Ín­di­ces apon­tam os­ci­la­ções na con­fi­an­ça

Ins­tá­veis, in­di­ca­do­res de se­tem­bro mos­tram di­re­ções opos­tas e ati­vi­da­de econô­mi­ca com re­cu­pe­ra­ção len­ta

O Estado de S. Paulo - - E & N / Economia & Negócios - Kar­la Spo­tor­no

Mes­mo com a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia apro­va­da pe­los de­pu­ta­dos e en­ca­mi­nha­da no Se­na­do Fe­de­ral, os in­di­ca­do­res de con­fi­an­ça mos­tra­ram com­por­ta­men­tos dis­tin­tos em se­tem­bro. Dos dez di­vul­ga­dos até on­tem, qua­tro ti­ve­ram al­ta em re­la­ção a agos­to. Ou­tros dois fi­ca­ram es­tá­veis, mas re­gis­tra­ram que­da no su­bín­di­ce re­fe­ren­te à si­tu­a­ção fu­tu­ra. E qua­tro ti­ve­ram bai­xa.

En­tre aque­les que re­gis­tra­ram al­ta, os ín­di­ces re­la­ti­vos ao con­su­mi­dor e ao va­re­jo, di­vul­ga­dos pe­la Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal do Co­mér­cio (CNC), es­tão re­la­ci­o­na­dos à en­tra­da de re­cur­sos na eco­no­mia com a li­be­ra­ção de, apro­xi­ma­da­men­te, R$ 42 bi­lhões do FGTS e do PIS/Pa­sep pa­ra o tra­ba­lha­dor. “A al­ta da con­fi­an­ça do con­su­mi­dor em se­tem­bro foi in­flu­en­ci­a­da pe­lo mai­or ím­pe­to em re­la­ção às com­pras nos pró­xi­mos me­ses, ten­dên­cia que pa­re­ce es­tar di­re­ta­men­te re­la­ci­o­na­da ao iní­cio da li­be­ra­ção de re­cur­sos do FGTS”, ava­li­ou Vi­vi­a­ne Se­da Bit­ten­court, co­or­de­na­do­ra das Son­da­gens do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Eco­no­mia da FGV, quan­do da di­vul­ga­ção do in­di­ca­dor.

As di­fe­ren­tes di­re­ções so­bre a evo­lu­ção do oti­mis­mo do bra­si­lei­ro com a eco­no­mia re­for­ça a na­tu­re­za instável des­ses in­di­ca­do­res, con­si­de­ra­dos an­te­ce­den­tes. Na ava­li­a­ção do eco­no­mis­ta do Ban­co Votorantim Carlos Lo­pes, a ins­ta­bi­li­da­de nos ín­di­ces de con­fi­an­ça é nor­mal pa­ra mo­men­tos pós re­ces­são co­mo o vi­vi­do pe­lo Bra­sil atu­al­men­te. “Re­to­ma­das de cri­se in­ten­sa cos­tu­mam ser er­rá­ti­cas. En­tão, não te­ría­mos mes­mo uma tra­je­tó­ria fir­me e li­ne­ar da con­fi­an­ça”, dis­se Lo­pes.

“A gran­de oci­o­si­da­de da eco­no­mia, a len­ta re­cu­pe­ra­ção do mer­ca­do de tra­ba­lho, o ajuste fis­cal (que re­sul­ta em me­nor in­ves­ti­men­to pú­bli­co) aca­bam li­mi­tan­do a ve­lo­ci­da­de de re­cu­pe­ra­ção da ati­vi­da­de e, por­tan­to, a con­fi­an­ça”, afir­mou o eco­no­mis­ta. Lo­pes acres­cen­ta que a eco­no­mia se­gue fra­ca, re­cu­pe­ran­do-se len­ta­men­te. “Co­mo a re­cu­pe­ra­ção do em­pre­go se­gue len­ta, é na­tu­ral que se­to­res li­ga­dos à ren­da de­mo­rem mais a re­a­gir. Por ou­tro la­do, se­to­res mais li­ga­dos a cré­di­to po­dem an­dar mais, vis­to que os ju­ros es­tão bem bai­xos”, dis­se o eco­no­mis­ta do Votorantim.

Ain­da que a con­fi­an­ça es­te­ja mais al­ta do que no ano pas­sa­do, os in­di­ca­do­res ain­da não re­tor­na­ram pa­ra os ní­veis an­te­ri­o­res à re­ces­são, co­mo ob­ser­va o eco­no­mis­ta-che­fe da Se­ra­sa Ex­pe­ri­an, Luiz Ra­bi. Ele pon­de­ra que a re­cu­pe­ra­ção da ati­vi­da­de econô­mi­ca é, na­tu­ral­men­te, um pro­ces­so len­to. “Es­tá mais len­to do que o pre­vis­to ini­ci­al­men­te”, diz Ra­bi. “Sa­be­mos que um fa­tor que vai des­tra­var a eco­no­mia é a apro­va­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. A par­tir dis­so, ou­tras agen­das se­rão pri­o­ri­za­das”, afir­mou o eco­no­mis­ta

A vo­ta­ção da PEC pre­vi­den­ciá­ria na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) do Se­na­do e, de­pois, no ple­ná­rio foi re­mar­ca­da pa­ra ho­je (1º/10).

Re­to­ma­da “Re­to­ma­das de cri­se in­ten­sa cos­tu­mam ser er­rá­ti­cas. En­tão, não te­ría­mos mes­mo uma tra­je­tó­ria fir­me e li­ne­ar da con­fi­an­ça.” Carlos Lo­pes ECO­NO­MIS­TA DO BAN­CO VOTORANTIM

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.