rá de ne­nhum ar­ti­fí­cio ju­rí­di­co pa­ra dei­xar a pri­são que não se­ja sua de­cla­ra­ção de ino­cên­cia.

Pa­ra o cri­mi­na­lis­ta e dou­tor em Di­rei­to Pe­nal pe­la USP Con­ra­do Gon­ti­jo, um pre­so não tem li­ber­da­de pa­ra to­mar a es­co­lha de aca­tar ou não a pro­gres­são de pe­na. “A Lei de Exe­cu­ções Penais de uma for­ma mui­to cla­ra no ar­ti­go 112 pre­vê que a pe­na pri­va­ti­va de li­ber­da­de de­ve ser exe­cu­ta­da de for­ma pro­gres­si­va”, dis­se.

Já o cri­mi­na­lis­ta Fer­nan­do

Cas­te­lo Bran­co acre­di­ta que o ex-pre­si­den­te tem o di­rei­to de re­cu­sar a pro­gres­são. “Não é uma im­po­si­ção. En­tão, co­mo di­rei­to, não sen­do uma ati­vi­da­de a qual ele es­tá obri­ga­do a aca­tar, di­fe­ren­te­men­te do in­ver­so que se­ria a pri­são, ele tem to­da a pos­si­bi­li­da­de de re­cu­sa.”

On­tem, o ad­vo­ga­do do pe­tis­ta, Cris­ti­a­no Za­nin, dis­se que a Jus­ti­ça ain­da não ha­via en­ca­mi­nha­do a in­ti­ma­ção so­bre a pro­gres­são da pe­na. “Ele (Lu­la) não acei­ta qual­quer con­di­ção im­pos­ta pe­lo Es­ta­do por­que não re­co­nhe­ce a le­gi­ti­mi­da­de do pro­ces­so que o con­de­nou”, afir­mou Za­nin. A de­fe­sa do pe­tis­ta pro­to­co­lou um pe­di­do de ur­gên­cia no STF pa­ra o jul­ga­men­to do pe­di­do de sus­pei­ção do ex-juiz Sér­gio Mo­ro, atu­al mi­nis­tro da Jus­ti­ça.

Os pro­cu­ra­do­res da La­va Ja­to ava­li­am que o pe­tis­ta “en­con­tra-se na imi­nên­cia de aten­der ao cri­té­rio tem­po­ral”, ou se­ja, o cum­pri­men­to de um sex­to da pe­na na con­de­na­ção no ca­so do tri­plex. Em seu des­pa­cho, a juí­za ain­da au­to­ri­zou o re­cál­cu­lo da mul­ta de R$ 4,1 mi­lhões im­pos­ta ao ex-pre­si­den­te, va­lor ques­ti­o­na­do ju­di­ci­al­men­te des­de agos­to. O pa­ga­men­to da mul­ta é um dos con­di­ci­o­nan­tes pa­ra a pro­gres­são de pe­na.

THEO MAR­QUES/FRAMEPHOTO-15/8/2019

Curitiba. Lu­la con­ce­de en­tre­vis­ta na Po­lí­cia Fe­de­ral

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.